terça-feira, 9 de abril de 2013

UM PAÍS QUE NÃO OUSA DIZER O NOME




Escrevo esse texto no sábado. Sim caro leitor eu escrevo o texto antes e vendo o Jornal Nacional acaba de passar a chamada de uma matéria que irá ao ar no Fantástico de amanhã com a cantora Daniela Mercury.

Pra quem não lembra quem é ela é a Ivete dos anos 90.

E por quê Daniela será tema do Fantástico amanhã? Ela lançou um CD novo? Clipe de uma nova música? Anunciará uma nova turnê?

Não caro leitor. Ela se apaixonou por uma mulher e assumiu.

Pois é. Estamos no ano de 2013, século XXI, terceiro milênio e o que as pessoas fazem ou deixam de fazer na cama ainda é notícia.  A Daniela virou o principal assunto do país. Milhares de artistas deixaram mensagens no twitter, facebook, monte de lugares dando parabéns.

Parabéns por ter assumido que gosta de alguém. Dessa forma, declarando seu amor a uma pessoa do mesmo sexo Daniela Mercury volta à mídia onde estava meio esquecida.

Não sei se ela fez de propósito aproveitando a onda a favor, mas por coincidência em um momento que a Joelma cantora do Calypso deu uma declaração que conseguiu ser mais infeliz que suas músicas. 

Não gosta de homossexualismo. Ok direito seu. Mas cuidado quando você é formador de opinião, tem fãs, porque isso é perigoso. Cuidado pra não fermentar uma guerra sexual, para não exalar preconceito. Não gosta? Guarda pra si até porque o outro tem direito de amar quem quiser. 

Pois é, mas a Joelma não leu isso acima. Além de exalar seu preconceito (até aí todos nós temos preconceito contra alguma coisa, é humano) aumentou a besteira dizendo que fazia trabalho pra recuperação de gays e comparando a drogados.

Pronto. A lambança estava feita.

A impressão é que o país vive uma guerra sexual. A “guerra fria” sempre existiu com palavrinhas, piadinhas, alguns momentos de preconceito, mas a coisa explodiu quando o Marcos Feliciano, já citado aqui, virou presidente do Conselho dos Direitos Humanos da Câmara.

Ninguém sabia direito da existência desse conselho, quase ninguém sem o google saberá dizer o nome do presidente anterior, mas o fato do racista e homofóbico pastor ter assumido esse cargo criou uma grande confusão.

Manifestantes em todas as reuniões gritando contra ele a ponto de um ser preso e as reuniões agora serem fechadas. Artistas beijando a boca de outros artistas do mesmo sexo (Como se eles precisassem do Feliciano pra fazer isso). Artistas brigando contra artistas.

Luana Piovani trocando xingamentos com filho do Bolsonaro no twitter. Perla que até outro dia usava saia curta e descia até o chão postando foto beijando o marido e dizendo que o pastor lhe representa. Rafinha Bastos brigando com hotel porque fez piada de cunho sexual e tomou de volta.

A impressão é que o país enlouqueceu.

Homofóbicos saíram de suas grutas e resolveram declarar sua repulsa aos gays. Gays e simpatizantes decidiram não abaixar mais a cabeça e enfrentar buscando seus direitos. Trincheiras reais e virtuais são montadas com ataques de lado a lado.

E nisso Renan Calheiros, José Sarney, Fernando Collor de Mello, Paulo Maluf e outros sorriem.

Por quê? Serei polêmico agora.

Como eu disse até pouco tempo atrás ninguém sabia da CDH. O que ela faz, fez, nem seu último presidente. Ninguém também sabia quem era Marcos Feliciano.

Pra mim com todo o respeito que ele não merece Marcos Feliciano é uma titica, um nada, um ninguém e como já diz o slogan não me representa e como ele não me representa to nem aí pra ele. Agora mesmo deu pra falar mal de alguns ídolos meus como os Mamonas e John Lennon, que Deus lhes matou. Minha opinião? To nem aí pro que ele pensa ou deixa de pensar.

A sociedade civil já fez de tudo para lhe tirar. Beijaço, panelaço, twitaço, tudo que leva “aço” (sem duplo sentido) e nada adiantou. Esqueçam esse Zé ruela e deixe que os políticos cuidem dele. Esses já estão agindo e uma hora o pastor vai cair.  

Um dos grandes problemas desse país abençoado por Deus e bonito por natureza é que sua população, principalmente os formadores de opinião já que as camadas mais populares estão preocupadas com o preço do tomate, é que só temos raciocínio e capacidade mental de odiar uma pessoa por vez.

Até Marcos Feliciano assumir a CDH o alvo de todo nosso ódio era Renan Calheiros que acabara de assumir o comando do congresso mesmo alguns anos atrás sendo acusado de um monte de coisas e obrigado a renunciar.

E como um passe de mágica foi surgir o pastor da chapinha que esquecemos Renan. Esquecemos a ponto dele aparecer todo feliz, sorridente e pimpão em rede nacional falando da PEC das empregadas.

O foco vem sendo desviado. Despejam todo ódio em cima de um e esquecem de outros muito mais importantes e com capacidade de fazer mais mal a esse país que um homofóbico e racista que ninguém conhecia e graças a tudo o que ocorre agora é um cara famoso, bastante conhecido e se elege facilmente a qualquer cargo de legislativo no país hoje com votos dos evangélicos que lhe tratam como um, herói, um mártir que apanha todos os dias.

Parabéns vocês criaram um monstro e deram mídia a ele.

Parabéns. Renan e Sarney brindam e sorriem por serem esquecidos.


Joelma e sua música horrorosa ta na mídia, Daniela Mercury voltou a mídia, Marcos Feliciano, Bolsonaro e seus pares estão na mídia, Perla, até a Perla está na mídia.    

Tudo porque alguns preferem meninos em vez de meninas ou vice versa.

Nossa sociedade é ingênua, é boba. Odeia o homofóbico e dá luz para ele porque o mesmo mostra preconceito, exalta outras pessoas porque assumem relacionamento com outras do mesmo sexo quando amar alguém devia ser natural.

Quando amar alguém mesmo sendo do mesmo sexo provoca reações, boas ou ruins é porque a nossa sociedade não amadureceu.

O Brasil vive um clima de grande tensão sexual. Precisa de psicanálise pra se aceitar.

Um país que não ousa dizer o nome.














3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Até concordo com você, quando fala que estão dando mídia e o Marco Feliciano está adorando, mas não dá para fechar os olhos para homofóbico e racista quando existe isso; http://noticias.r7.com/cidades/jovem-gay-diz-ter-sido-espancado-por-segurancas-de-boate-em-sc-08042013

    ResponderExcluir
  3. Não temos que fechar os olhos. Só disse que estão dando uma mídia a ele que não tinha e graças a isso hoje ele se elege mais fácil ainda. Quanto a agressão ela é crime seja contra gay ou hétero, tem que ser investigada e punida.

    ResponderExcluir