segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Capítulo XVIII - Volta por cima

Lucas tentava esquecer Mayara e se dedicar a religião. Junto com outros evangélicos pregava a palavra do Senhor e converteu vários presos.

Dentro da cadeia recebeu um “presente” de Mariano. Um pacote repleto de cocaína. Noel viu e animado contou que “aquele era do bom”. Lucas concordou, mas disse que não era mais a dele e jogaria fora.

Noel pediu para Lucas não jogar, mas o rapaz contou que iria porque as drogas faziam mal e iam contra os preceitos de Deus. Noel argumentou que aquele pacote ajudaria muito na vida de Lucas na cadeia.

Lucas acabou cedendo e entregando o pacote para Noel que dividiu com os outros presos da cela agradecendo a Lucas que lia bíblia e em oração pedia desculpas a Deus.

Jéssica visitou o irmão na cadeia e contou que a emissora de televisão que abriu espaço para sua defesa no caso do assassinato de Wilson queria outra entrevista exclusiva com ele contando da vida no presídio e sua conversão.

Lucas pensou e respondeu a Jéssica que não sabia se seria bom. Ele queria recuperar sua paz interior e ficar longe da mídia. Jéssica argumentou que seria bom para sua imagem mostrar o novo homem que era além que a emissora pagaria.

Lucas pensou mais um pouco e aceitou, mas disse que não queria dinheiro. Queria mostrar o seu lado nos problemas que passou e a palavra de Deus.

Lucas deu entrevista para o mesmo programa dominical de variedades da vez anterior. Andou com o repórter pelo pátio e deu uma entrevista franca onde abriu seu coração e não deixou nenhuma pergunta sem resposta.

Contou de seu problema com álcool e drogas que já começara no auge do sucesso e só foi piorando com o tempo. Falou de seu deslumbramento com o sucesso, dinheiro e o envolvimento com o tráfico através de seu irmão Mariano.

Completou assumindo o sequestro de Wilson por suspeita de desvio de dinheiro, mas negou o assassinato do empresário. Duas perguntas que ficariam para sempre sem respostas se Wilson desviou ou não dinheiro e quem lhe matou.

Lucas falou da família. Da saudade de Jurema e Balão. O amor incondicional que sua mãe sempre lhe deu, seu apoio e os conflitos que teve com o pai, seu alcoolismo que só foram resolvidos no fim de sua vida. Lucas completou dizendo que depois que se tornou viciado começou a entender mais seu pai.

Falou do amor por Mayara e Jonatan e que esperava um dia ter coragem de conhecer Bia.

Terminou a entrevista falando de Léo. Do amor e saudade que sentia do seu irmão, parceiro e que sempre se achou o líder da dupla, quem impulsionava e que só depois da morte de Léo sentiu que ele que era seu alicerce, a fortaleza e sem o parceiro desmoronou.

A entrevista fez o programa ter picos de audiência e melhorou muito a imagem de Lucas junto a sociedade. O povo viu verdade em seus olhos e por alguns minutos viu o rapaz que conquistara a todos de volta.

Os anos se passaram e graças a seu comportamento exemplar Lucas foi liberado após três anos preso.

Na porta da cadeia foi cumprimentado pelos guardas que lhe desejaram boa sorte. Lucas agradeceu e sorriu sentindo o gosto da liberdade com o Sol mandando os raios sobre seu rosto.

Olhou para frente e viu Jéssica e Rubens encostados em um carro. Lucas atravessou a rua e deu um abraço forte na irmã que lhe disse que não estava sozinho.

Jéssica e Rubens levaram Lucas para o Dendê. Jéssica contou que construíra um quarto na parte dos fundos de sua casa para que Lucas morasse. O irmão agradeceu e disse que ajudaria no que pudesse ao casal.

Jéssica conduziu o irmão até o quarto e mandou que ele ficasse a vontade. Lucas agradeceu e fechou a porta olhando o interior do quarto.

Era bem diferente do que Lucas se acostumara na época do sucesso. Um quarto humilde com uma cama de solteiro, uma mesinha de cabeceira, armário e um ventilador. Bem diferente das tvs de plasma, ar refrigerados e frigobares dos hotéis luxuosos.

Mas também era bem diferente de onde Lucas dormiu nos últimos três anos. Não dormiria no chão depois de muito tempo. Agradecendo a Deus ele deitou naquela cama humilde como se estivesse em uma king size e deu um suspiro de felicidade.

Lucas queria ajudar o casal de alguma forma, mas não sabia fazer nada além de construir e cantar. Como sua carreira no funk acabara decidiu voltar a ser pedreiro.

Jéssica se espantou porque acostumara com Lucas em cima do palco cantando para milhares de pessoas e não conseguia imaginar seu irmão novamente trabalhando como pedreiro. Lucas respondeu que a igreja lhe ensinara o poder da humildade e que todo trabalho era digno.

Dessa forma Lucas procurou trabalho e rapidamente conseguiu em uma casa na favela para espanto dos donos da casa que nem sabiam o que dizer quando Lucas lhe ofereceu seus serviços.

Sem vergonha nenhuma Lucas e mais dois rapazes do morro começaram a trabalhar na casa embaixo de Sol forte. Lucas voltava as suas origens e o que para muitos poderia ser sinal de fracasso e humilhação para ele era volta por cima. Voltar a ser o homem que sempre foi.

Um dia trabalhava e Mariano passou com alguns comparsas pela construção. Olhou para Lucas sem camisa suado, sofrendo para carregar sacos de cimento e sentiu tristeza. Lucas notou que Mariano lhe olhava e perguntou se tinha ocorrido algo.

Mariano com pena do irmão respondeu que Lucas devia ter lhe ouvido quando foi visitar na cadeia criança e ele pediu que não fosse mais ao presídio.   

Lucas argumentou que o irmão sentia vergonha dele na hora errada, devia ter sentido quando ficou cheirando com ele tendo um festival para cantar no dia seguinte. Mariano respondeu que qualquer coisa lhe procurasse e caminhou.

Lucas gritou que não iria precisar e continuou a carregar cimento.

Trabalhou em algumas obras e de vez em quando curiosos apareciam para tirar fotos do rapaz trabalhando. Algumas delas pararam em revistas sensacionalistas, mas Lucas estava feliz e não se entristecia com a pena das pessoas.

E teria mais motivos para sorrir.

Uma noite chegou na casa de Jéssica e encontrou dois vizinhos que visitavam o casal. Damião que era motorista de táxi e Dora, sua irmã.

Damião deu um abraço em Lucas contando que era um prazer lhe conhecer e que Lucas era um de seus ídolos. Lucas agradeceu e depois recebeu um aperto de mão de uma sorridente Dora que também disse que era sua fã.

Todos foram jantar e Dora não tirava os olhos de Lucas que se envergonhara. 

Damião contava de sua rotina dirigindo táxi e do cansaço que sentia precisando de alguém para dividir o trabalho com ele.

Dora na hora perguntou a Damião porque não contratar Lucas que estava sem emprego fixo e com certeza conseguiria muitos passageiros entre seus fãs.

Lucas respondeu que não podia aceitar porque sua carteira foi apreendida. Rubens contou que pelo tempo que passou ele poderia conseguir sua carteira de volta. Lucas então falou que conseguindo aceitaria.

Os vizinhos foram embora e Jéssica se aproximou do irmão dando um abraço e falando que Dora gostava dele. Lucas sorriu e respondeu que era impressão da irmã e a vizinha só fora gentil. Jéssica riu e disse que não, ela gostava mesmo e Lucas perguntou como ela tinha tanta certeza.

Jéssica perguntou ao irmão se ele tinha uma fã misteriosa que todas as semanas mandava cartas de incentivo para a cadeia e Lucas respondeu que sim. Jéssica sorriu e se encaminhou para a cozinha, mas antes de entrar contou “Era Dora”.

Entrou, voltou da cozinha falando que Lucas devia convidar a vizinha para sair e retornou para a cozinha.

No dia seguinte Lucas foi até a casa de Dora e bateu na porta. A moça abriu e sorriu ao ver Lucas perguntando se ele precisava de algo. Lucas respondeu que sim, precisava saber se Dora queria ir ao cinema com ele.

Dora sorriu novamente e pediu cinco minutos para se arrumar.     

Lucas e Dora foram ao cinema e fazia tempo que o rapaz não se divertia tanto. 

Na fila da pipoca chegou a dar alguns autógrafos e recebeu perguntas de quando voltaria a cantar. Lucas respondia que não voltaria e os fãs se entristeciam. Isso fazia bem a Lucas, saber que ainda tinham carinho por ele.

Assitiram um filme de comédia e deram muita risada. No fim voltaram para casa comendo cachorro quente e conversando.

No caminho Dora perguntou a Lucas porque ele não voltava a cantar e ele respondeu que as coisas que cantava não conduziam com seu novo estilo de vida.

Dora contou que ele não precisava mais cantar funks poderia virar um cantor gospel, que Lucas poderia pensar com carinho nessa idéia já que tinha um talento que não podia ser desperdiçado e poderia passar bonitas mensagens através dele.

Lucas e Dora chegaram na porta da casa da moça e Lucas disse que iria pensar em sua idéia. Dora sorriu, deu um beijo no rosto de Lucas que perguntou quando ela diria que era a fã que mandava as cartas pro presídio.

Dora sorriu evergonhada abaixando os olhos. Lucas tocou em seu rosto e beijou a moça na boca que correspondeu.

Chegando em casa Lucas entrou no quarto, pegou um caderninho, caneta e começou a escrever.

Lucas conseguiu reaver a carteira e começou a dirigir o taxi. Ao mesmo tempo começou namoro com Dora, frequentava quase todos os dias culto da igreja e escrevia músicas gospel. Era um novo homem e parecia querer um futuro melhor, bem menos sombrio do que se projetava.

Lucas com doze músicas prontas procurou DJ Mustang. O produtor demonstrou surpresa com a visita de Lucas e felicidade por ver que ele estava diferente. Lucas contou que precisava de sua ajuda.

Disse ao produtor que tinha doze músicas gospel prontas e queria produzir um cd demo para procurar gravadoras. Mustang respondeu que não conhecia o meio e nunca produzira um gospel. Lucas argumentou que confiava no talento do produtor e precisava dele para voltar a cantar.  

Mustang aceitou e produziu cd demo com uma música para que Lucas corresse atrás de gravadoras.

Sem empresários e com a cara e a coragem Lucas foi atrás de gravadoras voltadas ao público evangélico e não demorou a que conseguisse uma.

Lucas ainda tinha muitos fãs, fama e um grande talento que faria qualquer gravadora se interessar em ter o artista em seu casting além da música ser boa. 

Uma gravadora se interessou e em poucas semanas Lucas entrava em estúdio.

Em pouco tempo a música “Jesus de Nazaré” estourava nas rádios voltadas ao público evangélico e não demorou que o cantor voltasse a um programa de televisão.

Lucas foi se apresentar no programa que lançou sua dupla com Léo e o início de sua carreira solo.

Lá o público em geral conheceu a canção.


JESUS DE NAZARÉ

Quando já tinha
Desistido de viver
Andava sem esperanças
Tão cansado de sofrer

Uma voz me disse
Acredite no amor

Abra o seu coração
Que nele entra o salvador

Mas como faço
Se ele foi preso na cruz
Me ajoelho a teus pés
E lhe peço uma luz

Me envolva com seu manto
Cubra os medos que expus
Preciso tanto do Senhor
Te imploro meu Jesus

Estou tão ferido
Sangraram o meu corpo
E a alma vive a chorar
Rogo em minha fé
Por Jesus de Nazaré
Só ele pode me salvar 

A canção emocionou porque ela diz muito do que Lucas viveu e no fim o rapaz contou como estava sua vida desde o sequestro de Wilson até aquele momento.

Foi uma participação comovente que mostrava um novo Lucas Violi.

Mas faltava uma coisa para que Lucas mostrasse que estava disposto a ser um novo homem.

O apresentador contou a Lucas que uma pessoa queria lhe conhecer e o rapaz ficou curioso perguntando se ela estava ali. O homem respondeu que sim e perguntou se Lucas queria que ela entrasse, o rapaz curioso respondeu positivamente.

 O Apresentador ao microfone então pediu que entrasse “Beatriz Violi”.

Lucas se assustou ao ver Bia entrar no palco. A menina já tinha nove anos de idade. A linda menina entrou no palco com cara de assustada e Lucas logo viu que não tinha como negar que era sua filha. Bia era a sua cara.

Lucas pediu que Bia se aproximasse e ela sem jeito chegou perto dele. O rapaz então se ajoelhou e abraçou a filha pedindo perdão por todos os seus erros com ela.

Bia muito tímida respondeu “tá bom papai” e emocionado Lucas chorou abraçado a Bia comovendo a todos.

Lucas finalmente assumia que tinha dois filhos e procurou ser um bom pai para Jonatan e Bia. Procurava evitar encontrar Mayara então Dora que se encarregava de buscar Jonatan e assim Lucas, Dora, Jonatan e Bia passeavam em cinemas, circos, shoppings e parques mostrando ser uma família feliz.

Lucas fazia shows para lançar seu novo cd que vendia como água. O rapaz agora tinha a vantagem de público evangélico não comprar cds piratas então rapidamente chegou ao disco de platina.

Fazia cerca de dez shows por mês. A maior parte pelo Rio de Janeiro, mas fazia alguns fora do estado e nesse caso pedia autorização da justiça por estar em condicional. Seu público não era tão amplo quanto já teve, nem sua fama. Mas Lucas contava com um público fiel que gostava de suas canções.

Conseguiu juntar dinheiro e comprou seu próprio taxi. Não parava de dirigir porque o dinheiro que recebia de shows além de não ser tanto a ponto de lhe deixar milionário achava que tendo uma vida comum, fazendo coisas que todo mundo faz não se deslumbraria.

Fez curso para pastor e em algum tempo já pregava na igreja do morro, além de outras igrejas pela cidade fazendo testemunho de sua vida e como se recuperara.

Voltou a carreira literária e lançou “O diário de Lucas”. Um livro que ele começou na cadeia em forma de diário contando seu dia a dia no presídio e continuou do lado de fora mostrando como retomara sua vida e sua carreira de cantor.

O lançamento desse livro foi bem mais simples do que sua primeira biografia. Foi lançado em uma igreja no bairro de Del Castilho sem artistas ou pessoas da alta sociedade, mas com a presença da imprensa e deu seu público fiel.

Fazia planos de casar com Dora e começou a construir uma casa ao lado da casa de Jéssica.

Vivia uma fase feliz como não imaginara que viveria novamente. Cantor, taxista, pastor, escritor...eram muitas atividades para um homem que já se considerava acabado. Lucas havia resgatado sua auto-estima, sua honra e recuperado sua imagem não só a frente da sociedade como das pessoas que amava.

E assim Lucas prosseguia sua vida. Em paz com Deus e com ele mesmo.

Uma noite Lucas dirigia quando um casal fez sinal com uma criança junto. 

Lucas parou e pelo espelhinho na frente notou que conhecia aquelas pessoas.

Olhou pra trás e viu Mayara. Sua ex mulher estava acompanhada do filho deles Jonatan que sorridente falou “oi papai”.

Lucas respondeu ao filho e engolindo em seco disse “oi Mayara”, Mayara respondeu e o homem que estava ao lado dela falou “boa noite Lucas”.

Era Jonas, seu irmão e que Lucas descobria naquele momento que era o novo marido de Mayara.

Lucas viu o irmão com Mayara e sentiu como se uma faca entrasse em seu peito, sentiu toda a dor da traição, mas respondeu o cumprimento e perguntou aos passageiros para onde eles iriam. Mayara respondeu que pra sua casa e Lucas deu partida no carro.

Um silêncio constrangedor tomou conta do carro. Jonatan dormiu no colo de Jonas e Lucas pelo espelho olhava seu filho dormindo no colo do novo marido daquela que fora a mulher de sua vida. Sentia o próprio irmão roubando sua mulher, seu filho e uma tristeza que há tempo não surgia tomou conta dele.

Mayara contrangida olhava pro lado de fora do taxi torcendo para chegar logo em casa.

Chegaram na frente da casa e Jonas desceu com Jonatan. Mayara perguntou a Lucas quanto devia e ele respondeu nada. Mayara mandou que ele parasse de besteira e perguntou novamente quanto devia.

Lucas sem olhar para a ex respondeu que ela devia sua vida, mas como isso era impossível que ela pagasse queria apenas que ela descesse do carro.

Mayara sem falar mais nada desceu e Lucas acelerou.

Lucas se pertubou ao ver Mayara com Jonas e não conseguiu mais trabalhar.

Andou pela cidade perdido, sem rumo e decidiu voltar pra casa.

Chegou em casa e foi pro quarto. Revirou-se na cama e não conseguia dormir pensando em Mayara e na traição que o irmão cometera. Decidiu sair pra espairecer.

Andou pela favela até chegar à frente do Acadêmicos do Dendê. Era noite de baile.

Sentou-se do outro lado da rua no meio fio e via a movimentação. As pessoas na fila para entrar, o mesmo porteiro de sempre e o som do funk alto rolando dentro da quadra.

Pela primeira vez desde que se converteu Lucas sentiu-se perdido, como se tivesse deixado sua vida escapar pelos dedos. Lembrou-se de Léo e Jonas, dos três todas as sextas ansiosos se arrumando e se encontrando para ir ao baile e sentiu saudades deles.

Notou uma mão em seu ombro e viu que era Mariano. Acompanhado de dois soldados e com um fuzil preso nas costas Mariano perguntou a Lucas se ele precisava de alguma coisa.

O rapaz só olhou o irmão, sem responder nada.

Algumas semanas depois Rubens chegou em casa e sentiu falta de algumas coisas na sala. Jéssica chegou logo depois e Rubens perguntou se ela tinha feito algo com a TV de plama e o home theater e ela respondeu que não.

Vasculharam por toda casa e Jéssica nervosa gritava que eles foram assaltados. 

Rubens respondia que aquilo não era possível já que não havia assaltos no morro.

Dora chegou perguntando por Lucas e Jéssica respondeu que não sabia dele e que foram assaltados. Rubens argumentou que talvez Lucas soubesse de algo e foram até o quarto dele perguntar.

Bateram na porta e ninguém respondeu. Rubens notou que a porta estava destrancada e abriu.

Abriu e não encontrou nada dentro. O quarto estava vazio Lucas levara suas roupas, tudo.

Jéssica desolada passou a mão pelo rosto e exclamou “Meu Deus!!”.

Lucas sucumbiu, o mal venceu.










Capítulo XVII - Pagando pecados

Lucas saiu do show e foi direto na primeira favela que encontrou pela frente. Gastou tudo que tinha em drogas e totalmente fora de si pegou a direção de seu carro. Não demorou muito e espatifou-se em outro carro.

Foi levado para o hospital desacordado e com braço quebrado. No local foi comprovado que Lucas estava drogado, mais um escândalo.

A fase não era nada boa.

Pra piorar a mulher que dirigia o outro carro também parou hospital, mas em estado grave. Era uma mãe de família que levava seus filhos para casa depois de uma festinha. Levava respeitando todas as leis de trânsito não contando que encontraria um alucinado pela frente.

Graças a Deus as crianças escaparam ilesas, mas ela estava em estado grave.
Lucas acordou e Jonas contou toda a situação que ocorrera. Lucas encostou a mão na cabeça falando “que cagada” e Jonas afirmou que daquela forma não dava e pedia demissão do cargo de seu empresário.

Lucas pediu ao irmão que não lhe abandonasse, só restava a ele para ajudá-lo na carreira e Jonas muito sério respondeu que Lucas naquele momento tinha que se preocupar em se tratar.

O rapaz procurou por DJ Mustang que lhe respondeu o mesmo.
                                                                                                              
Lucas não estava em condições de cantar, tinha que se livrar daquele vício antes de qualquer coisa.

Pra aumentar a maré de azar de Lucas a mulher faleceu. A imprensa deu bastante espaço para a morte mostrando o enterro e o drama dos pais que perderam a filha, do marido que perdeu a esposa e dos filhos que perderam a mãe.

Lucas teve a carteira de motorista apreendida e recebeu um novo processo. Agora de homicídio culposo.

Mas não era o único processo novo. O telefone de Lucas fora grampeado na época da investigação da morte de Wilson e ali foi provada que a ligação entre Lucas e Mariano era maior que apenas de dois irmãos.

Nos telefonemas apareceram conversas sobre compras de fuzil por parte de Lucas que tratava o material como “tênis” e indícios que a fundação Leonardo Figueira era sustentada pelo tráfico de drogas.

Apareceu também a foto de Lucas junto com Mariano segurando um fuzil na festa que Jonas insistiu que o irmão não fosse.

Agora também aparecia processo por associação ao tráfico.     
      
Por sorte não apareceu nada nas gravações sobre a morte de Pachola ou do suborno contra a testemunha no caso Wilson. 

Acabara de se livrar de uma acusação de homicídio e ganhava de presente uma de homicídio culposo e associação ao tráfico.

Pode existir um estranhamento de tantas coisas ruins acontecerem juntas na vida de Lucas, mas nunca é demais lembrar que antes disso ele passou por uma maré extremamente favorável. Poucos até hoje conseguiram sair da condição de vida que ele teve e chegar aonde chegou.

Lucas teve tudo na mão e não soube aproveitar. Envolveu-se com más companhias, com drogas e tudo na vida tem seu preço. Ela apenas cobrava o que deu ao rapaz.

Jornais sensacionalistas e programas de fofoca na televisão começaram a dar espaço para uma vidente que dizia que quando criança Lucas fez pacto com o diabo oferecendo sua alma para ser um artista famoso. A história da vidente até ganhou certa repercussão, mas era balela. Lucas nunca fez pacto nenhum nem vendeu sua alma.

Pelo menos não para o diabo.

Lucas vencera por seu talento e agora era derrotado por sua cabeça.

Não tinha mais dinheiro pra pagar Fábio Paschoal e acabou procurando um defensor público.  Jonas não aguentava mais conviver com o irmão e seus vícios. Os dois discutiam diariamente até que um dia Jonas mandou que o irmão fosse embora do apartamento.

Jonas que pagava o apartamento graças ao dinheiro que recebia com o mercadinho que comprou. Ele comprou o mercado com sua parte na venda do estúdio.

Estúdio que Lucas comprou sozinho com seu dinheiro e colocou o irmão como sócio.

Sem ter pra onde ir acabou pedindo abrigo para Mariano.

Lucas agora tinha como advogado defensor público e com ele recebeu sua primeira condenação. Quatro anos de prisão pelo homicídio no acidente, mas conseguiu o direito de recorrer em liberdade.

O problema agora era outro. Foi provado que a fundação era bancada pelo tráfico e acabou sendo fechada. Acabava assim o sonho de Lucas de tirar crianças da criminalidade através da arte e de conhecimento cívico.

Um projeto que começou muito bem intencionado, mas acabou mal.

O julgamento por associação ao tráfico foi marcado e as chances não eram muito boas.

Lucas desiludido com a vida tentava em Jonatan uma forma de salvação e começou a importunar Mayara querendo ficar mais tempo com o filho. O problema que Lucas sempre estava bêbado, drogado e Mayara não permitia que Lucas visse o filho daquela forma.

Lucas criou obsessão pelo filho e pela ex mulher e perseguia os dois. Uma noite viu Mayara saindo de um bar com dois rapazes e a moça abraçada com um deles.

Ficou furioso. Atravessou a rua em direção ao grupo e do nada deu um soco no rapaz que caiu no chão. O outro partiu pra cima de Lucas e a “turma do deixa disso” surgiu apartando os dois.

Mayara perguntou a Lucas que loucura era aquela e ele respondeu que não aguentaria ver sua mulher agarrada com outro homem no meio da rua.

Mayara gritava com Lucas que ele precisava se tratar e que não era mais sua mulher. Lucas respondeu que ela sempre seria e que se aquele cara encostasse nela de novo mataria os dois.

Mayara gritou para que ele parasse de ser idiota que o seu amigo era gay e namorado do outro com quem ele brigara. Lucas então parou e pareceu cair na real perguntando “gay?”.

Enquanto em um canto o homem com que Lucas brigou limpava com um lenço o sangramento do namorado Mayara respondeu que sim, era gay e que Lucas parasse de falar que mataria os outros que foi assim que sua vida se transformou naquele inferno.

Mayara foi até os amigos perguntar se eles estavam bem. Responderam que sim e os três começaram a caminhar para ir embora. Mayara virou-se e falou para que Lucas ficasse longe dela.

Não dá pra dizer que o que Lucas sentia por Mayara ainda era amor ou tinha virado obsessão. Lucas queria sua vida de volta. Seus shows, sua fama, seu sucesso, dinheiro e sua família, Mayara e Jonatan com ele e isso fazia com que ele insistisse e perseguisse Mayara mesmo com a moça querendo refazer sua vida.

Uma noite Mayara estava sozinha em casa quando Lucas começou a gritar pela ex. Mayara fingiu que não estava em casa e Lucas insistiu por alguns minutos até que tudo ficou em silêncio.

Mayara pensou que o ex tivesse desistido e se sentiu aliviada.

Cedo demais.

Mesmo proibido de dirigir Lucas estava com um carro de Mariano. Entrou no carro e ligou o veículo. Em vez de ir embora deu marcha ré, mas pra ir de encontro ao portão da casa de Mayara.

Bateu a primeira vez e Mayara desesperada surgiu na janela mandando que ele fosse embora ou chamaria a polícia. Lucas recuou e acelerou novamente conseguindo derrubar o portão.

Mayara foi ao telefone tentar ligar para a polícia, mas antes disso Lucas entrou na residência, pegou o telefone e jogou longe.

Lucas pegou Mayara e jogou a moça no sofá deitando por cima beijando sua boca, seu pescoço e contando que seria como nos velhos tempos.

Mayara lutava, batia em Lucas tentando se livrar do ex que tentava tirar sua roupa até que ela conseguiu lhe empurrar do sofá e sair correndo.

Lucas correu atrás, mas Mayara conseguiu se trancar em um quarto. Lucas começou a esmurrar a porta mandando que a ex abrisse e contando que iria arrombar a porta enquanto Mayara falava nada. Jogou-se na porta pra arrombar e quando tentou pela segunda vez ela abriu a porta.

Abriu com um revólver na mão e apontando para Lucas. Lucas perguntou que brincadeira era aquela e Mayara respondeu que não era brincadeira e que ele saísse imediatamente de sua casa ou atiraria.

Lucas duvidou que a ex atirasse e Mayara apontou a arma para sua cabeça mandando que ele não duvidasse.

O rapaz ficou em silêncio e Mayara mandou que ele fosse embora e nunca mais lhe procurasse. Com lágrimas nos olhos Lucas disse que amava Mayara e ela gritando mandou que ele fosse embora, nunca mais chegasse perto dela e quem amava de verdade não agia como ele.

Lucas olhou por uns segundos para Mayara e foi embora.

Passando pelo portão quebrado deu de cara com os pais de Mayara chegando com Jonatan. De dentro do carro o pai perguntou o que acontecia e Lucas fora de si deu vários socos no carro e gritando mandou que o ex sogro “tomasse no cu”.

Lucas foi embora e no dia seguinte Mayara conseguiu uma medida que impedia Lucas de se aproximar a menos de duzentos metros dela.

Em respeito a sua história com Lucas e a doença do rapaz não deu queixa de tentativa de estupro. A situação dele já era muito ruim.

Era muito ruim, péssima e acabou acontecendo o inevitável, o que estava na cara desde que começou a onda de problemas.

Lucas foi a julgamento pela associação ao tráfico e acabou condenado a seis anos de prisão. Mas dessa vez não teve direito a responder em liberdade tento sua prisão decretada de forma imediata.

Lucas chorando olhava Jéssica que também chorava e mandava que o irmão fosse forte. Lucas conseguiu dar um último beijo na irmã antes de ser algemado e conduzido.

Lucas foi conduzido a um presídio de menos periculosidade já que apesar de tudo não era um bandido tão perigoso. Dentro da viatura algemado Lucas parecia não acreditar no seu destino e como tudo se transformara de forma tão rápida.

Não fazia tanto tempo assim que ele era um sucesso nacional e as coisas degringolaram de tal forma que ele não conseguia explicar. Simplesmente perdeu tudo, chegou ao fundo do poço e dali não sabia como fugir.

Não tinha como fugir do fundo do poço, do presídio nem da sua sina.

Lucas foi conduzido a uma cela feita para comportar trinta presos, mas tinha cinquenta. Entrou com vergonha daquela situação, humilhado e um homem negro mais ou menos quarenta anos ao ver Lucas sorriu e falou “olha aí galera, visita ilustre”.

O homem se aproximou de Lucas estendeu a mão e disse “meu nome é Noel, o seu você não precisa dizer todo mundo sabe”. Lucas apertou a mão do homem com medo daquela situação. Não era sua vida, não era o que estava acostumado.

Noel mandou que Lucas ficasse a vontade porque “a casa era dele” e deu uma gargalhada com outros presos acompanhando. Lucas então caminhou até proximidade de uma parede e tentou sentar quando um homem impediu e disse que lugar de novato era perto do banheiro. Lucas viu uma privada quebrada e o homem completou “é ali”.

O rapaz se aproximou e sentou. Aquela era sua nova realidade.

Um calor infernal tomava conta da cela com os presos reclamando da situação e da super lotação. Noel olhava para Lucas e sorria.

Lucas adormeceu. Não tinha cama, travesseiro, nada disso apenas o chão para lhe fazer companhia. Dormiu e sonhou que cantava no Maracanã com Mayara. 

Juntos cantavam “No baile” para uma multidão que lhe aplaudia e amava. 

Depois ia com Mayara para a suíte do Ferraço hotel e fazia amor com ela.

Parecia real. Lucas sentia que estava com a ex, sentia seu corpo colado ao dela e quando acordou viu um homem beijando sua nuca.

Lucas perguntou o que significava aquilo e o homem lhe virou de bruços contando que não iria doer. O rapaz tentava lutar, mas o homem era mais forte e Lucas sentia na pele o que fez com Mayara. O homem conseguiu abaixar a calça de Lucas quando foi puxado.

Noel lhe puxou e gritou “com esse não”. O homem tentou partir para cima de Noel quando outros presos lhe seguraram os braços. Nesse momento Noel pegou uma faca e começou a esfaquear o estuprador.

Esfaqueava e gargalhava. Esfaqueou mais de trinta vezes mesmo com o homem já morto e depois mandou que jogassem o corpo em um canto da cela.

O corpo foi jogado e Lucas olhava aterrorizado a cena e sem entender nada. Noel olhou pra ele e disse “você tem sorte de ser irmão do Mariano senão essa hora já tinha virado mulher”.

Noel era da facção de Mariano e era um dos beneficiados pelo traficante. Nada de mal aconteceria a Lucas naquela cela.

O tempo foi passando. Lucas voltou a ser julgado prlo homicídio culposo e a pena caiu para três anos. Juntando os dois crimes Lucas teria nove anos de cadeia para cumprir, mas com bom comportamento conseguiria sair em condicional em três anos.

A vida na cadeia não era fácil, mas Lucas tentava viver. Conseguia ainda se drogar mesmo dentro de um presídio, mas no local consumia menos que do lado de fora. Ganhou um violão de presente de uma fã misteriosa que todas as semanas lhe mandava cartas com palavras de incentivo e que ele seria para sempre o maior artista do Brasil.

Conseguiu com a direção do presídio autorização para fazer um show para os presos. Então em uma tarde de Sol um pequeno palco foi montado no pátio do presídio para que Lucas se apresentasse aos outros presos.

Lucas com o violão cantou os maiores sucessos de sua carreira. Pela segunda vez cantava em um presídio, mas numa situação completamente diferente. 

Mesmo assim aquele show fez um grande bem para Lucas.

Por algumas horas Lucas esqueceu sua condição, tudo que sofria e se lembrou que era um artista. O palco era sua casa, seu oxigênio. O local no mundo que mais lhe fazia bem.

Para não ficar ocioso trabalhava na cozinha do presídio usando o talento familiar para culinária. Começou a escrever um diário contando como era sua vida na cadeia e até voltou a compor.

Um dia recebeu uma visita que lhe emocionou.

Lucas que não era de receber visitas abriu um largo sorriso como nos velhos tempos ao ver Jéssica na cadeia. Deu um abraço na irmã, contou toda a saudade que sentia e pediu desculpas por fazer a moça voltar a uma cadeia para visitar irmão.

Jéssica contou que estava ali porque sentiu saudades, amava o irmão e contou como estava a vida durante aqueles meses que Lucas estava preso e o rapaz ficou contente porque eram boas notícias em relação a irmã.

Perguntou por Mariano e Jonas. Jéssica respondeu que Mariano continuava como chefe de tráfico do Dendê e Jonas passou em um concurso público e foi embora para Curitiba.

Lucas comentou que o irmão sempre fora inteligente e só precisou sair de sua sombra para desabrochar. Depois arrumou coragem e perguntou por Mayara.

Jéssica respondeu que não tinha notícias dela, mas estava ali para uma missão.
Lucas perguntou qual era a missão e Jéssica respondeu que tinha um presente para o irmão. Lucas perguntou o que era e Jéssica lhe entregou um embrulho.

Como criança Lucas abriu o embrulho e viu qual era o presente. Uma bíblia.
Lucas olhou pra irmã que disse que esperou alguns meses para ver se o irmão conseguia aliviar um pouco o coração e pediu que ele lesse que assim sua vida se transformaria. 

Lucas olhou a bíblia e agradeceu o presente a sua irmã jurando que leria.
E realmente se tornou um leitor voraz da bíblia. Ler o livro sagrado fez bem ao coração de Lucas que se amansou, passava todo seu tempo lendo e tentando tirar a dor de sua alma.

Uma tarde um rapaz vendo Lucas ler a bíblia se aproximou e se apresentou como Rafael.

Lucas lhe cumprimentou e Rafael perguntou se Lucas não gostaria de participar de um culto evangélico. Lucas perguntou se tinha cultos na cadeia e Rafael respondeu que sim.

Mandou que o cantor fosse lhe encontrar na cela C no dia seguinte à noite.

Lucas foi e Rafael lhe conduziu até o local do culto...

..e acabou se convertendo virando evangélico.

Acabou que o inferno ganhava cores de salvação. O fundo do poço um recomeço. Lucas entrou mal naquele presídio, sem esperanças e encontrou uma religião, algo para pensar e viver. Não se drogava mais e junto com seus irmãos de fé passava na cadeia o nome do Senhor.

Era uma nova vida, um novo Lucas e foi dessa forma que ele recebeu uma nova visita.

Tomou um susto quando percebeu que era Mayara com Jonatan.

Deu um abraço no filho contado que estava com muitas saudades. Jonatan perguntou quando o pai sairia dali e Lucas respondeu assim que o Senhor Jesus permitisse.

Mayara olhou o ex marido e contou que ele estava diferente. Lucas sorriu e emendou que esperava que pra melhor e Mayara disse que sim, bem melhor.

Lucas brincava com Jonatan enquanto Mayara via os dois, especialmente tinha olhos em Lucas e mostrava ar de alegria por sua melhora. Jéssica contou as mudanças que ocorreram na vida de Lucas e isso fez com que ela fosse com o filho até lá.

No fim da visita Lucas pediu perdão a Mayara por tudo que lhe fez e a moça respondeu que ela não era ninguém para perdoar, só Deus poderia fazer isso e pela forma que viu Lucas tinha certeza que o perdão acontecera.

Depois disse que tinha que contar uma coisa para Lucas. O rapaz perguntou o que era e Mayara respondeu que estava namorando e iria se casar. 

Lucas sentiu um aperto no peito, um gelo pela espinha e parecia que o chão sumira, mas sorriu, disse “que bom” e que lhe desejava felicidades.

Mayara agradeceu e pediu desculpas por contar daquela forma, mas ela sempre preferiu a verdade e não queria mentir para Lucas. O rapaz com um sorriso forçado respondeu que estava tudo bem e deu um beijo na testa de Mayara falando “Que Deus lhe abençoe”.

Mayara disse que tinha outra coisa para contar e precisava dizer quem era seu futuro marido, mas Lucas respondeu que não precisava saber era a vida dela e ele tinha que respeitar. Mayara insistiu, mas Lucas não lhe deu ouvidos e pediu que ela fosse embora, pois, não era ambiente para Jonatan. 

Mayara então se despediu e partiu com o filho.

Lucas sorrindo e com a bíblia na mão andou pelo pátio sozinho enquanto os presos matavam saudades de seus familiares. Cumprimentou alguns sem tirar o sorriso do rosto e sentou no chão encostado numa parede sem ter ninguém por perto.

Vendo que estava sozinho Lucas tirou o sorriso do rosto e começou a chorar. Um choro compulsivo de um coração partido.

Tem certas dores que até pra Deus é difícil tirar.       







quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Capítulo XVI - Estrela cadente

Lucas estarrecido olhava o noticiário com cara de “fudeu”.

Wilson saíra de carro e na Avenida Brasil foi interceptado. Segundo testemunhas três homens desceram do carro e fuzilaram Wilson que morreu na hora.

Evidente que depois de tudo que ocorreu, o sequestro do empresário, a troca de socos no bar com promessa de Lucas que mataria Wilson Lucas se tornou o principal suspeito do crime. 

Lucas percebeu que se complicara e assim que viu o noticiário subiu o Dendê desesperado. Esmurrou a porta de Mariano que com cara de sono abriu perguntando o que acontecia.

Lucas entrou e gritando com o irmão perguntou por que ele fizera aquilo. 

Mariano devolveu a pergunta dizendo “eu fiz o quê?”. Lucas mandou que o irmão parasse de mentir porque sabia que ele tinha matado Wilson.

Mariano sentou no sofá e meio sem chão e perguntou “Wilson morreu?”. 

Lucas gritou que o irmão parasse de fingimento que sabia muito bem que tinha sido ele.
Dessa vez foi Mariano que gritou. O traficante levantou e respondeu que tinha nada a ver com aquela história, que Wilson era inimigo de Lucas, não seu e não faria nada sem o pedido do irmão.

Lucas então acreditou no irmão e disse que estava fudido. Todo mundo pensaria que foi ele. Mariano perguntou aonde o irmão estava na hora do crime e Lucas colocando as mãos na cabeça lamentou “aqui cheirando”.

Lucas não tinha um álibi. Se contasse a verdade teria que dizer que era usuário de drogas e aparentemente ninguém mais teria motivos para matar Wilson.

É..complicou..                                                                        

A imprensa colocou o assunto como o mais comentado do Brasil e previamente condenou Lucas. Para todos Lucas era o assassino de Wilson mesmo sem provas concretas.

O rapaz contratou o famoso jurista Fábio Paschoal para que lhe defendesse. 

Prestou longos depoimentos e em todos jurava inocência, mas se enrolava na hora de contar onde estava na hora do crime.

Ninguém mais contratava Lucas para shows e as rádios não tocavam mais suas músicas. Iniciou-se um grande silêncio na mídia em torno do artista Lucas Violi, agora ele era tratado como o assassino Lucas Violi.

Lucas perdeu o milionário contrato de patrocínio com a marca de refrigerantes e não tendo shows para fazer foi obrigado a vender o restaurante.

Só a fundação se mantinha, mas mesmo assim com dinheiro do tráfico. 

Mariano também ajudava nas finanças pessoais do irmão que tinha que pagar os honorários de Fábio.

A polícia prendeu um suspeito que assumiu que era um dos homens que matou Wilson e em depoimento contou que fora contratado por Lucas. Era a pá de cal.

Sentindo que sua prisão preventiva seria decretada Lucas decidiu se esconder no Dendê. Ela foi decretada e como Lucas não foi encontrado foi declarado como fugitivo da justiça.

Lucas se escondeu por dois dias na casa de Mariano e com soldados fortemente armados lhe protegendo enquanto a imprensa se perguntava onde ele estava e fazia retrospectiva de sua carreira.

Lucas olhava sua trajetória pela TV e chorava. A emissora mostrava todos os seus bons momentos. Sua parecia com Léo, os videoclips, o show no Maracanã tudo era lembrado até chegar naquele momento.

Lucas Violi conseguiu em poucos meses destruir o que levou a vida inteira pra realizar.

Fábio foi ao seu encontro tentar convencê-lo a se entregar, mas foi em vão. 

Dizia que sua situação era grave e que seu sumiço acabava sendo uma confissão de culpa. Lucas gritava que era inocente e Fábio argumentava que ele sabia, mas a opinião pública não e ele não podia se esconder.

Fábio desceu o morro derrotado e procurou Jonas para pedir que ele tentasse. 

Jonas contou que o irmão era cabeça dura e não conseguiria convencer. Fábio falou que não sabia mais o que fazer quando Jonas lembrou-se de alguém que talvez conseguisse.

Fábio subiu novamente o morro. Lucas quando lhe viu disse ao advogado que não adiantava tentar convencê-lo que não se entregaria. Fábio contou que não seria ele que tentaria e chamou uma pessoa para que entrasse.

E ela entrou...         

..era Mayara.                        

Lucas se espantou em ver a ex mulher e Fábio disse que deixaria os dois a sós.

Lucas perguntou o que Mayara fazia ali e a moça respondeu tentar evitar que ele fizesse uma loucura. Lucas disse que não iria se entregar e Mayara argumentou que ele tinha que se entregar e se defender, pois, era um artista não bandido.

Lucas com lágrimas nos olhos falou a Mayara que sua carreira acabara e ela respondeu que não, ainda dava para salvar, mas ele tinha que principalmente salvar sua vida.

Lucas sentou e contou a esposa que era usuário de drogas. Mayara sentou ao lado e respondeu que já desconfiava e que ele precisava se tratar. O rapaz disse que tinha vergonha de tudo que acontecia, de ser usuário de cocaína e não conseguia se imaginar entrando em uma delegacia preso.

Mayara pediu que ele pensasse em Jonatan e Bia e encarasse aquilo tudo porque sairia ainda mais forte do que entrou.

Lucas pensou por um tempo e pediu que Mayara chamasse Fábio.

De noite na hora de um jogo importante do Flamengo no Maracanã entrou plantão contando que Lucas Violi estava se entergando. Pelo acordo feito por Fábio com o delegado Lucas entrou sem algemas apenas com Fábio ao lado e policiais em volta.

Passou por um corredor de repórteres e fotógrafos que não cansavam de tirar fotos e populares que lhe chamavam de assassino.

Populares que até pouco tempo antes cantavam suas músicas e lhe considerava ídolo.

Lucas entrou na sala do delegado e foi fichado tendo que “tocar piano” deixando suas digitais. Depois foi conduzido a uma cela tendo o privilégio de ficar sozinho.

Lucas entrou na cela aos gritos dos outros presos de “aí cantor, te pegaram”. Ficou deitado em silêncio chorando como fazia quando criança ao dormir com fome. Queria o colo de sua mãe, sentia falta de Jurema e se perguntava onde tudo deu errado.

Ficou dois dias apenas na cadeia. Fábio conseguiu habeas corpus para que seu cliente respondesse o processo em liberdade.

Foi convencido por Fábio e Mayara que contasse a verdade e abrisse o jogo de onde estava na hora do crime. Lucas tentou argumentar que aquilo arruinaria sua imagem de vez e Mayara respondeu que sua liberdade naquele momento era mais importante.

Lucas precisava desesperadamente de dinheiro então Fábio e Jonas entraram em contato com uma emissora de TV para buscar um acordo para uma entevista bombástica e exclusiva.

Fechou acordo com a emissora e contaria sua história em um programa de variedades que passava na noite de domingo. Acertaram valores e Lucas contou toda a verdade.

Assim na noite de domingo o Brasil ficou sabendo que Lucas Violi, aquele que até pouco tempo antes era considerado um homem modelo, o rapaz que saiu da pobreza até alcançar o estrelato era um viciado em drogas e estava no morro cheirando com seu irmão traficante na hora do crime que era acusado.

Lucas chorou na entrevista e disse que era com muita vergonha que assumia tudo. Sempre quis ser um exemplo para as crianças e sucumbiu, na verdade era um fraco e precisava de ajuda.

O Brasil recebeu aquela notícia estarrecido. Nem aconteceu o debate que se esperava para saber se ele falava a verdade ou não. Na verdade ficou um clima de grande decepção como se ele tivesse traído o país. Com isso foi a vez da gravadora rescindir o contrato.

Lucas estava sozinho.

Muitos lhe viraram as costas, mas ainda tinham alguns com os quais ele poderia contar.  Lucas agora dividia apartamento com Jonas e um dia recebeu uma visita. Era Jéssica.

A irmã foi acompanhada por sua filha Sophia perguntar como Lucas estava. O rapaz respondeu que aliviado por contar toda a verdade, mas mal por ver sua vida sendo destruída. Jéssica lembrou-se então de quando o irmão salvou sua vida lhe pegando no colo no meio de um tiroteio para levá-la ao hospital.

Lucas abriu um pequeno sorriso ao se lembrar e Jéssica contou que sabia como ele pagara o hospital. Lucas fez cara de não entender e Jéssica respondeu que o homem que ele assaltara e devolvera o dinheiro fazia parte de sua igreja e nunca esquecera seu rosto e aquele ato de devolução.

Lucas abaixou a cabeça e Jéssica pegou nela com sua mão mandando que ele levantasse porque era um grande homem e tinha orgulho dele.

Lucas perguntou de que ela tinha orgulho se ele perdera tudo e Jéssica respondeu que não tinha orgulho pelo que ele conquistara materialmente, mas pelo que ele era.

Nesse momento Lucas abraçou a irmã emocionado e os dois choraram juntos.

O julgamento foi marcado e Lucas tentava viver. Recluso por um bom tempo por ter medo da reação das pessoas ao lhe verem na rua o rapaz decidiu que tentaria retomar a carreira e pediu a Jonas que tentasse fechar shows para ele.

Mas não foram muitos os lugares que se mostraram dispostos a lhe contratar. A televisão lhe fechou as portas e nem em rádios conseguia dar entrevistas, quanto mais cantar.

Restou a Lucas fazer shows em lugares menores, mais acanhados e esporádicos, mas ainda conseguia manter certo público fiel que lhe acompanhava.

O rapaz foi se desiludindo. Pouco tempo atrás se apresentava em grandes festivais viajava pelo mundo para mostrar seu talento e gravava DVD no Maracanã. Mas agora conhecia a decadência, o ostracismo. A impressão que se tinha era que Lucas se tornou um pária para a sociedade, um leproso que as pessoas não chegavam perto para não se contaminarem.

Tinha em cima de Lucas as palavras “drogado” e “assassino”. No Brasil o suspeito é tranformado em criminoso e depois em condenado com uma rapidez enorme sem nem precisar de provas ou julgamento.
   
Lucas se arrependia do sequestro e da surra que mandou dar em Wilson, mas jurava que seu crime era esse apenas e o país lhe condenava a coisa muito pior. 

A decadência moral.

Passou a beber muito se entregando ao alcoolismo e aumentar drasticamente o uso de cocaína e heroína. Ficava sentado na porta de seu banheiro se picando e tentando assim um alívio para a dor de sua alma. Lucas encontrava na bebida e nas drogas uma forma de não ter que pensar em quem ele era.

Eram poucos os shows que ainda conseguia fazer e esse lado foi prejudicado por seus excessos. Lucas muitas vezes faltava aos shows e quando se apresentava muitas vezes estava bêbado e drogado.

Lucas subia ao palco visivelmente alterado. Tropeçava nas palavras ao falar, errava letras de músicas e caía no palco. Algumas vezes recebia vaias, mas a maior parte do tempo contava com a compreensão do público que sentia pena do artista.

Mas os contratantes não sentiam a mesma pena e choviam processos em cima de um edividado Lucas por quebra de contrato. Durante um show Lucas desmaiou em cima do palco provocando um grande desespero na casa de shows.

Entrou no hospital em overdose e dessa vez não teve ninguém que abafasse o caso. A notícia rapidamente chegou à imprensa e coube a Jonas ter que explicar a situação aos jornalistas sem colocar panos quentes. Lucas era um doente e precisava de ajuda.

Uma vigília de fãs foi montada na frente do hospital orando pela saúde de Lucas. O rapaz ficou entre a vida e a morte, mas depois de quatro dias saiu do coma e mais alguns dias da UTI.

Lucas estava com a saúde bastante debilitada pelos excessos e no quarto recebeu visitas dos poucos que ainda não havia lhe abandonado. Recebeu visita de Jéssica com Rubens, Jonas, Mustang, Mayara e Fábio que preocupado com a aproximação do julgamento foi até o cliente combinar a estratégia de defesa.

Em mais alguns dias Lucas saiu do hospital sendo conduzido em cadeira de rodas por Jonas e não quis dar entrevistas. Foi levado até o apartamento e Jéssica decidiu ficar alguns dias no local para ajudar na recuperação do irmão.

Chegou o dia do julgamento e Lucas bastante nervoso na entrada do tribunal com Fábio foi cercado pela imprensa que lhe fazia perguntas sem que o rapaz respondesse. Os populares lhe xingavam e um ovo foi arremessado acertando a cabeça do cantor.

Do lado de dentro do fórum Jéssica limpava a cabeça de um desolado Lucas que perguntava a irmã porque o povo lhe odiava tanto. Jéssica respondeu ao irmão que aquela pouca quantidade de gente não representava o povo e que o povo lhe amava. Lucas abaixou a cabeça e respondeu que não amava mais.

Limpou-se e acompanhado de Fábio entrou na sala de audiência para o julgamento. A juíza entrou e perguntou a Fábio o que a defesa alegaria com o advogado respondendo inocência.

O julgamento foi tenso. Considerado o “julgamento do século” parando o país. 

Em bares, supermercados, restaurantes só se falava no julgamento e discutiam se Lucas era culpado ou inocente. Até no Dendê os traficantes foram para frente da televisão e quando um soldado perguntou se Lucas seria preso Mariano respondeu que o irmão era inocente e provaria.

As emissoras de televisão e rádio entravam com plantões da frente do fórum e entrevistavam criminalistas para entender as chances de Lucas no processo. Boa parte achava difícil que ele escapasse enquanto outros achavam as provas muito vagas, como o testemunho de um dos assassinos e que ele poderia ser inocentado.

Lucas foi chamado para testemunhar e respondeu com firmeza todas as perguntas declarando que era inocente e estava sendo vítima de um massacre organizado pela mídia. No fim emocionado lembrou-se de sua origem humilde e tudo que teve que batalhar para alcançar o estrelato. Que era um homem doente mais uma coisa não poderiam tirar dele. Sua estrela e uma estrela não se apaga assim.

A declaração de Lucas vazou para a imprensa e era capa dos jornais do dia seguinte com todos dando ênfase a parte que ele dizia ser uma estrela e uma estrela não apagar daquela forma.   

O julgamento transcorria e já passava de vinte e quatro horas. Em um intervalo Lucas perguntou a Fábio quais eram suas chances e o advogado respondeu que o depoimento do réu confesso seria fundamental.

Chegou o momento de seu depoimento e o homem muito nervoso sentou para dar seu testemunho e o advogado de acusação pediu que ele relatasse como foi.

O homem relembrou toda aquela noite e como foi o assassinato e o promotor perguntou se Lucas era o mandante do crime.

Naquele momento um grande silêncio tomou conta do julgamento e o homem respondeu que não provocando grande surpresa.

O promotor pediu que o homem explicasse aquela contradição com o depoimento na delegacia e o homem contou que foi forçado a falar na delegacia que era a mando de Lucas.

 O promotor perguntou forçado por quem e por quais motivos e o assassino respondeu que não soube na hora o motivo, mas descobriu depois que os policiais quiseram prejudicar Licas para se vingar de Mariano que não cumpria acordo feito com eles. 

Completou dizendo que teve que mentir senão os policiais lhe matariam e o promotor perguntou então a mando de quem foi o crime. O homem respondeu que não teve mandante, foi por contra própria por dívida de Wilson com eles.

Ninguém acreditou na parte que não teve mandante. Para todos o homem quis proteger alguém e a viúva de Wilson desesperada gritava do lado de fora para a imprensa que o homem foi subornado por Mariano para que mudasse sua versão.

Mariano via pela TV a declaração da viúva e comentou com seus soldados “otária, achou que iria fuder meu irmão”. Depois pegou o telefone e disse a alguém que o homem cumprira o prometido e que desse o dinheiro para sua esposa.

Com a queda da principal prova de acusação Lucas acabou sendo inocentado. 

Na hora da sentença abraçou forte seu advogado agradecendo a tudo e depois abraçou Jéssica e Jonas chorando e falando que o pesadelo tinha acabado.
Sentia-se animado, pronto para retomar a carreira.

Depois de um tempo descobriu-se que havia um seguro de um milhão de reais para a viúva de Wilson no caso de seu falecimento, então pairou no ar a dúvida sobre quem seria seu real mandante.

Mariano subornou sim o homem por ver que a situação de Lucas era dramática. Mas a dúvida era se antes ele já não fora subornado pela viúva para incriminar Lucas aproveitando que ele era o único suspeito e assim ninguém desconfiaria dela.

A viúva recebeu o dinheiro, Lucas saiu livre e ninguém nunca soube quem matou Wilson Mendes.

Charlote Spencer, que gravou “No baile” com Lucas faria show em uma grande casa de espetáculos do Rio de Janeiro e ligou para Lucas lhe convidando para cantar a música com ele. O rapaz entusiasmado aceitou e via ali chance de retomada.

Durante o show Lucas nervoso assistia a apresentação de Charlote da coxia quando a cantora disse ao público que tinha um convidado especial para aquela noite e queria que todos lhe recebessem com os braços abertos e extremo carinho.

A banda de Charlote começou a tocar a introdução de “No baile” e Chalote falou “com vocês Lucas Violi” o rapaz sem jeito entrou no palco.

E tomou uma grande vaia. Uma das maiores vaias já recebidas por um artista, mesmo sendo em um local menor parecia mais ruidosa que a do Rock in Rio.

Lucas olhava o público que gritava “assassino” para ele. A vaia cessou e se transformaram em gritos de assassino. Lucas com lágrimas nos olhos virou-se para Charlote que pediu desculpas.

Lucas então entregou o microfone para a cantora e saiu no palco com os gritos do público invadindo sua alma.

A verdade é que Lucas foi inocentado pela justiça, mas não pela opinião pública que não acreditava na sua inocência.

No dia seguinte todos os jornais contavam o ocorrido. Um deles trazia Lucas sorridente em uma foto do auge da carreira e a manchete..

..estrela cadente