segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Capítulo XVII - Pagando pecados

Lucas saiu do show e foi direto na primeira favela que encontrou pela frente. Gastou tudo que tinha em drogas e totalmente fora de si pegou a direção de seu carro. Não demorou muito e espatifou-se em outro carro.

Foi levado para o hospital desacordado e com braço quebrado. No local foi comprovado que Lucas estava drogado, mais um escândalo.

A fase não era nada boa.

Pra piorar a mulher que dirigia o outro carro também parou hospital, mas em estado grave. Era uma mãe de família que levava seus filhos para casa depois de uma festinha. Levava respeitando todas as leis de trânsito não contando que encontraria um alucinado pela frente.

Graças a Deus as crianças escaparam ilesas, mas ela estava em estado grave.
Lucas acordou e Jonas contou toda a situação que ocorrera. Lucas encostou a mão na cabeça falando “que cagada” e Jonas afirmou que daquela forma não dava e pedia demissão do cargo de seu empresário.

Lucas pediu ao irmão que não lhe abandonasse, só restava a ele para ajudá-lo na carreira e Jonas muito sério respondeu que Lucas naquele momento tinha que se preocupar em se tratar.

O rapaz procurou por DJ Mustang que lhe respondeu o mesmo.
                                                                                                              
Lucas não estava em condições de cantar, tinha que se livrar daquele vício antes de qualquer coisa.

Pra aumentar a maré de azar de Lucas a mulher faleceu. A imprensa deu bastante espaço para a morte mostrando o enterro e o drama dos pais que perderam a filha, do marido que perdeu a esposa e dos filhos que perderam a mãe.

Lucas teve a carteira de motorista apreendida e recebeu um novo processo. Agora de homicídio culposo.

Mas não era o único processo novo. O telefone de Lucas fora grampeado na época da investigação da morte de Wilson e ali foi provada que a ligação entre Lucas e Mariano era maior que apenas de dois irmãos.

Nos telefonemas apareceram conversas sobre compras de fuzil por parte de Lucas que tratava o material como “tênis” e indícios que a fundação Leonardo Figueira era sustentada pelo tráfico de drogas.

Apareceu também a foto de Lucas junto com Mariano segurando um fuzil na festa que Jonas insistiu que o irmão não fosse.

Agora também aparecia processo por associação ao tráfico.     
      
Por sorte não apareceu nada nas gravações sobre a morte de Pachola ou do suborno contra a testemunha no caso Wilson. 

Acabara de se livrar de uma acusação de homicídio e ganhava de presente uma de homicídio culposo e associação ao tráfico.

Pode existir um estranhamento de tantas coisas ruins acontecerem juntas na vida de Lucas, mas nunca é demais lembrar que antes disso ele passou por uma maré extremamente favorável. Poucos até hoje conseguiram sair da condição de vida que ele teve e chegar aonde chegou.

Lucas teve tudo na mão e não soube aproveitar. Envolveu-se com más companhias, com drogas e tudo na vida tem seu preço. Ela apenas cobrava o que deu ao rapaz.

Jornais sensacionalistas e programas de fofoca na televisão começaram a dar espaço para uma vidente que dizia que quando criança Lucas fez pacto com o diabo oferecendo sua alma para ser um artista famoso. A história da vidente até ganhou certa repercussão, mas era balela. Lucas nunca fez pacto nenhum nem vendeu sua alma.

Pelo menos não para o diabo.

Lucas vencera por seu talento e agora era derrotado por sua cabeça.

Não tinha mais dinheiro pra pagar Fábio Paschoal e acabou procurando um defensor público.  Jonas não aguentava mais conviver com o irmão e seus vícios. Os dois discutiam diariamente até que um dia Jonas mandou que o irmão fosse embora do apartamento.

Jonas que pagava o apartamento graças ao dinheiro que recebia com o mercadinho que comprou. Ele comprou o mercado com sua parte na venda do estúdio.

Estúdio que Lucas comprou sozinho com seu dinheiro e colocou o irmão como sócio.

Sem ter pra onde ir acabou pedindo abrigo para Mariano.

Lucas agora tinha como advogado defensor público e com ele recebeu sua primeira condenação. Quatro anos de prisão pelo homicídio no acidente, mas conseguiu o direito de recorrer em liberdade.

O problema agora era outro. Foi provado que a fundação era bancada pelo tráfico e acabou sendo fechada. Acabava assim o sonho de Lucas de tirar crianças da criminalidade através da arte e de conhecimento cívico.

Um projeto que começou muito bem intencionado, mas acabou mal.

O julgamento por associação ao tráfico foi marcado e as chances não eram muito boas.

Lucas desiludido com a vida tentava em Jonatan uma forma de salvação e começou a importunar Mayara querendo ficar mais tempo com o filho. O problema que Lucas sempre estava bêbado, drogado e Mayara não permitia que Lucas visse o filho daquela forma.

Lucas criou obsessão pelo filho e pela ex mulher e perseguia os dois. Uma noite viu Mayara saindo de um bar com dois rapazes e a moça abraçada com um deles.

Ficou furioso. Atravessou a rua em direção ao grupo e do nada deu um soco no rapaz que caiu no chão. O outro partiu pra cima de Lucas e a “turma do deixa disso” surgiu apartando os dois.

Mayara perguntou a Lucas que loucura era aquela e ele respondeu que não aguentaria ver sua mulher agarrada com outro homem no meio da rua.

Mayara gritava com Lucas que ele precisava se tratar e que não era mais sua mulher. Lucas respondeu que ela sempre seria e que se aquele cara encostasse nela de novo mataria os dois.

Mayara gritou para que ele parasse de ser idiota que o seu amigo era gay e namorado do outro com quem ele brigara. Lucas então parou e pareceu cair na real perguntando “gay?”.

Enquanto em um canto o homem com que Lucas brigou limpava com um lenço o sangramento do namorado Mayara respondeu que sim, era gay e que Lucas parasse de falar que mataria os outros que foi assim que sua vida se transformou naquele inferno.

Mayara foi até os amigos perguntar se eles estavam bem. Responderam que sim e os três começaram a caminhar para ir embora. Mayara virou-se e falou para que Lucas ficasse longe dela.

Não dá pra dizer que o que Lucas sentia por Mayara ainda era amor ou tinha virado obsessão. Lucas queria sua vida de volta. Seus shows, sua fama, seu sucesso, dinheiro e sua família, Mayara e Jonatan com ele e isso fazia com que ele insistisse e perseguisse Mayara mesmo com a moça querendo refazer sua vida.

Uma noite Mayara estava sozinha em casa quando Lucas começou a gritar pela ex. Mayara fingiu que não estava em casa e Lucas insistiu por alguns minutos até que tudo ficou em silêncio.

Mayara pensou que o ex tivesse desistido e se sentiu aliviada.

Cedo demais.

Mesmo proibido de dirigir Lucas estava com um carro de Mariano. Entrou no carro e ligou o veículo. Em vez de ir embora deu marcha ré, mas pra ir de encontro ao portão da casa de Mayara.

Bateu a primeira vez e Mayara desesperada surgiu na janela mandando que ele fosse embora ou chamaria a polícia. Lucas recuou e acelerou novamente conseguindo derrubar o portão.

Mayara foi ao telefone tentar ligar para a polícia, mas antes disso Lucas entrou na residência, pegou o telefone e jogou longe.

Lucas pegou Mayara e jogou a moça no sofá deitando por cima beijando sua boca, seu pescoço e contando que seria como nos velhos tempos.

Mayara lutava, batia em Lucas tentando se livrar do ex que tentava tirar sua roupa até que ela conseguiu lhe empurrar do sofá e sair correndo.

Lucas correu atrás, mas Mayara conseguiu se trancar em um quarto. Lucas começou a esmurrar a porta mandando que a ex abrisse e contando que iria arrombar a porta enquanto Mayara falava nada. Jogou-se na porta pra arrombar e quando tentou pela segunda vez ela abriu a porta.

Abriu com um revólver na mão e apontando para Lucas. Lucas perguntou que brincadeira era aquela e Mayara respondeu que não era brincadeira e que ele saísse imediatamente de sua casa ou atiraria.

Lucas duvidou que a ex atirasse e Mayara apontou a arma para sua cabeça mandando que ele não duvidasse.

O rapaz ficou em silêncio e Mayara mandou que ele fosse embora e nunca mais lhe procurasse. Com lágrimas nos olhos Lucas disse que amava Mayara e ela gritando mandou que ele fosse embora, nunca mais chegasse perto dela e quem amava de verdade não agia como ele.

Lucas olhou por uns segundos para Mayara e foi embora.

Passando pelo portão quebrado deu de cara com os pais de Mayara chegando com Jonatan. De dentro do carro o pai perguntou o que acontecia e Lucas fora de si deu vários socos no carro e gritando mandou que o ex sogro “tomasse no cu”.

Lucas foi embora e no dia seguinte Mayara conseguiu uma medida que impedia Lucas de se aproximar a menos de duzentos metros dela.

Em respeito a sua história com Lucas e a doença do rapaz não deu queixa de tentativa de estupro. A situação dele já era muito ruim.

Era muito ruim, péssima e acabou acontecendo o inevitável, o que estava na cara desde que começou a onda de problemas.

Lucas foi a julgamento pela associação ao tráfico e acabou condenado a seis anos de prisão. Mas dessa vez não teve direito a responder em liberdade tento sua prisão decretada de forma imediata.

Lucas chorando olhava Jéssica que também chorava e mandava que o irmão fosse forte. Lucas conseguiu dar um último beijo na irmã antes de ser algemado e conduzido.

Lucas foi conduzido a um presídio de menos periculosidade já que apesar de tudo não era um bandido tão perigoso. Dentro da viatura algemado Lucas parecia não acreditar no seu destino e como tudo se transformara de forma tão rápida.

Não fazia tanto tempo assim que ele era um sucesso nacional e as coisas degringolaram de tal forma que ele não conseguia explicar. Simplesmente perdeu tudo, chegou ao fundo do poço e dali não sabia como fugir.

Não tinha como fugir do fundo do poço, do presídio nem da sua sina.

Lucas foi conduzido a uma cela feita para comportar trinta presos, mas tinha cinquenta. Entrou com vergonha daquela situação, humilhado e um homem negro mais ou menos quarenta anos ao ver Lucas sorriu e falou “olha aí galera, visita ilustre”.

O homem se aproximou de Lucas estendeu a mão e disse “meu nome é Noel, o seu você não precisa dizer todo mundo sabe”. Lucas apertou a mão do homem com medo daquela situação. Não era sua vida, não era o que estava acostumado.

Noel mandou que Lucas ficasse a vontade porque “a casa era dele” e deu uma gargalhada com outros presos acompanhando. Lucas então caminhou até proximidade de uma parede e tentou sentar quando um homem impediu e disse que lugar de novato era perto do banheiro. Lucas viu uma privada quebrada e o homem completou “é ali”.

O rapaz se aproximou e sentou. Aquela era sua nova realidade.

Um calor infernal tomava conta da cela com os presos reclamando da situação e da super lotação. Noel olhava para Lucas e sorria.

Lucas adormeceu. Não tinha cama, travesseiro, nada disso apenas o chão para lhe fazer companhia. Dormiu e sonhou que cantava no Maracanã com Mayara. 

Juntos cantavam “No baile” para uma multidão que lhe aplaudia e amava. 

Depois ia com Mayara para a suíte do Ferraço hotel e fazia amor com ela.

Parecia real. Lucas sentia que estava com a ex, sentia seu corpo colado ao dela e quando acordou viu um homem beijando sua nuca.

Lucas perguntou o que significava aquilo e o homem lhe virou de bruços contando que não iria doer. O rapaz tentava lutar, mas o homem era mais forte e Lucas sentia na pele o que fez com Mayara. O homem conseguiu abaixar a calça de Lucas quando foi puxado.

Noel lhe puxou e gritou “com esse não”. O homem tentou partir para cima de Noel quando outros presos lhe seguraram os braços. Nesse momento Noel pegou uma faca e começou a esfaquear o estuprador.

Esfaqueava e gargalhava. Esfaqueou mais de trinta vezes mesmo com o homem já morto e depois mandou que jogassem o corpo em um canto da cela.

O corpo foi jogado e Lucas olhava aterrorizado a cena e sem entender nada. Noel olhou pra ele e disse “você tem sorte de ser irmão do Mariano senão essa hora já tinha virado mulher”.

Noel era da facção de Mariano e era um dos beneficiados pelo traficante. Nada de mal aconteceria a Lucas naquela cela.

O tempo foi passando. Lucas voltou a ser julgado prlo homicídio culposo e a pena caiu para três anos. Juntando os dois crimes Lucas teria nove anos de cadeia para cumprir, mas com bom comportamento conseguiria sair em condicional em três anos.

A vida na cadeia não era fácil, mas Lucas tentava viver. Conseguia ainda se drogar mesmo dentro de um presídio, mas no local consumia menos que do lado de fora. Ganhou um violão de presente de uma fã misteriosa que todas as semanas lhe mandava cartas com palavras de incentivo e que ele seria para sempre o maior artista do Brasil.

Conseguiu com a direção do presídio autorização para fazer um show para os presos. Então em uma tarde de Sol um pequeno palco foi montado no pátio do presídio para que Lucas se apresentasse aos outros presos.

Lucas com o violão cantou os maiores sucessos de sua carreira. Pela segunda vez cantava em um presídio, mas numa situação completamente diferente. 

Mesmo assim aquele show fez um grande bem para Lucas.

Por algumas horas Lucas esqueceu sua condição, tudo que sofria e se lembrou que era um artista. O palco era sua casa, seu oxigênio. O local no mundo que mais lhe fazia bem.

Para não ficar ocioso trabalhava na cozinha do presídio usando o talento familiar para culinária. Começou a escrever um diário contando como era sua vida na cadeia e até voltou a compor.

Um dia recebeu uma visita que lhe emocionou.

Lucas que não era de receber visitas abriu um largo sorriso como nos velhos tempos ao ver Jéssica na cadeia. Deu um abraço na irmã, contou toda a saudade que sentia e pediu desculpas por fazer a moça voltar a uma cadeia para visitar irmão.

Jéssica contou que estava ali porque sentiu saudades, amava o irmão e contou como estava a vida durante aqueles meses que Lucas estava preso e o rapaz ficou contente porque eram boas notícias em relação a irmã.

Perguntou por Mariano e Jonas. Jéssica respondeu que Mariano continuava como chefe de tráfico do Dendê e Jonas passou em um concurso público e foi embora para Curitiba.

Lucas comentou que o irmão sempre fora inteligente e só precisou sair de sua sombra para desabrochar. Depois arrumou coragem e perguntou por Mayara.

Jéssica respondeu que não tinha notícias dela, mas estava ali para uma missão.
Lucas perguntou qual era a missão e Jéssica respondeu que tinha um presente para o irmão. Lucas perguntou o que era e Jéssica lhe entregou um embrulho.

Como criança Lucas abriu o embrulho e viu qual era o presente. Uma bíblia.
Lucas olhou pra irmã que disse que esperou alguns meses para ver se o irmão conseguia aliviar um pouco o coração e pediu que ele lesse que assim sua vida se transformaria. 

Lucas olhou a bíblia e agradeceu o presente a sua irmã jurando que leria.
E realmente se tornou um leitor voraz da bíblia. Ler o livro sagrado fez bem ao coração de Lucas que se amansou, passava todo seu tempo lendo e tentando tirar a dor de sua alma.

Uma tarde um rapaz vendo Lucas ler a bíblia se aproximou e se apresentou como Rafael.

Lucas lhe cumprimentou e Rafael perguntou se Lucas não gostaria de participar de um culto evangélico. Lucas perguntou se tinha cultos na cadeia e Rafael respondeu que sim.

Mandou que o cantor fosse lhe encontrar na cela C no dia seguinte à noite.

Lucas foi e Rafael lhe conduziu até o local do culto...

..e acabou se convertendo virando evangélico.

Acabou que o inferno ganhava cores de salvação. O fundo do poço um recomeço. Lucas entrou mal naquele presídio, sem esperanças e encontrou uma religião, algo para pensar e viver. Não se drogava mais e junto com seus irmãos de fé passava na cadeia o nome do Senhor.

Era uma nova vida, um novo Lucas e foi dessa forma que ele recebeu uma nova visita.

Tomou um susto quando percebeu que era Mayara com Jonatan.

Deu um abraço no filho contado que estava com muitas saudades. Jonatan perguntou quando o pai sairia dali e Lucas respondeu assim que o Senhor Jesus permitisse.

Mayara olhou o ex marido e contou que ele estava diferente. Lucas sorriu e emendou que esperava que pra melhor e Mayara disse que sim, bem melhor.

Lucas brincava com Jonatan enquanto Mayara via os dois, especialmente tinha olhos em Lucas e mostrava ar de alegria por sua melhora. Jéssica contou as mudanças que ocorreram na vida de Lucas e isso fez com que ela fosse com o filho até lá.

No fim da visita Lucas pediu perdão a Mayara por tudo que lhe fez e a moça respondeu que ela não era ninguém para perdoar, só Deus poderia fazer isso e pela forma que viu Lucas tinha certeza que o perdão acontecera.

Depois disse que tinha que contar uma coisa para Lucas. O rapaz perguntou o que era e Mayara respondeu que estava namorando e iria se casar. 

Lucas sentiu um aperto no peito, um gelo pela espinha e parecia que o chão sumira, mas sorriu, disse “que bom” e que lhe desejava felicidades.

Mayara agradeceu e pediu desculpas por contar daquela forma, mas ela sempre preferiu a verdade e não queria mentir para Lucas. O rapaz com um sorriso forçado respondeu que estava tudo bem e deu um beijo na testa de Mayara falando “Que Deus lhe abençoe”.

Mayara disse que tinha outra coisa para contar e precisava dizer quem era seu futuro marido, mas Lucas respondeu que não precisava saber era a vida dela e ele tinha que respeitar. Mayara insistiu, mas Lucas não lhe deu ouvidos e pediu que ela fosse embora, pois, não era ambiente para Jonatan. 

Mayara então se despediu e partiu com o filho.

Lucas sorrindo e com a bíblia na mão andou pelo pátio sozinho enquanto os presos matavam saudades de seus familiares. Cumprimentou alguns sem tirar o sorriso do rosto e sentou no chão encostado numa parede sem ter ninguém por perto.

Vendo que estava sozinho Lucas tirou o sorriso do rosto e começou a chorar. Um choro compulsivo de um coração partido.

Tem certas dores que até pra Deus é difícil tirar.       







Nenhum comentário:

Postar um comentário