domingo, 12 de fevereiro de 2012

Capítulo XIII - Ligações perigosas

Lucas foi ao encontro do irmão passando pelos muitos corpos estendidos na rua, corpos de bandidos e inocentes sem entender nada e perguntando a Mariano o que estava acontecendo.

Mariano abraçou o irmão contando que estava com saudades e Lucas sem reação não devolveu o abraço. Mariano contou que planejara tudo na cadeia e saiu de lá com aquela missão tomar o Dendê e abastecer os “irmãos” presos com dinheiro.

Lucas olhava os corpos no chão e via muitos adolescentes, quase crianças que foram ao baile naquela noite apenas pra se divertirem e perguntou ao irmão se precisava daquilo tudo. Mariano respondeu que era uma guerra e em guerras morrem inocentes.

Lucas desolado dizia “Não precisava cara” e Mariano gritava aos moradores escondidos em suas casas que uma nova era começava no morro. Uma era de respeito e auxílio ao morador e que faria pela favela o que o governo não fazia.

Gritou que o único órgão do governo que subia morro era a polícia e que ela subia para “esculachar” morador, mas que tudo isso mudaria no seu comando.
Jonas puxou Lucas pelo braço e disse que era melhor eles irem embora. 

Mariano concordou com o irmão dando um abraço em Jonas, contando que estava feliz em revê-lo e mandou que Lucas fosse embora que ele sabia que ainda tinha alguns inimigos escondidos na favela e tinha que continuar a “limpeza”.

Lucas entrou no carro e desceu o morro com Jonas enquanto Mariano e seu bando davam tiros pro alto comemorando.

No dia seguinte o assunto na cidade foi a invasão ao morro do Dendê. Os telejornais contavam sobre a barbárie ocorrida durante o baile funk envolvendo mais de quarenta mortes e de muitos inocentes.

E pra piorar contavam que Lucas estava no baile funk e a chacina foi promovida por seu irmão Mariano que era o novo chefe do tráfico no local.

Wilson exigia uma resposta de Lucas para a sociedade. O rapaz relutava por estar brigado com a imprensa desde a separação com Mayara, mas o empresário insistia que aquilo tudo faria muito mal para sua imagem e poderia ameaçar o seu futuro.

Lucas mesmo a contragosto aceitou fazer a declaração.

A imprensa foi informada previamente que estavam proibidas perguntas sobre sua separação, ele apenas falaria sobre a situação no Dendê e Lucas sentou-se na cadeira para falar pegando o microfone com cara de poucos amigos. Muito diferente do jeito que o Brasil se acostumou.

Lucas foi enfático, firme e duro contando que não concordava com aquela barbárie ocorrida no Dendê. Ele foi lá apenas para se apresentar e ajudar os desabrigados da enchente e foi surpreendido como todos com aquela invasão.

Continuou lamentando pelos mortos da favela e que conviveu pouco com o irmão na vida. Quando tinha seis anos o irmão já estava fora de casa e com oito na cadeia. Visitou algumas vezes no presídio, mas tinham jeito e índole diferentes.

No fim um repórter perguntou por Mayara e Lucas irritado declarou que a entrevista estava encerrada.

Lucas conseguiu o que queria, passou confiança a opinião pública e seu nome continuava limpo.

Uma noite estava em casa quando esmurraram a porta. Quando abriu se surpreendeu, era Mariano.

Lucas falou que o irmão se arriscava demais deixando a favela dessa forma e Mariano entrou contado que estava tudo tranquilo, tudo “arregado”.

Irritado perguntou a Lucas que história era aquela de “jogá-lo aos leões” em uma entrevista coletiva, falar tão mal dele e declarar que mal o conhecia e não tinha a mesma índole.

Lucas respondeu que não tinha mesmo índole igual e Mariano contou que tinham sim tanto que Lucas não pensou duas vezes antes de procurá-lo e pedir que se livrasse de Pachola.

Lucas respondeu que eram casos diferentes. Pachola ameaçava sua família, metralharam a casa da mãe deles e ele precisou tomar aquela medida extrema.

Mariano argumentou que sim o irmão estava certo, mas que agora as mãos dos dois estavam sujas de sangue.

Lucas sentou no sofá derrotado pelos argumentos do irmão e Mariano sentou no sofá da frente contando que não tinha ressentimentos do irmão, entendia que ele fez isso para proteger sua carreira e não estava errado.

Completou que a prova que estava tudo bem entre eles é que levara um presente pro irmão.

Tirou uma sacolinha do bolso e abriu em cima da mesa. Era cocaína e Mariano contou que era toda de Lucas. Presente para mostrar que não havia ressentimentos.

Lucas fez um canudinho, agradeceu e começou a cheirar.

Não se sabe em qual momento Lucas começou a usar drogas. Se foi na morte de Léo, na separação com Mayara, deslumbramento com o sucesso ou mesmo sem ter algum motivo especial. A verdade é que o cantor agora era usuário de cocaína e pelo menos até aquele momento com discrição e de uma forma que não afetava sua carreira.

Lucas passou a noite cheirando e em determinado momento Mariano rindo falou “Tá cheirando pra caralho héin moleque?”. Lucas nada falava e Mariano contou que queria ajudar Lucas.

O rapaz perguntou como e Mariano respondeu que queria as crianças da favela fora do tráfico e tentando ser alguém na vida, ele sabia que não podia ser espelho pra ninguém e o que fazia era errado, mas a vida lhe empurrou pra isso.

Falou a Lucas que não teria menores de idade em seu “exército” e aconselharia aos moradores que botassem suas crianças na fundação, além de ajudar financeiramente o projeto de Lucas.

Lucas respondeu que o dinheiro do tráfico era dinheiro sujo. Mariano respondeu que era sujo, mas era dinheiro e botaria muito dinheiro na fundação.

Lucas acabou aceitando.

Mariano passava a imagem de “traficante com engajamento social”. Não permitia crianças no tráfico e obrigava as mesmas a estudar além de aconselhar a fazer parte da fundação. Asfaltou ruas, ajudava moradores e reformou a praça principal do morro.

Ajudava com dinheiro quem necessitava e com essas medidas ganhou a simpatia da população da favela.

Mas Mariano não fazia isso porque era bonzinho. Fez para ganhar proteção dos moradores. A população local tinha Mariano como um protetor e não deixava que ninguém lhe ameaçasse fosse bando inimigo ou a polícia. Essa também não incomodava o traficante recebendo uma gorda quantia semanal.

Mariano ainda mandava dinheiro para os presos e seus familiares conquistando amor, simpatia e respeito de todos. Com seu jeito de “bonzinho” e “amigo” se tornou o mais forte traficante da cidade.

Os viciados subiam o morro com a tranquilidade que ocorreria nada de mal com eles. Eram bem tratados por Mariano e assim o Dendê virou o maior vendedor de drogas do Rio de Janeiro fazendo de Mariano um homem rico e poderoso.

Mariano era um bandido inteligente e não há nada mais perigoso que isso.
Convencia a todos, menos dona Jurema. Mariano foi a sua casa contando que tinha um presente. Tentou descarregar uma geladeira na casa da mãe e Jurema mandou que deixasse no caminhão e não aceitava filho traficante.

Mariano tentou argumentar, mas Jurema não quis lhe ouvir e falou que enquanto ele tivesse naquela vida que não fosse mais a sua casa e não lhe considerava mais seu filho.

Lucas prosseguia sua carreira e a tentativa de aproximação com Mayara. Aos poucos ele vencia a resistência da moça e ela já aceitava conversar com ele e saírem para passear com Jonatan, mas ela continuava relutando em voltar.

Lucas armou com Jonas uma surpresa pra fazer a ela. Mayara cuidava do filho no quarto quando ouviu uma cantoria. Conhecia aquela música, era a do Mc Marcinho e quando olhou na janela viu Jonas tocando violão e Lucas cantando “igual a você eu sei que não tem, de zero a dez te dou nota cem”.

Emendou logo com “amor da minha vida, te quero aqui comigo, me deixa te amar” levando a menina as lágrimas.

Ela saiu por um instante da janela e Lucas ficou com esperanças que ela descesse. Mayara voltou com um balde de água jogando nele e fechou a janela.

Lucs irritado e todo molhado falava com Jonas para irem embora quando Mayara rindo abriu a porta com uma toalha.

Entregou para que o rapaz se enxugasse enquanto Lucas perguntava por que ela fez isso. Mayara pegou a toalha de volta e deu um beijo na boca do rapaz.

Beijou e depois disse a Lucas que não visse aquilo como uma volta e sim como agradecimento e que tinha gostado muito da serenata.

Mayara entrou e Lucas sentiu esperanças que poderia voltar com sua amada.

A carreira ia muito bem. Lucas conseguiu se desvencilhar da imagem de Mariano e ainda conseguiu mostrar que ele era uma prova que mesmo vindo da pobreza e tendo irmão bandido conseguiu vencer na vida através de seu talento.

Fechou um grande contrato com uma marca de refrigerantes. O maior contrato de garoto propaganda da história do Brasil para estrelar seus comerciais e emprestar sua imagem a out-doors.

No dia da assinatura de contrato convocou a imprensa para acompanhar e sorridente tirava fotos em pé segurando uma caneta apontada para o contrato sobre a mesa ao lado de Wilson e do presidente no Brasil do grupo que controlava o refrigerante.

A imprensa perguntava a Lucas se os valores eram aqueles que foram divulgados pelas redes sociais e Lucas sorrindo desconversava, não confirmava nem desmentia dizendo que esse era um segredo.

O rapaz orgulhoso saía com Jonatan e mostrava pro filho a imagem do papai por todos os cantos.

Nessa época também fechou contrato com uma grande empresa do ramo de brinquedos que lançou bonecos com sua imagem. 

Um dia teve um estalo e resolveu escrever um livro. Uma autobiografia contando sua infância e adolescência com Léo, o começo da trajetória da dupla, explosão, morte do companheiro. Contando tudo até aquele momento.

Lucas se entusiasmou com a “nova profissão” e escrevia compulsivamente. 

Escrevia no avião, em casa, depois dos shows trancado em quarto de hotel acompanhado por uma garrafa de uísque e um papelote de cocaína.

O livro foi lançado em uma grande livraria da zona Sul do Rio de Janeiro com a presença de artistas, políticos, celebridades, a nata da sociedade carioca que foi até lá prestigiar e abraçar o cantor.

O livro se transformou em grande sucesso. A história do garoto pobre que alcançou o estelato sempre provocou curiosidade no país, não só a dele como de todos que alcançam esse sucesso e rapidamente estava na lista dos mais vendidos.

Lucas se entusiasmou com aquela história de escrever e contou a amigos que já projetava fazer livros de ficção.

Começava a rolar pela cidade a notícia que teria mais um Rock in Rio. A notícia ganhava força mesmo com os organizadores negando, mas era verdade e um convite para uma apresentação de Lucas chegou às mãos de Wilson.

Wilson passou o convite para Lucas que ficou em dúvida se devia ou não aceitar. O empresário falava que era uma ótima oportunidade, pois, o festival era muito conhecido e o show passaria para o mundo inteiro.

Lucas relutava. Não era o público dele e não sabia como seria recebido. Mas Wilson batia a tecla da oportunidade e do dinheiro e Lucas acabou aceitando.

O rapaz continuava sua agenda de shows sem Mayara que desde a separação se desligou da banda. Contratou outra backing vocal que cantava “No Baile” com ele. Não era a mesma coisa para Lucas, ele fez aquela música para Mayara.

Sentia falta da esposa, da cumplicidade que tinha com ela, dos carinhos ou simplesmente encostar sua cabeça no peito da amada e se sentir protegido. 

Lucas sentia-se sozinho e isso fazia com que bebesse e se drogasse mais ainda chegando ao ponto de algumas pessoas desconfiarem do que fazia.

Lucas negava, mas seu comportamento era diferente, arredio. Preocupava também as pessoas que gostavam dele sua aproximação com Mariano. Foi desaconselhado, mas subiu ao morro para participar de um churrasco organizado pelo irmão e posou para fotos com ele carregando um fuzil.

Lucas ligava para Mayara e passava horas no telefone com ela. Conversava sobre tudo, pedia conselhos, mas quando falava em voltar a moça se mostrava irredutível.

Uma noite Lucas cheirou demais e acabou dando entrada em um hospital. Lá o motivo foi diagnosticado e tinha a ver com as drogas, mas foi encobertado e divulgado como se fosse stress.

Mas o motivo já público entre os amigos fez com que Wilson fizesse uma reunião com Lucas exigindo que ele maneirasse nas drogas e pedindo para que Jonas tomasse conta dele.

Sem contar o motivo Wilson também procurou Mayara e pediu que ela não desgrudasse do rapaz contando que ele estava indo por um caminho errado e que ela era a única capaz de não lhe deixar fazer besteiras.

Lucas alheio a tudo aquilo e sem ouvir ninguém se preparava para o Rock in Rio. Cancelou a agenda de shows perto da apresentação no festival e ensaiava exaustivamente para que tudo desse certo.

O rapaz mal dormia devido o uso de drogas e elétrico fazia com que o ensaio durasse mais de doze horas por dia provocando reclamação de sua banda e dançarinos.

No dia anterior ao show foi ao morro do Dendê vistou Jéssica e depois sua mãe. Matou saudades da comida de Jurema que perguntou como ele estava.

Lucas respondeu que estava tudo bem e Jurema argumentou que conhecia seu filho e ele estava estranho. Lucas preocupado perguntou estranho como e ela respondeu que não sabia, mas sua intuição de mãe lhe dizia que algo não estava bem. 

Lucas levantou e beijou a testa da mãe contando que a intuição dela estava enganada e perguntando se assistiria a seu show no Rock in Rio. Jurema contou que não, funk não era o tipo de música que ela gostava e Lucas rindo respondeu que aquilo era besteira e que ela devia assistir por ele e não pelo funk.

Jurema sorrindo respondeu que iria pensar e Lucas abraçou sua mãe apertando forte e ela gargalhando mandando que ele parasse.

Saiu da casa da mãe e foi procurar Mariano.

Encontrou o irmão numa das bocas de fumo do morro ao lado de outros traficantes e lhe deu um abraço. Mariano perguntou se o irmão queria alguma coisa e Lucas respondeu que estava tenso devido o show do dia seguinte perguntado se o irmão tinha algo pra ele.

Mariano pensou um pouco e dise aos outros traficantes que daria uma saída com Lucas e já voltava. Foram até sua casa e Mariano mandou que Lucas esperasse na sala.

Voltou com um saquinho na mão e uma seringa de injeção perguntando se Lucas já tinha experimentado heroína. Ele respondeu que não e Mariano mandou que ele estendesse o braço.

Durante todo o dia do show Wilson e membros da equipe de Lucas procuravam o rapaz que sumira e não atendia ao telefone. A preocupação virava desespero com o passar das horas e Wilson esbravejava contra a irresponsabilidade de Lucas.

Lucas chegou ao Rock in Rio faltando uma hora pro show. Claramente dava para notar que ele não dormiu e estava elétrico. Wilson tentava lhe dar uma bronca, mas Lucas não lhe deu ouvidos dizendo que precisava tomar um banho.

Pouco antes de entrar a equipe fez uma oração e Lucas pediu a Deus que tivessem todos uma noite maravilhosa, eles e o público.

Antes de entrar no palco Wilson puxou Lucas e falou que depois do show eles teriam uma conversa. Lucas virou para o empresário respondeu “não enche” e entrou.

Entrou e foi diferente de sempre. Não encontrou o público caloroso e amável de sempre. Deu boa noite, mas ninguém aplaudiu e até umas vaias foram ouvidas.

Tentou não dar bola e ao microfone disse que era uma honra estar ali para tocar pra eles.

Começaram os primeiros acordes da primeira música e as vaias aumentaram, ele começou a cantar e as vaias tornaram-se insuportáveis ao ponto de não conseguir se ouvir mais o que ele cantava.

O público começou a atirar objetos no palco e Lucas não conseguiu mais cantar. Gritou “vão tomar no cu seus roqueiros de merda” e abaixou a calça ficando de cuecas e segurando em seu pênis antes de sair do palco.

Saiu furioso e Wilson cobrando que atitude era aquela de xingar o público e abaixar a calça. Lucas mandou que o empresário se fudesse e nesse momento o telefone tocou.

Era Mayara. Nervosa no telefone disse que viu o que ocorrera pela televisão, mas tinha um assunto mais importante. Estava em uma recepção de hospital porque Jonatan caiu da escada de casa e estava internado.

Lucas nervoso falou que estava indo pra lá.

Ao chegar ao hospital encontrou Mayara e perguntou pelo filho. Mayara respondeu que estava do lado de dentro e ninguém falava nada.

Lucas gritando acusou Mayara de negligência e que não podia deixar uma criança tão pequena sozinha. Ela chorando respondeu que não tinha culpa e estava sofrendo. Nesse momento Lucas abraçou a moça pedindo desculpas e que ficaria tudo bem.

O médico apareceu e chamou pelos dois. O casal foi ao seu encontro e o doutor mandou que ficassem tranquilos que foi apenas um susto e eles poderiam ver o filho.

O casal aliviado falou que acompanharia o médico que entrou no corredor na frente. Mayara acompanhava quando Lucas lhe puxou e deu um beijo apaixonado.

Que Mayara retribuiu.











Nenhum comentário:

Postar um comentário