quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Capítulo XVI - Estrela cadente

Lucas estarrecido olhava o noticiário com cara de “fudeu”.

Wilson saíra de carro e na Avenida Brasil foi interceptado. Segundo testemunhas três homens desceram do carro e fuzilaram Wilson que morreu na hora.

Evidente que depois de tudo que ocorreu, o sequestro do empresário, a troca de socos no bar com promessa de Lucas que mataria Wilson Lucas se tornou o principal suspeito do crime. 

Lucas percebeu que se complicara e assim que viu o noticiário subiu o Dendê desesperado. Esmurrou a porta de Mariano que com cara de sono abriu perguntando o que acontecia.

Lucas entrou e gritando com o irmão perguntou por que ele fizera aquilo. 

Mariano devolveu a pergunta dizendo “eu fiz o quê?”. Lucas mandou que o irmão parasse de mentir porque sabia que ele tinha matado Wilson.

Mariano sentou no sofá e meio sem chão e perguntou “Wilson morreu?”. 

Lucas gritou que o irmão parasse de fingimento que sabia muito bem que tinha sido ele.
Dessa vez foi Mariano que gritou. O traficante levantou e respondeu que tinha nada a ver com aquela história, que Wilson era inimigo de Lucas, não seu e não faria nada sem o pedido do irmão.

Lucas então acreditou no irmão e disse que estava fudido. Todo mundo pensaria que foi ele. Mariano perguntou aonde o irmão estava na hora do crime e Lucas colocando as mãos na cabeça lamentou “aqui cheirando”.

Lucas não tinha um álibi. Se contasse a verdade teria que dizer que era usuário de drogas e aparentemente ninguém mais teria motivos para matar Wilson.

É..complicou..                                                                        

A imprensa colocou o assunto como o mais comentado do Brasil e previamente condenou Lucas. Para todos Lucas era o assassino de Wilson mesmo sem provas concretas.

O rapaz contratou o famoso jurista Fábio Paschoal para que lhe defendesse. 

Prestou longos depoimentos e em todos jurava inocência, mas se enrolava na hora de contar onde estava na hora do crime.

Ninguém mais contratava Lucas para shows e as rádios não tocavam mais suas músicas. Iniciou-se um grande silêncio na mídia em torno do artista Lucas Violi, agora ele era tratado como o assassino Lucas Violi.

Lucas perdeu o milionário contrato de patrocínio com a marca de refrigerantes e não tendo shows para fazer foi obrigado a vender o restaurante.

Só a fundação se mantinha, mas mesmo assim com dinheiro do tráfico. 

Mariano também ajudava nas finanças pessoais do irmão que tinha que pagar os honorários de Fábio.

A polícia prendeu um suspeito que assumiu que era um dos homens que matou Wilson e em depoimento contou que fora contratado por Lucas. Era a pá de cal.

Sentindo que sua prisão preventiva seria decretada Lucas decidiu se esconder no Dendê. Ela foi decretada e como Lucas não foi encontrado foi declarado como fugitivo da justiça.

Lucas se escondeu por dois dias na casa de Mariano e com soldados fortemente armados lhe protegendo enquanto a imprensa se perguntava onde ele estava e fazia retrospectiva de sua carreira.

Lucas olhava sua trajetória pela TV e chorava. A emissora mostrava todos os seus bons momentos. Sua parecia com Léo, os videoclips, o show no Maracanã tudo era lembrado até chegar naquele momento.

Lucas Violi conseguiu em poucos meses destruir o que levou a vida inteira pra realizar.

Fábio foi ao seu encontro tentar convencê-lo a se entregar, mas foi em vão. 

Dizia que sua situação era grave e que seu sumiço acabava sendo uma confissão de culpa. Lucas gritava que era inocente e Fábio argumentava que ele sabia, mas a opinião pública não e ele não podia se esconder.

Fábio desceu o morro derrotado e procurou Jonas para pedir que ele tentasse. 

Jonas contou que o irmão era cabeça dura e não conseguiria convencer. Fábio falou que não sabia mais o que fazer quando Jonas lembrou-se de alguém que talvez conseguisse.

Fábio subiu novamente o morro. Lucas quando lhe viu disse ao advogado que não adiantava tentar convencê-lo que não se entregaria. Fábio contou que não seria ele que tentaria e chamou uma pessoa para que entrasse.

E ela entrou...         

..era Mayara.                        

Lucas se espantou em ver a ex mulher e Fábio disse que deixaria os dois a sós.

Lucas perguntou o que Mayara fazia ali e a moça respondeu tentar evitar que ele fizesse uma loucura. Lucas disse que não iria se entregar e Mayara argumentou que ele tinha que se entregar e se defender, pois, era um artista não bandido.

Lucas com lágrimas nos olhos falou a Mayara que sua carreira acabara e ela respondeu que não, ainda dava para salvar, mas ele tinha que principalmente salvar sua vida.

Lucas sentou e contou a esposa que era usuário de drogas. Mayara sentou ao lado e respondeu que já desconfiava e que ele precisava se tratar. O rapaz disse que tinha vergonha de tudo que acontecia, de ser usuário de cocaína e não conseguia se imaginar entrando em uma delegacia preso.

Mayara pediu que ele pensasse em Jonatan e Bia e encarasse aquilo tudo porque sairia ainda mais forte do que entrou.

Lucas pensou por um tempo e pediu que Mayara chamasse Fábio.

De noite na hora de um jogo importante do Flamengo no Maracanã entrou plantão contando que Lucas Violi estava se entergando. Pelo acordo feito por Fábio com o delegado Lucas entrou sem algemas apenas com Fábio ao lado e policiais em volta.

Passou por um corredor de repórteres e fotógrafos que não cansavam de tirar fotos e populares que lhe chamavam de assassino.

Populares que até pouco tempo antes cantavam suas músicas e lhe considerava ídolo.

Lucas entrou na sala do delegado e foi fichado tendo que “tocar piano” deixando suas digitais. Depois foi conduzido a uma cela tendo o privilégio de ficar sozinho.

Lucas entrou na cela aos gritos dos outros presos de “aí cantor, te pegaram”. Ficou deitado em silêncio chorando como fazia quando criança ao dormir com fome. Queria o colo de sua mãe, sentia falta de Jurema e se perguntava onde tudo deu errado.

Ficou dois dias apenas na cadeia. Fábio conseguiu habeas corpus para que seu cliente respondesse o processo em liberdade.

Foi convencido por Fábio e Mayara que contasse a verdade e abrisse o jogo de onde estava na hora do crime. Lucas tentou argumentar que aquilo arruinaria sua imagem de vez e Mayara respondeu que sua liberdade naquele momento era mais importante.

Lucas precisava desesperadamente de dinheiro então Fábio e Jonas entraram em contato com uma emissora de TV para buscar um acordo para uma entevista bombástica e exclusiva.

Fechou acordo com a emissora e contaria sua história em um programa de variedades que passava na noite de domingo. Acertaram valores e Lucas contou toda a verdade.

Assim na noite de domingo o Brasil ficou sabendo que Lucas Violi, aquele que até pouco tempo antes era considerado um homem modelo, o rapaz que saiu da pobreza até alcançar o estrelato era um viciado em drogas e estava no morro cheirando com seu irmão traficante na hora do crime que era acusado.

Lucas chorou na entrevista e disse que era com muita vergonha que assumia tudo. Sempre quis ser um exemplo para as crianças e sucumbiu, na verdade era um fraco e precisava de ajuda.

O Brasil recebeu aquela notícia estarrecido. Nem aconteceu o debate que se esperava para saber se ele falava a verdade ou não. Na verdade ficou um clima de grande decepção como se ele tivesse traído o país. Com isso foi a vez da gravadora rescindir o contrato.

Lucas estava sozinho.

Muitos lhe viraram as costas, mas ainda tinham alguns com os quais ele poderia contar.  Lucas agora dividia apartamento com Jonas e um dia recebeu uma visita. Era Jéssica.

A irmã foi acompanhada por sua filha Sophia perguntar como Lucas estava. O rapaz respondeu que aliviado por contar toda a verdade, mas mal por ver sua vida sendo destruída. Jéssica lembrou-se então de quando o irmão salvou sua vida lhe pegando no colo no meio de um tiroteio para levá-la ao hospital.

Lucas abriu um pequeno sorriso ao se lembrar e Jéssica contou que sabia como ele pagara o hospital. Lucas fez cara de não entender e Jéssica respondeu que o homem que ele assaltara e devolvera o dinheiro fazia parte de sua igreja e nunca esquecera seu rosto e aquele ato de devolução.

Lucas abaixou a cabeça e Jéssica pegou nela com sua mão mandando que ele levantasse porque era um grande homem e tinha orgulho dele.

Lucas perguntou de que ela tinha orgulho se ele perdera tudo e Jéssica respondeu que não tinha orgulho pelo que ele conquistara materialmente, mas pelo que ele era.

Nesse momento Lucas abraçou a irmã emocionado e os dois choraram juntos.

O julgamento foi marcado e Lucas tentava viver. Recluso por um bom tempo por ter medo da reação das pessoas ao lhe verem na rua o rapaz decidiu que tentaria retomar a carreira e pediu a Jonas que tentasse fechar shows para ele.

Mas não foram muitos os lugares que se mostraram dispostos a lhe contratar. A televisão lhe fechou as portas e nem em rádios conseguia dar entrevistas, quanto mais cantar.

Restou a Lucas fazer shows em lugares menores, mais acanhados e esporádicos, mas ainda conseguia manter certo público fiel que lhe acompanhava.

O rapaz foi se desiludindo. Pouco tempo atrás se apresentava em grandes festivais viajava pelo mundo para mostrar seu talento e gravava DVD no Maracanã. Mas agora conhecia a decadência, o ostracismo. A impressão que se tinha era que Lucas se tornou um pária para a sociedade, um leproso que as pessoas não chegavam perto para não se contaminarem.

Tinha em cima de Lucas as palavras “drogado” e “assassino”. No Brasil o suspeito é tranformado em criminoso e depois em condenado com uma rapidez enorme sem nem precisar de provas ou julgamento.
   
Lucas se arrependia do sequestro e da surra que mandou dar em Wilson, mas jurava que seu crime era esse apenas e o país lhe condenava a coisa muito pior. 

A decadência moral.

Passou a beber muito se entregando ao alcoolismo e aumentar drasticamente o uso de cocaína e heroína. Ficava sentado na porta de seu banheiro se picando e tentando assim um alívio para a dor de sua alma. Lucas encontrava na bebida e nas drogas uma forma de não ter que pensar em quem ele era.

Eram poucos os shows que ainda conseguia fazer e esse lado foi prejudicado por seus excessos. Lucas muitas vezes faltava aos shows e quando se apresentava muitas vezes estava bêbado e drogado.

Lucas subia ao palco visivelmente alterado. Tropeçava nas palavras ao falar, errava letras de músicas e caía no palco. Algumas vezes recebia vaias, mas a maior parte do tempo contava com a compreensão do público que sentia pena do artista.

Mas os contratantes não sentiam a mesma pena e choviam processos em cima de um edividado Lucas por quebra de contrato. Durante um show Lucas desmaiou em cima do palco provocando um grande desespero na casa de shows.

Entrou no hospital em overdose e dessa vez não teve ninguém que abafasse o caso. A notícia rapidamente chegou à imprensa e coube a Jonas ter que explicar a situação aos jornalistas sem colocar panos quentes. Lucas era um doente e precisava de ajuda.

Uma vigília de fãs foi montada na frente do hospital orando pela saúde de Lucas. O rapaz ficou entre a vida e a morte, mas depois de quatro dias saiu do coma e mais alguns dias da UTI.

Lucas estava com a saúde bastante debilitada pelos excessos e no quarto recebeu visitas dos poucos que ainda não havia lhe abandonado. Recebeu visita de Jéssica com Rubens, Jonas, Mustang, Mayara e Fábio que preocupado com a aproximação do julgamento foi até o cliente combinar a estratégia de defesa.

Em mais alguns dias Lucas saiu do hospital sendo conduzido em cadeira de rodas por Jonas e não quis dar entrevistas. Foi levado até o apartamento e Jéssica decidiu ficar alguns dias no local para ajudar na recuperação do irmão.

Chegou o dia do julgamento e Lucas bastante nervoso na entrada do tribunal com Fábio foi cercado pela imprensa que lhe fazia perguntas sem que o rapaz respondesse. Os populares lhe xingavam e um ovo foi arremessado acertando a cabeça do cantor.

Do lado de dentro do fórum Jéssica limpava a cabeça de um desolado Lucas que perguntava a irmã porque o povo lhe odiava tanto. Jéssica respondeu ao irmão que aquela pouca quantidade de gente não representava o povo e que o povo lhe amava. Lucas abaixou a cabeça e respondeu que não amava mais.

Limpou-se e acompanhado de Fábio entrou na sala de audiência para o julgamento. A juíza entrou e perguntou a Fábio o que a defesa alegaria com o advogado respondendo inocência.

O julgamento foi tenso. Considerado o “julgamento do século” parando o país. 

Em bares, supermercados, restaurantes só se falava no julgamento e discutiam se Lucas era culpado ou inocente. Até no Dendê os traficantes foram para frente da televisão e quando um soldado perguntou se Lucas seria preso Mariano respondeu que o irmão era inocente e provaria.

As emissoras de televisão e rádio entravam com plantões da frente do fórum e entrevistavam criminalistas para entender as chances de Lucas no processo. Boa parte achava difícil que ele escapasse enquanto outros achavam as provas muito vagas, como o testemunho de um dos assassinos e que ele poderia ser inocentado.

Lucas foi chamado para testemunhar e respondeu com firmeza todas as perguntas declarando que era inocente e estava sendo vítima de um massacre organizado pela mídia. No fim emocionado lembrou-se de sua origem humilde e tudo que teve que batalhar para alcançar o estrelato. Que era um homem doente mais uma coisa não poderiam tirar dele. Sua estrela e uma estrela não se apaga assim.

A declaração de Lucas vazou para a imprensa e era capa dos jornais do dia seguinte com todos dando ênfase a parte que ele dizia ser uma estrela e uma estrela não apagar daquela forma.   

O julgamento transcorria e já passava de vinte e quatro horas. Em um intervalo Lucas perguntou a Fábio quais eram suas chances e o advogado respondeu que o depoimento do réu confesso seria fundamental.

Chegou o momento de seu depoimento e o homem muito nervoso sentou para dar seu testemunho e o advogado de acusação pediu que ele relatasse como foi.

O homem relembrou toda aquela noite e como foi o assassinato e o promotor perguntou se Lucas era o mandante do crime.

Naquele momento um grande silêncio tomou conta do julgamento e o homem respondeu que não provocando grande surpresa.

O promotor pediu que o homem explicasse aquela contradição com o depoimento na delegacia e o homem contou que foi forçado a falar na delegacia que era a mando de Lucas.

 O promotor perguntou forçado por quem e por quais motivos e o assassino respondeu que não soube na hora o motivo, mas descobriu depois que os policiais quiseram prejudicar Licas para se vingar de Mariano que não cumpria acordo feito com eles. 

Completou dizendo que teve que mentir senão os policiais lhe matariam e o promotor perguntou então a mando de quem foi o crime. O homem respondeu que não teve mandante, foi por contra própria por dívida de Wilson com eles.

Ninguém acreditou na parte que não teve mandante. Para todos o homem quis proteger alguém e a viúva de Wilson desesperada gritava do lado de fora para a imprensa que o homem foi subornado por Mariano para que mudasse sua versão.

Mariano via pela TV a declaração da viúva e comentou com seus soldados “otária, achou que iria fuder meu irmão”. Depois pegou o telefone e disse a alguém que o homem cumprira o prometido e que desse o dinheiro para sua esposa.

Com a queda da principal prova de acusação Lucas acabou sendo inocentado. 

Na hora da sentença abraçou forte seu advogado agradecendo a tudo e depois abraçou Jéssica e Jonas chorando e falando que o pesadelo tinha acabado.
Sentia-se animado, pronto para retomar a carreira.

Depois de um tempo descobriu-se que havia um seguro de um milhão de reais para a viúva de Wilson no caso de seu falecimento, então pairou no ar a dúvida sobre quem seria seu real mandante.

Mariano subornou sim o homem por ver que a situação de Lucas era dramática. Mas a dúvida era se antes ele já não fora subornado pela viúva para incriminar Lucas aproveitando que ele era o único suspeito e assim ninguém desconfiaria dela.

A viúva recebeu o dinheiro, Lucas saiu livre e ninguém nunca soube quem matou Wilson Mendes.

Charlote Spencer, que gravou “No baile” com Lucas faria show em uma grande casa de espetáculos do Rio de Janeiro e ligou para Lucas lhe convidando para cantar a música com ele. O rapaz entusiasmado aceitou e via ali chance de retomada.

Durante o show Lucas nervoso assistia a apresentação de Charlote da coxia quando a cantora disse ao público que tinha um convidado especial para aquela noite e queria que todos lhe recebessem com os braços abertos e extremo carinho.

A banda de Charlote começou a tocar a introdução de “No baile” e Chalote falou “com vocês Lucas Violi” o rapaz sem jeito entrou no palco.

E tomou uma grande vaia. Uma das maiores vaias já recebidas por um artista, mesmo sendo em um local menor parecia mais ruidosa que a do Rock in Rio.

Lucas olhava o público que gritava “assassino” para ele. A vaia cessou e se transformaram em gritos de assassino. Lucas com lágrimas nos olhos virou-se para Charlote que pediu desculpas.

Lucas então entregou o microfone para a cantora e saiu no palco com os gritos do público invadindo sua alma.

A verdade é que Lucas foi inocentado pela justiça, mas não pela opinião pública que não acreditava na sua inocência.

No dia seguinte todos os jornais contavam o ocorrido. Um deles trazia Lucas sorridente em uma foto do auge da carreira e a manchete..

..estrela cadente





Nenhum comentário:

Postar um comentário