sábado, 26 de setembro de 2015

DINASTIA - CAPÍTULO III - MIGRANDO PARA O BRASIL




No dia seguinte com as trouxas feitas a família partiu. Benito na frente da casa parou para olhar pra trás. Olhou a casa que foi criado. Que o pai um dia perdera no jogo para um falso amigo e desde então tiveram que morar de aluguel. O pai morreu alcoólatra de desgosto, o filho não queria o mesmo destino por isso decidira ir embora.  

Olhou e sentiu um aperto no peito, de saudade, de estar indo embora de sua pátria. Salvatore se aproximou de seu pai, colocou a mão em seu ombro e disse “Vamos papa, o mundo nos espera”. Benito respondeu “sim, sim” e partiram.

Muito andaram naquele frio inverno e notaram que várias pessoas se juntaram a eles na caminhada. Eram famílias de aldeias inteiras querendo fugir da miséria e da fome. Olhares vagos, passos demorados. Benito levava a filha mais nova sobre seus ombros e Salvatore conduzia um irmão na bicicleta.

Antonieta andava triste, resignada. Não era da sua vontade a migração, nunca mais veria seus pais, familiares. Mas o marido era o chefe da família e só lhe restava acompanhar.

Canção dos imigrantes toscanos

“Itália bela, mostra-te gentil
E os filhos teus não a abandonarão
Senão eles vão todos para o Brasil
E não se lembram mais de voltar

Ainda aqui haveria trabalho
Sem ter que emigrar para a América
O século presente está nos deixando
E o novecentos se aproxima
Eles têm a fome pintada na cara
E para saciá-los não existe medicina
A cada comento escutamos dizer:
E vou pra lá onde tem a colheita do café”

A família Granata chegou ao porto de Nápoles em 18 de outubro de 1899 e ali descobriu que as coisas não seriam como pensavam. Primeiro que tiveram que esperar dias para o embarque, segundo que ao contrário do que foi prometido a viagem não era gratuita.

Apesar dos pedidos de Antonieta de desistirem da viagem Benito não aceitou. Pegou o restante do dinheiro da venda do comércio e pagou as passagens. Pagou na esperança de chegar ao Brasil empregado e recuperar tudo que investira.

Não tinham onde dormir esperando pela viagem. Benito e Salvatore arrumaram uns jornais para forrar o chão e se cobrirem protegendo do frio.

Levaram alguma comida com eles, mas aos poucos essa foi acabando também. As crianças sentiam fome que era disfarçada com pão duro servido pelos agentes de viagem e água, muita água para enganar o estômago.  

Depois de quatro dias embarcaram no navio com destino ao Brasil. O navio se afastava e Antonieta chorava vendo que não teria mais jeito, via sua Nápoles ficar pequenina assim como seu coração. Salvatore distraído olhava para o nada quando no horizonte percebeu uma pessoa conhecida.

Era Dora. Salvatore correu por todo o navio para conseguir uma posição melhor. Chegou na beirada da embarcação e começou a acenar para sua amada. Triste Dora acenava lentamente de volta despedindo-se daquele que pra sempre seria o amor de sua vida. Salvatore com lágrimas nos olhos gritava “até amanhã” enquanto a moça se virava e ia embora.

Canção dos imigrantes vênetos

“América, América
Lá se vive que
É uma maravilha
Vamos ao Brasil
Com toda a família
América, América
Se ouve cantar
Vamos ao Brasil
Brasil a povoar”

A viagem durou quase trinta dias e as condições dentro do navio eram precárias. Amontoados no navio como passageiros de terceira
classe foram várias as mortes.

Mortes por envenenamento por comida estragada, por epidemias além de ondas de furto. Dessa forma a família Granata e os imigrantes percebiam que nem tudo eram flores.

No porão do navio, onde ficavam, Salvatore sonhava. Imaginava como era o Brasil, queria crescer na vida ser alguém e um dia voltar com dinheiro para a Itália. Casar com Dora? O rapaz não tinha esperanças que isso ocorresse. A mocinha estava perto da idade de casar e pela lógica seu pai rapidamente lhe arrumaria um pretendente.

Mas Salvatore sonhava conhecer uma “ragazza” em terras brasileiras.

Festeiro por natureza mesmo naquelas condições adversas os italianos festejavam. Aproveitavam a noite para comemorar a nova vida que seria apresentada, a esperança que renascia e dançavam.

Nesse clima de muita dança e cantoria Salvatore foi acordado em uma noite. Perguntou o que era e a mãe aborrecida respondeu que eram os “vagabundos festejando não se sabia o que”. Salvatore sentou-se para contemplar a música, suspirou que há tempo não sabia o que era uma boa canção, uma festa.

Benito mandou que o filho fosse aproveitar sob protestos da mulher que não queria que ele fosse. Salvatore com os olhos brilhando perguntou se podia mesmo e o pai respondeu “vá”.

Salvatore levantou e foi correndo com Antonieta furiosa recriminando Benito. O homem sorriu e só respondia pedindo para deixar o menino se divertir.

Salvatore chegou na festa e seus olhos irradiavam felicidade. Viu jovens como ele, pessoas mais velhas, crianças dançando e se juntou a eles. A esperança renascia no peito do rapaz, tudo com alegria é mais fácil.

E dançando com os novos amigos ele reparou em uma jovem. Linda, cabelos encaracolados negros, bochechas rosadas ela dançava alegremente com seus pais e outros passageiros do navio.

Salvatore se encantou imediatamente pela jovem e se aproximou. Os dois começaram a dançar, festejar sem tirar os olhos um do outro. Pegavam as mãos, rodavam, o riso fácil saía de seus corações, o encantamento era mútuo.

Aproveitando a distração dos pais da moça Salvatore lhe chamou para passear e os dois foram.

Afastados da festa sentaram para observar a Lua e conversar. Salvatore contou toda sua história e a moça se apresentou como Morgana, era moradora de uma pequena aldeia italiana e viu com os pais a chance de recomeçar em outro país.

Passearam mais um pouco, conversaram bastante, riram e antes de voltarem Salvatore deu um pequeno beijo na boca de Morgana que foi correspondido. Voltaram para a festa onde os pais aflitos procuravam pela moça e Salvatore com seu sorriso fácil se apresentou dizendo que seria o futuro genro deles.

Morgana se assustou, os pais nada entenderam e Salvatore se afastou dizendo que procuraria por eles. Aquele devia ser o dia mais feliz de sua vida.     

Voltou para o porão, deitou ao lado da família e sonolenta Antonieta perguntou qual era o motivo da alegria. Deitado olhando para o teto sorrindo Salvatore respondeu que era o Brasil.

No dia seguinte passeando pelo navio com o pai Salvatore contou toda a história. Benito se assustou perguntando ao filho se não era muito cedo para ter tantas certezas e ele respondeu que não,                                                                                                                 
que sabia que aquela era a mulher de sua vida.

Ao ver Morgana com o pai Salvatore pediu que Benito lhe acompanhasse e pegou em sua mão lhe puxando em direção a eles.

Salvatore cumprimentou Morgana, ao seu assustado pai e perguntou ao homem se lembrava dele. Ele respondeu que sim, que ele tinha se apresentado na noite anterior como seu genro. Salvatore sorriu e falou que era ele mesmo.

Apresentou o pai e contou que queria pedir a mão de Morgana em casamento. O pai da moça boquiaberto perguntou se ela sabia o que ocorria e Morgana rapidamente respondeu que estava tão surpresa quanto ele.

Salvatore se abateu e disse que não iria mais lhe incomodar. Virou-se pra ir embora e quando se afastava Morgana disse que não era porque não sabia que não iria aceitar.

Rapidamente o rapaz voltou, exibiu novamente o largo sorriso e perguntou se queria casar com ele. Morgana sorriu enquanto Salvatore ficou de joelhos a sua frente e pediu a seu pai a mão dela.

O pai de Morgana perguntou se ele era sempre assim e Benito, resignado, respondeu que sim. O homem então riu e falou que o jovem era audacioso, corajoso e era uma pessoa assim que queria pra sua filha. Finalizou respondendo que concedia a mão.

Salvatore levantou do chão, deu um pulo de alegria e abraçou forte ao sogro dizendo que não iria se arrepender. Deu um forte abraço em Morgana e puxou ao pai para contarem as novidades à família.

Salvatore conta a uma perplexa Antonieta e à noite mais uma festa acontece, agora para celebrar o noivado de Salvatore e Morgana. O navio é tomado pela festa e mesmo a sempre desconfiada Antonieta celebra a união dos noivos. Noivos apaixonados, cheios de planos mesmo acabando de se conhecerem.

Morgana e Salvatore não se desgrudam mais, cada vez mais apaixonados. Fazem planos para quando chegarem ao Brasil. A ideia era das duas famílias se juntarem e trabalharem na lavoura do café. Salvatore ouvira falar que no Brasil tinha muita terra, bem mais do que pessoas para cuidar e era o país do café, qualquer lugar que fossem tinha um pé de café.

Pegou nas mãos da amada e jurou que enriqueceriam no Brasil, teriam uma terra só deles onde plantaria, construiriam e depois que estivessem com a vida feita voltariam para a Itália. Os olhos de Morgana brilhavam e a moça contava que seu maior sonho era voltar à aldeia e ajudar as pessoas de lá.

Salvatore abraçava a amada e falava que assim seria. Estavam apaixonados, irremediavelmente apaixonados.

No meio daquele clima todo de amor e esperança que tomava
conta da família Granata coisas ruins aconteceram. O nível de condições de limpeza e segurança naquele navio como já foi contado era mínimo. As pessoas viajavam junto com baratas, moscas, ratos e sempre expostas ao perigo e foi esse perigo que se tornou real para cima da filha menor dos Granata.

A menina do nada começou a apresentar febre alta, manchas, estava com a peste negra. Doença que naquela época rapidamente tomava a vítima e quase sempre fatal.

E com a rapidez que a doença surgiu ela levou a caçulinha dos Granata. O desespero tomou conta de Antonieta que gritava que nunca quis aquela viagem, queria ficar na Itália e aquela viagem maldita matara sua filha. Benito tentava acalmar a esposa que socava seu peito e lhe acusava da morte.

Salvatore estava tão apaixonado que não sabia de nada que ocorria. Quando entrou feliz de braços dados com Morgana no porão viu a cena da mãe desesperada sendo segura pelo pai.

Nervoso se aproximou para ver o que ocorria e deu de encontro com a cena da irmã morta. Pôs as mãos na cabeça, com lágrimas nos olhos e nada conseguia falar enquanto a mãe também lhe acusava da morte.

Salvatore apenas olhava a mãe lhe xingar sem reação, parecia em outra dimensão. Morgana tentou lhe consolar quando o rapaz em um ímpeto saiu correndo.

Morgana saiu atrás gritando por ele. Rodou por todo o navio procurando o amado e só o encontrou muito depois em um canto sozinho chorando.

Morgana sentou-se ao lado do noivo e lhe abraçou dizendo que estava com ele. Chorando copiosamente Salvatore colocou a cabeça no colo da noiva e nada falava. Morgana acariciou seus cabelos e contou que sempre estaria com ele, onde ele estivesse.

Salvatore foi se acalmando aos poucos e levantou-se do colo. Com o rosto molhado devido ao choro olhou para a noiva, acariciou seus cabelos encaracolados e lhe beijou.

Morgana no começo tentou se afastar, mas acabou correspondendo ao beijo do amado. Aos poucos os beijos foram se intensificando e o casal acabou fazendo amor pela primeira vez.

Primeira e última.

Nos dias seguintes foi a vez de Morgana apresentar os sintomas da peste negra. Já estavam próximos da chegada ao Brasil e Salvatore sem sair de perto da amada pedia para que ela reagisse.

A navio atracou no porto de Santos, estado de São Paulo, no dia 22 de novembro de 1899. Uma grande confusão foi formada na descida do navio. Empurra-empurra, gente sendo pisoteada e nessa confusão os pais de Morgana e a família de Salvatore acabaram sendo levadas para fora do navio mesmo tentando ficar.

Salvatore ficou no porão com Morgana em seus braços. Com um fiapo de voz a moça disse “ao seu lado pra sempre”. Salvatore chorava e pedia para a noiva não lhe deixar, mas aos poucos sua respiração ia ficando mais fraca, mais esparsa até que Morgana faleceu nos braços de Salvatore.

O homem gritava desesperado pela morte da amada enquanto os
italianos desciam do navio em nova terra.

Salvatore ficou ainda por um bom tempo abraçado ao corpo de Morgana até que se viu obrigado a deixar o navio. O homem abatido, dilacerado pelas tragédias que cercavam sua vida foi o último a deixar a embarcação.

Desceu com um porto bem mais vazio do que estava horas antes no desembarque. Naquele instante se lembrou da família, se perdera dela.

Começou a procurar pela família. Procurou entre aqueles italianos que ainda estavam perambulando por lá gritando por Benito e Antonieta. Nada. Depois de horas sentou na calçada perdido, abandonado, com o coração em frangalhos naquela terra estranha sem ter o que fazer.

Com a cabeça baixa, sentado, sentiu uma mão em seu ombro. Olhou de imediato pensando poder ser algum rosto conhecido, mas era uma mulher ruiva, gorda, na altura de seus cinquenta anos.

A mulher se comunicando em italiano perguntou se ele estava perdido e Salvatore respondeu que sim, se perdera de sua família e perguntou se ela conhecia Benito e Antonieta Granata.

A mulher respondeu que não e comentou que ele devia estar cansado e com fome. Salvatore respondeu que sim e ela contou que era responsável por uma hospedaria de imigrantes perguntando se ele não queria ir pra lá.

Salvatore titubeou um pouco, mas respondeu que sim, só não tinha
dinheiro. A mulher respondeu que ele podia ajudar na manutenção
da hospedaria até decidir o que fazer da vida. Salvatore agradeceu e teve sua mão puxada pela senhora para que levantasse.     

A senhora perguntou sua idade e ele respondeu “dezessete”. Ela assustada comentou “é um bambino ainda”.

Salvatore conseguia pensar em nada, só em tudo que ocorrera em sua vida, toda a transformação e que precisava achar sua família.

Andando ao seu lado a senhora colocou a mão em seu ombro e comentou.

“Bem vindo ao Brasil”.

CAPÍTULO ANTERIOR:

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

SOBE O SOM: BOY BANDS




Boy band ou boy group é um tipo de grupo pop constituído de cantores do sexo masculino.

Este conceito pode ser empregado também para denominar cada um dos integrantes de um grupo musical deste tipo, já que boy significa, em inglês, garoto e band, também em inglês, significa banda (no sentido de grupo musical). Ou seja, numa tradução livre, garoto de banda, garoto (ou rapaz) que toca em uma banda. Uma boy band pode ser um grupo vocal ou uma banda que toca instrumentos musicais (ambos também compõem suas próprias músicas, alguns frequentemente, outros não). 

Alguns desses grupos depois de anos de carreira ou de separação do grupo mas que depois retornam, acabam se tornando Man band (banda de homens).

Então vamos lá!!

Sobe o som “Boy bands”!!


If You`re Not Here (Menudo)


Ela não gosta de mim (Dominó)


Manequim (Dominó)


Step by step (New Kids on the block)


Bye Bye Bye (N Sync)


I want it that way (Backstreet Boys)


Isso é Tremendo (Tremendo)


Dá pra mim (Polegar)


Sou como sou (Polegar)


MMMBop (Hanson)


Tipo One Way (Ciclone)


Paquidance (Paquitos)


A dor desse amor (KLB)


What makes you beautiful (One direction)


Bota o bumbum pra dançar (You can dance)


How deep is your love (Take that)


Bem. Aí está um pouco desses grupos que nos últimos trinta anos fizeram as adolescentes suspirarem. Semana que vem tem mais. Tem cultura, tem minhas peças de teatro "Eu matei Nelson Rodrigues", “Dona Carola” e duas apresentações de “Cerimônia de Casamento”.


Enquanto isso se jogue. Não se reprima.


SOBE O SOM ANTERIOR:

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

CINEBLOG: AMERICAN PIE




Cineblog fala hoje de um filme que marcou os anos 90.

Cineblog orgulhosamente apresenta:


American Pie


American Pie (American Pie - A Primeira Vez é Inesquecível ou American Pie - A Primeira Vez) é um filme de comédia de 1999 escrito por Adam Herz e dirigido pelos irmãos Paul e Chris Weitz, em suas estreias no cinema como diretores. É o primeiro filme da série American Pie.


O filme foi um sucesso de bilheteria e gerou três sequências diretas: American Pie 2 (2001), American Wedding (2003) e American Reunion (2012). O filme concentra-se em cinco rapazes (Jim, Kevin, Oz, Finch e Stifler) que frequentam a East Great Falls High. Com a exceção de Stifler (que já perdeu a virgindade), os outros quatro fazem um pacto para perder a virgindade antes de sua graduação do ensino médio.

O título é emprestado da canção popular de mesmo nome, e refere-se a uma cena no filme, em que o personagem principal é pego se masturbando com uma torta depois de ter ouvido que "chegar a terceira base" no namoro é como tocar uma torta de maçã quente, uma metáfora adolescente da cultura estadunidense relacionando sexo e beisebol. Também foi afirmado pelo escritor Adam Herz que o título também se refere à busca da perda da virgindade ainda na escola secundária, que é um sentimento parecido ao "americano como uma torta de maçã".

A música tema do filme é Laid, da banda James, que também é o tema de toda a franquia.


Sinopse



filme conta a história de quatro adolescentes que firmam um pacto três semanas antes de se formarem no segundo grau. Segundo esse pacto, todos eles deveriam transar com alguma garota antes de se formarem, ou até exatamente a noite de formatura. O filme é protagonizado por Jason Biggs, que faz o papel de Jim, e é de uma cena com ele que vem o nome do filme, a antológica cena com a torta de maçã.

O envolvimento dele com o pai Nohan Levenstein (Eugene Levy) retrata bem as frustrantes tentativas de pais de gerações anteriores que tentam, em vão, conversar com seus filhos sobre assuntos como sexo quando os mesmos já estão para lá de iniciados na puberdade e na adolescência. Mas com certeza um dos principais pontos do filme é o relacionamento de Jim com a aluna estrangeira Nadia, interpretada pela atriz e modelo Shannon Elizabeth. É neste primeiro filme também que inicia-se o relacionamento de Jim com Michelle Flaherty (Alyson Hannigan).

O filme ainda possui outros romances, como é o caso do jogador de Lacrosse, Oz (Chris Klein) com a corista Heather (Mena Suvari), Finch, que acaba se envolvendo com a mãe de Stifler, e o relacionamento de Kevin (Thomas Ian Nicholas) com Vicky (Tara Reid) que inicialmente é bem engraçado, com Kevin tentando descobrir por "tradições milenares" como dar prazer à sua namorada.

Elenco




           Jason Biggs como James "Jim" Levenstein
  • Chris Klein como Chris "Oz" Ostreicher
  • Thomas Ian Nicholas como Kevin Myers
  • Eddie Kaye Thomas como Paul Finch
  • Alyson Hannigan como Michelle Flaherty
  • Natasha Lyonne como Jessica
  • Tara Reid como Victoria "Vicky" Lathum
  • Seann William Scott como Steve Stifler
  • Mena Suvari como Heather
  • Shannon Elizabeth como Nadia
  • Eugene Levy como Pai de Jim
  • Molly Cheek como Mãe de Jim
  • Eli Marienthal como irmão mais novo de Stifler
  • Chris Owen como Chuck "Sherminator" Sherman
  • Jennifer Coolidge como Mãe de Stifler
  • John Cho como John

Aparições
  • A banda Blink-182 faz uma aparição como a banda que assiste a Jim e Nadia durante seu webcast, embora o baterista Travis Barker seja incorretamente creditado como o ex-baterista do Blink-182 "Scott Raynor". Além disso, quando a canção "Mutt" é creditada, o nome de Barker é grafado como "Travis Barkor". A participação do grupo foi concedida quando o agente de Tom DeLonge comentou que o filme precisava de uma banda.
  • Christina Milian aparece como uma das geeks da banda.
  • Casey Affleck como Tom Myers, irmão mais velho de Kevin.
  • Stacy Fuson, Playmate do Mês de Fevereiro de 1999, aparece no meio da multidão rindo de Finch quando ele sai do banheiro das meninas. 

Prêmios e indicações


Venceu
  • 2000 - Blockbuster Entertainment Award para Ator Coadjuvante de Comédia Favorito (Eugene Levy)
  • 2000 - Bogey Awards: Bogey Awards in Platinum (Prêmio dado a filmes que são vistos por cinco milhões de pessoas nos primeiros 50 dias após a sua estreia)
  • 2000 - Casting Society of America: Artios Award para Melhor Elenco de Filme
  • 2000 - Csapnivalo Award: Golden Slate Award para Melhor Filme Adolescente
  • 2000 - Young Hollywood Awards para Melhor Conjunto de Elenco, Melhor Trilha Sonora, Importante Descoberta de Performance Feminina (Mena Suvari)
  • 2000 - Golden Screen para Golden Screen Award e Golden Screen com 1 Estrela
Nomeações
  • 2000 - American Comedy Award para Ator Coadjuvante Engraçado (Eugene Levy)
  • 2000 - Blockbuster Entertainment Award para Ator Favorito (Jason Biggs) e Atriz Favorita (Mena Suvari)
  • 2000 - CFCA Award de Melhor Ator Promissor (Chris Klein)
  • 2000 - MTV Movie Awards para Melhor Performance de Comédia (Jason Biggs), Melhor Filme, Importante Descoberta de Performance Feminina (Shannon Elizabeth), Importante Descoberta de Performance Masculina (Jason Biggs)
  • 2000 - Teen Choice Awards para Choice Ator (Jason Biggs), Melhor Performance de Fuga (Chris Klein), Melhor Comédia, Melhor Mentiroso (Chris Klein), Melhor Sleazebag (Seann William Scott)



Semana que vem Cineblog volta com Xica da Silva.


CINEBLOG ANTERIOR:

sábado, 19 de setembro de 2015

TROCANDO EM VERSOS: SAMBA DO FALSO AMOR


*Samba de terreiro composto junto com Cadinho da Ilha

Eu compus um samba pro meu falso amor
Um samba que retrata toda falsa dor
A falsa dor que me assola
Que em minha pele aflora
Desde o dia que ela fingiu me deixar

A falsa dor que me asola
Que em minha pele aflora
Desde o dia que ela fingiu me deixar

Compus uma melodia plagiada
Uma letra já letrada
E registrei como autor

No palco não cantei, mandei play back
Fiz de um bolero meu samba moleque
Um refrão emprestado eu peguei

Inimigos conquistei
Mas eu ganhei
Ganhei beijos e abraços
De quem nunca quis meu bem

Das mandingas eu desvio com humor
Com ironia eu cantei um falso amor

Quanta hipocrisia..
Se a verdade fosse bela ninguém mentiria

Quem é que não sofre por alguém
Quem é que não chora uma lágrima sentida
Quem é que não tem um grande amor
Quem é que não chora uma grande dor

(Refrão da música "Quem é?" interpretada por Agnaldo Timóteo)

TROCANDO EM VERSOS ANTERIOR:

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

SOBE O SOM: GRUPO DE ACESSO 2016




Hoje o “Sobe o som” vai falar das escolas do grupo de acesso do Rio de Janeiro.

São escolas de tradição, muitas já estiveram no grupo especial do Rio de Janeiro e ganharam campeonatos. Hoje se encontram no grupo que desfila na sexta e sábado de carnaval na Marquês de Sapucaí. Um desfile que cresce a cada ano e atualmente seus desfiles passam pela Rede Globo e tem lotação máxima de público na avenida. Quatorze escolas em um sonho “especial”.

Então vamos lá.

Sobe o som “escolas do acesso 2016”

Acadêmicos da Rocinha


Alegria da Zona Sul


União do Parque Curicica


Caprichosos de Pilares


Unidos do Porto da Pedra


Acadêmicos de Santa Cruz


Paraíso do Tuiuti


Inocentes de Belford Roxo


Renascer de Jacarepaguá


Unidos de Padre Miguel


Acadêmicos do Cubango


Império da Tijuca


Império Serrano


Unidos do Viradouro


Bem. Aí estão as quatorze escolas e seus sambas para o grupo de acesso no carnaval 2016. Semana que vem “Sobe o som” volta com as “Boy Bands”.


Enquanto isso vamos com o samba campeão do acesso de 2015.


SOBE O SOM ANTERIOR:

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

CINEBLOG: KARATÊ KID




Cineblog fala hoje de mais um filme que marcou toda uma geração.

Cineblog orgulhosamente apresenta:


KARATÊ KID


The Karate Kid (O Momento da Verdade ou Karate Kid - A Hora da Verdade) é um filme de artes marciais e drama romântico norte-americano de 1984 do diretor John G. Avildsen e escrito por Robert Mark Kamen, estrelado por Ralph Macchio e Noriyuki "Pat" Morita e Elisabeth Shue. É uma história underdog no molde de um sucesso anterior de Avildsen de 1976, o filme Rocky

O filme conta a história de um jovem lutador que deseja aprender caratê, e para isso convence um experiente mestre a lhe dar aulas, que acabam por transformar-se em lições de vida.

Foi um grande sucesso de público e continua popular até a atualidade. Também obteve comentários favoráveis da crítica, tendo Pat Morita recebido uma indicação de melhor ator coadjuvante no Oscar daquele ano e também uma indicação na mesma categoria ao Globo de Ouro.

Sinopse


O jovem Daniel Larusso ou Daniel San (Ralph Macchio) e sua mãe (Randee Heller) recentemente se mudaram de Newark, Nova Jérsey para a região do Vale de São Fernando no sul da Califórnia. Porém, Daniel não consegue se ambientar em sua nova morada, até que conhece Ali Mills (Elisabeth Shue), uma garota atraente que gosta dele.

Porém, a situação de Daniel se complica quando o ex-namorado de Ali, Johnny Lawrence (William Zabka), e sua gangue começam a atormentá-lo. Um dia, quando é cercado pela gangue de Johnny, ele é salvo por um Senhor Miyagi (Pat Morita), um velho mestre de caratê. Disposto a ajudar Daniel, Miyagi resolve passar-lhe os ensinamentos de sua arte marcial, para que ele possa se defender da gangue de Johnny, que também luta caratê. Então ele enfrenta a gangue em uma competição de luta.

O filme é famoso por mostrar o ensaio de artes marciais por Daniel San por meio de atividades cotidianas do dia-a-dia, como limpar o carro ou pintar uma parede.

Elenco

 

  • Ralph Macchio ... Daniel Larusso
  • Noriyuki "Pat" Morita ... Sr. Kesuke Miyagi
  • Elisabeth Shue ... Ali Mills
  • William Zabka ... Johnny Lawrence
  • Ron Thomas ... Bobby Brown
  • Rob Garrison ... Tommy
  • Chad McQueen ... Dutch
  • Tony O'Dell ... Jimmy
  • Martin Kove ... John Kreese, mestre do Cobra Kai Dojô
  • Randee Heller ... Lucille Larusso

 Produção

De acordo com o comentário de edição especial em DVD, o estúdio originalmente queria o papel do Sr. Miyagi para ser interpretado por Toshiro Mifune, mas o escritor Robert Mark Kamen se opunha para a escolha de elenco. Mako Iwamatsu também foi considerado para o papel de Mr. Miyagi, mas não estava disponível devido a compromissos anteriores para filmar Conan the Destroyer, mas ele acabaria por desempenhar um papel semelhante no filme Sidekicks.

Música

A trilha sonora (com músicas do filme) foi lançado pela Casablanca Records. O destaque fica para Joe Esposito com "You're the Best" que foi apresentada durante a montagem do torneio perto do final do filme. A música "Cruel Summer" sucesso de 1984 da banda Bananarama também está presente no filme, mas foi excluída do álbum da trilha sonora. "Moment of Truth" do Survivor é outra grande faixa que só é exibida nos créditos. Outras canções que aparecem na produção foram deixadas fora do álbum, incluindo "Please Answer Me", interpretada por Edge Broken e "The Ride ", interpretada por The Matches. "The Ride" nunca foi lançada em nenhum álbum, mas foi disponibilizado no iTunes, Amazon.com e Rhapsody, em Abril de 2009 para o 25º aniversário do filme.

Recepção

Este filme está classificado como número 31 na lista da Entertainment Weekly que elege os 50 melhores filmes de temática High School. O filme mantém 90% de aprovação no site especializado Rotten Tomatoes, com base em 41 comentários.
Roger Ebert chamou o filme de melhor do ano, lhe dando quatro estrelas, de quatro possíveis, e o descreveu como um "excitante, dócil história comovente, com uma das amizades mais interessantes em muito tempo”. Janet Maslin do The New York Times também fez uma análise positiva.

Prêmios e indicações

 Oscar (1985)

Indicado ao prêmio de Melhor ator coadjuvante (Pat Morita)
  • Globo de Ouro (1985)
Indicado ao prêmio de Melhor ator coadjuvante em cinema (Pat Morita)
  • Young Artist Awards (1985)
Vencedor na categoria: Best Family Motion Picture - Drama
Vencedor na categoria Best Young Supporting Actress in a Motion Picture Musical, Comedy, Adventure or Drama (Elisabeth Shue)
Indicado ao prêmio: Best Young Supporting Actor in a Motion Picture Musical, Comedy, Adventure or Drama (William Zabka)
  • AFI 100 Years
AFI's 100 Years - 100 Cheers (100 Filmes mais inspiradores) - #98

Cineblog volta semana que vem com um filme que marcou os anos 90. American Pie.


CINEBLOG ANTERIOR: