quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A PORTA 40





Mês passado não só Gabriel e minha avó fizeram aniversário. Eu também fiz. Fiz 39 anos.

Pois é, 39. Na verdade nem é essa data que me chama tanta atenção. O que chama é a próxima.

40.

Esses números redondos depois de um tempo balançam a gente. Fazer 10 anos é legal, nos sentimos “adultos”, com 20 anos a mesma coisa. Fazer 30 anos já dá um frio na espinha. Quando somos mais novos já começamos a ver 30 anos como sinal de velhice. Não tinha aquela música “Não confie em ninguém com mais de 30 anos”?

Mas é uma bobagem. Falo sem medo de errar que a melhor fase da minha vida foi na casa dos 30 e espero que continue desse nível até 8 de agosto de 2016.

Fiquei com esse frio na espinha na porta dos 30, frio que se repete agora, um frio um pouco mais gelado. 40? É entrar na fase dos “enta” pra provavelmente nunca mais sair dela. Não acredito que chegue aos cem. Mas o pior de chegar aos 40 nem é isso. É pensar que hoje, no dia de hoje, estou tão próximo dos meus vinte e oito anos, idade que tinha quando minha mãe morreu, do que dos 50. 50 anos sim é uma coisa que me aterroriza.

Com 40 anos acredito que algumas preocupações que nunca tivemos com a saúde passamos a ter. Aquela dormência no braço pode preocupar um pouco mais, aquele exame maldito de próstata vira realidade. Cabelo vai começar a embranquecer, fôlego diminuir. Óculos talvez? Calvície? Não sei. Mas passar pela fase dos 40 tem suas vantagens. Se passamos é sinal que não morremos.

Numa visão otimista é a metade da vida se aproximando. Numa visão realista a mais importante da minha.

Tenho uma opinião que o ser humano que somos, o legado que deixamos é formado até os 50 anos. Dificilmente alguém transforma sua vida depois dos 50, muda radicalmente, faz uma revolução, fica milionário ou famoso.

Acredito que a fase que vem depois dos 50 é da manutenção, da solidificação e de saborear tudo o que fez.

Pois é. Estou a 11 anos dessa fase. Tenho muitos planos, objetivos e tenho 11 anos para fazer tudo isso. Todo mundo sabe que meu dom, meu forte é escrever e acredito também que depois dos 50 o cérebro comece a cansar. Tenho 11 anos para muito produzir.

Medo? Sim, tenho. Quando a gente é criança 40 anos parece uma coisa tão distante. Achamos até que quem tem 40 é velho. Mas os avanços da ciência e a maturidade nos mostram que as coisas não são bem assim.

Maturidade. Essa palavra diz muito. A maturidade nos torna mais sábios, inteligentes e conhecedores de nós mesmos.É  uma delícia essa sensação. Vantagem da idade.

Pena que o auge cerebral não “bata” com o auge físico. Mas não podemos ter tudo né?

É. Mas nem disso posso reclamar. Já que nunca me vi tão bem no dois aspectos.

Pensando bem..O medo pode paralisar e excitar. Prefiro o segundo aspecto. Vamos abrir a porta 40 e ver o que me reserva. Acho que coisas bacanas estão por vir.

Não dizem que a vida começa aos 40? Então..Meu nascimento está chegando.  

E nele vou berrar bem forte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário