sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Capítulo XII - No Baile

Jonatan, esse o nome escolhido. Cresceu bem, mostrou ser lutador como seu pai e logo estava fora da encubadora. Lucas no hospital distribuía charutos aos amigos e familiares para comemorar a chegada do primeiro filho.

Não quis dar declarações à imprensa e no dia da saída de Jonatan do hospital protegeu o rosto de seu filho para que ninguém visse ou fotografasse.

E depois negociou por um alto valor capa de uma revista semanal. Posou com Mayara e Jonatan para a revista que teve uma grande tiragem.

Lucas era um bom pai. Quando estava em casa passava a madrugada com o filho andando de um lado para o outro com ele no colo quando chorava.

Cantava para o filho e fazia carinho nele deixando que Mayara dormisse.
Aprendeu a dar banho, trocar fraldas, botar pra arrotar e encheu o filho de presentes. Todo dia chegava com um diferente e encheu o menino de camisas do Flamengo dizendo que ele alcançaria seu sonho e jogaria no clube e na seleção.   

Deu várias bolas de futebol pro menino que nem conseguia sentar sozinho ainda.

Lembrava-se de seu pai Balão e como ele teria gostado de conheceu o neto. Via Jonatan como continuação dele que era a continuação de Balão e por isso incluiu em seus shows a música “Espelho” de João Nogueira.

Lucas explicava o que sentia com aquela música e cantava de um jeito intimista. Apenas voz e violão.   

ESPELHO
(João Nogueira )

Nascido no subúrbio nos melhores dias
Com votos da família de vida feliz
Andar e pilotar um pássaro de aço
Sonhava ao fim do dia ao me descer cansaço
Com as fardas mais bonitas desse meu país
O pai de anel no dedo e dedo na viola
Sorria e parecia mesmo ser feliz
Eh, vida boa
Quanto tempo faz
Que felicidade!
E que vontade de tocar viola de verdade
E de fazer canções como as que fez meu pai (Bis)
Num dia de tristeza me faltou o velho
E falta lhe confesso que ainda hoje faz
E me abracei na bola e pensei ser um dia
Um craque da pelota ao me tornar rapaz
Um dia chutei mal e machuquei o dedo
E sem ter mais o velho pra tirar o medo
Foi mais uma vontade que ficou pra trás
Eh, vida à toa
Vai no tempo vai
E eu sem ter maldade
Na inocência de criança de tão pouca idade
Troquei de mal com Deus por me levar meu pai (Bis)
E assim crescendo eu fui me criando sozinho
Aprendendo na rua, na escola e no lar
Um dia eu me tornei o bambambã da esquina
Em toda brincadeira, em briga, em namorar
Até que um dia eu tive que largar o estudo
E trabalhar na rua sustentando tudo
Assim sem perceber eu era adulto já
Eh, vida voa
Vai no tempo, vai
Ai, mas que saudade
Mas eu sei que lá no céu o velho tem vaidade
E orgulho de seu filho ser igual seu pai
Pois me beijaram a boca e me tornei poeta
Mas tão habituado com o adverso
Eu temo se um dia me machuca o verso

E o meu medo maior é o espelho se quebrar (Bis)
Lucas começava os preparativos para o terceiro cd, o segundo solo. Com várias músicas prontas restavam ainda duas para completar o cd. O rapaz quebrava a cabeça, mas não conseguia criar e ficava preocupado achando que nenhuma das doze prontas eram fortes o suficiente para ser o carro chefe do disco.

Enquanto estava no período de criação para o cd Lucas recebeu convite para fazer parte de um projeto diferente. Um produtor de cinema procurou o rapaz perguntando se ele queria ser colaborador do filme que estava produzindo.

Lucas perguntou como seria sua participação e o produtor respondeu que ele seria consultado enquanto o roteiro era criado. Era a históriade um rapaz pobre que se apaixonava por uma menina rica durante um baile funk e o produtor pediu que ele ajudasse na composição do personagem, sua vida e como eram os bailes para mostrar realidade. Lucas gostou da idéia e resolveu colaborar.

O produtor pediu também duas músicas. Uma para o miolo do filme e outra que seria a principal. A música tema.   

Lucas topou e perguntou qual seria o nome do filme. O produtor respondeu “No baile”.

Em comum acordo com a gravadora e seu empresário Lucas adiou um pouco a gravação do cd e embarcou no projeto. Colaborou na feitura do roteiro e se propôs a fazer as duas músicas. Uma ele resolveu rápido, fez uma versão de “More Than Woman” do Bee Gees.

Decidiu também colocar essa versão em seu cd. Seria uma espécie de hino, um pedido pela paz nos bailes.

BRIGAR PRA QUÊ (MORE THAN WOMAN)

Hoje eu vim para dançar
Brindar nossa união
O baile ficou todo dominado
Tomado de amor

Hoje vim para cantar
Brincar, me divertir
E com a novinha vou formar
Chamar para sair

Vamos fazer uma celebração
Passar do sonho para ação
Ver o país de nós se orgulhar
Funkeiro nosso bonde hoje é de comunhão
Chamo a galera toda pra cantar esse refrão
Vamos nessa então 

Brigar pra quê
Dê uma chance a paz
 
Lucas ficou satisfeito com a canção, mas o problema não estava resolvido. Faltava a canção principal do filme e o problema aumentava porque existia uma cena que alguém cantaria a música. Justamente a cena que os protagonistas se conheciam.

Lucas acabou contratado como ator também e faria o cantor na cena. O rapaz quebrava a cabeça, juntava papéis na mesa da sala para escrever se irritava e amassava os mesmos jogando longe por ver que não conseguia criar.

Uma noite estressado não conseguia dormir. Na sala olhava pro nada quando Mayara passou para tomar água e aconselhar o marido a deitar. Lucas respondeu que não dava o prazo pra conclusão da música estava acabando e ele teria que entregar.

Deu um beijo de boa noite na esposa que subiu as escadas para dormir.
Lucas ficou mais um tempo no sofá rabiscando e desesperou que a música não nascia. Amassou o papel jogando longe e gritando “merda”.

Viu que não conseguiria criar e desolado foi para o quarto.

Abriu a porta e viu Mayara dormindo. Encostado na porta via sua esposa e com ternura lembrou-se da noite que lhe conheceu. Ele cantando no baile em Niterói, Mayara olhando pra ele e ele não conseguindo tirar os olhos dela.

Lembrou-se do início. As dificuldades, ele desajeitando se oferecendo pra acompanhá-la no ônibus e ela com carro do ano.

Lembrava, ria e se emocionava olhando a esposa dormir. Amava Mayara como no dia que lhe conheceu. Como no baile..   

..como no baile..no baile..

Era isso exclamou Lucas que saiu correndo e voltou pra sala.

Nervoso com medo de esquecer pegou papel, caneta e começou a escrever. 

Parecia psicografia porque escreveu a letra de uma vez só. Letra que já nascia com melodia. Depois levantou pegou o violão e com a letra na mesa olhava para ela e começou a tocar uma introdução.

Pois é, a música que não saía de jeito nenhum nascera já com introdução e tudo e Lucas começou a cantar pela primeira vez aquela que seria o maior sucesso de sua vida.

NO BAILE

No baile
Que eu te conheci
Olhei pro palco
Quase enlouqueci
Com você dançando
E mandando o seu lá lálá iá
Eu gamei, eu amei

No baile
Que eu te conheci
Estava no palco
Dando uma de Mc
Eu te vi não aguentei
Comecei o meu lá lálá iá
Eu olhei me apaixonei

Será que pode me dar uma chance
Acho que esse encontro ainda vira romance
Entre você e eu

Amor da minha vida
Te quero aqui comigo
Me deixa te amar
Beijar a tua boca, que coisa louca
Vem cantar

Amor da minha vida
Te quero aqui comigo
Me deixa te amar
Beijar a tua boca, que coisa louca
Vou cantar
O meu lálá iá

No fim Lucas notou um choro. Olhou para trás e viu Mayara sentada na escada chorando copiosamente. Ela ouviu a música e principalmente a letra e viu ali a sua história com Lucas. Lucas foi até sua amada, sentou-se ao lado dela e limpou suas lágrimas cantando “Amor da minha vida, te quero aqui comigo, me deixa te amar”. Mayara não aguentou e beijou o marido apaixonadamente. 

Fizeram amor ali mesmo, um amor como há muito tempo não faziam.

No dia seguinte com as presenças de Jonas, Wilson, o produtor e o diretordo filme e um diretor da gravadora Lucas e Mayara cantaram “No baile” para esse seleto grupo de expectadores.

Cantou em dupla com a esposa porque era uma música para ser cantada em dupla homem/mulher com ela iniciando.

Quando acabaram de cantar ficou um silêncio e depois aplausos de pé entusiasmados dos expectadores. Jonas eufórico abraçou o irmão falando que era a música da vida dele e Wilson logo depois abraçou dizendo que tinha que concordar.

Lucas assim não conseguia apenas a música tema do filme, a música carro chefe do cd como a sua melhor música.

O produtor do filme contratou Charlote Spencer, uma cantora e atriz famosa do momento para cantar com Lucas no filme e gravaram juntos a canção para o cd. 

Nos shows era Mayara que cantava.

E como previsto a música explodiu. Impulsionou o sucesso do filme e a venda de cds se tornando rapidamente seu cd mais comercializado e o mais aceito pela crítica.

A música “No baile” se tornou o grande sucesso do ano no Brasil, o maior sucesso de Lucas Violi. A música que ele só precisava cantar o primeiro verso que o público se encarregava de cantar o restante.

Ele orgulhoso ligava o rádio e ficava trocando de emissora e todas tocando “No baile”.

A música entrou em trilha de novela, comercial de carro e ajudou Lucas a ganhar o Grammy latino de melhor CD.

Jurema ligava alto o rádio em casa e gritava na porta que a música era de seu filho. Jonas ganhava mulheres na noite mentindo que viu o irmão fazer a música e deu palpites. Jéssica entre um louvor e outro fazia questão de colocar “No baile” no cd e cantar junto.

E Mariano da cadeia sentia muito orgulho do irmão.

Lucas foi visitá-lo o que provocou um grande alvoroço no dia de visitas. Familiares de presos felizes pediam autógrafos e tiravam fotos. Até presos se aproximavam para cantar a música para ele. Mariano “tirava onda” e falava que aquele era seu irmão e que ele era “foda”.

Lucas perguntou ao irmão como estava a vida na cadeia e Mariano respondeu que não estava fácil. Já eram quinze anos de cadeia e precisaria de mais cinco para sai em condicional, mas não sabia se conseguiria aguentar até lá.

Lucas pedia pro irmão não esmorecer e Mariano respondeu que não era fácil e que ele não tinha noção de como era a vida na cadeia.  Completou que a primeira coisa que faria quando saísse da cadeia era ver um show de Lucas, que esse era seu maior sonho.

Lucas orgulhoso respondeu que não sabia que o irmão tinha essa vontade e Mariano contou que sonhava com aquele dia, de vê-lo brilhando em cima de um palco. Lucas respondeu que daria um jeito naquilo, Mariano perguntou como e o irmão mandou que confiasse nele.

Conversou com Wilson conseguindo uma brecha na agenda e com o diretor do presídio e assim marcou um show no local. Algumas semanas depois da promessa o palco foi montado no pátio e os presos comunicados que teriam um show no pátio naquela tarde.

Não foi contado de quem era. Mariano foi ao local perguntando aos outros presos se eles sabiam e os homens responderam que não. Mariano se posicionou logo na frente do palco e viu a banda entrando intrigado com aquele show.

A banda começou os acordes de uma música com os presos dançando e gritando. Mariano falou “eu conheço essa música” e teve certeza quando o irmão entrou no palco gritando boa tarde.

Mariano com lágrimas nos olhos balbuciou “Lucas” e o irmão começou o show.

Um grande show com banda, dançarinos, nos mesmos moldes dos seus shows “normais”. Mariano emocionado assistia e via que grande artista seu irmão se tornara. Em determinado momento Lucas olhou pra Mariano e no microfone pediu que ele subisse ao palco.

Um guarda conduziu Mariano até lá e Lucas deu um abraço emocionado no irmão dizendo em seu ouvido “esse show é pra você”.

E no microfone falou que aquele era Mariano, seu irmão e tinha um grande orgulho dele sendo aplaudido pelos presos. 

Abraçado ao irmão Lucas cantou “O sonho” e “Momentos” e terminou o show cantando o mega sucesso “No baile”.

No fim Lucas perguntou ao irmão se o show era como ele pensava. Mariano sorriu e disse que era muito melhor e que tinha muito orgulho do homem e do artista que Lucas se tornara.

Lucas deu um abraço no irmão e no seu ouvido disse “se cuida a paciência”. Mariano respondeu ao irmão mandando que ele ficasse tranquilo que se encontrariam do lado de fora muito mais rápido que ele pensava.

Alguns dias depois Lucas descobriu o que Mariano queria dizer com isso. Viu na televisão o apresentador do telejornal contar que aconteceu uma fuga do presídio e entre os foragidos estava Mariano Violi, o irmão do astro Lucas Violi.

Lucas se preocupava com aquela situação do irmão foragido e com a associação feita com seu nome, mas o pior ainda estava por vir.

Ao chegar no Rio de Janeiro depois de um fim de semana de shows passeava pelo free shop do Galeão comprando algumas coisas quando reparou em revistas que estavam sendo vendidas.

Olhou uma revista semanal, a mesma que ele vendeu os direitos de exibição da primeira foto de Jonatan e ele estava na capa.

Pegou a revista e viu que tinha duas fotos dele na capa. A primeira com o título “No baile” estava ele e Mayara cantando em um show.

Embaixo com o título “Na Europa” ele e Odete se beijando em frente a Torre Eiffel.

Lucas soltou um “puta que pariu” e correu pra casa.

Entrando em casa viu a revista em cima da mesa da sala e fechou os olhos desolado. Ao abrir viu um dos empregados da casa com duas malas na mão e perguntou ao criado que malas eram aquelas.

Logo depois surgiu Mayara com Jonatan no colo respondendo que eram dela. A moça estava indo embora de casa voltando para a casa dos pais.

Lucas pediu que Mayara parasse e conversasse com ele, Mayara disse que sabia o que ele queria falar. Que não era nada daquilo que ela pensava e a revista fizera uma montagem.

Lucas ficou quieto e Mayara respondeu que se ele tivesse ainda um pouco de dignidade não lhe procuraria.

Disse isso e foi embora. Lucas ficou estatelado no sofá da sala sem ter reação, sem saber o que fazer e começou a chorar.

Ligou para a moça, tentou de todas as formas que ela lhe atendesse indo até sua casa e Mayara não lhe atendia. A separação do casal foi manchete de todos os jornais, revistas e programas de fofoca da televisão. Lucas continuava exibindo a aliança de casado, mas Mayara foi fotografada na rua sem a aliança.

A dor da separação já é forte normalmente, o pior é quando não se pode “curtir a fossa” em paz. Mayara teve discussões ásperas com paparazzis contando que não era artista e que parassem de segui-la. Tentando fugir de um deles de carro acabou batendo em outro ferindo sua testa. Lucas tentou visitá-la pra ver como estava, mas a moça não lhe atendeu.

Lucas também foi fotografado saindo de casa para pegar o jornal que foi entregue na porta e irritado foi até a direção do fotógrafo quebrando a câmera e dando um soco no homem parando em delegacia.

Lucas ao perder Mayara sentiu o quanto lhe amava e ela fazia falta. Começou a beber mais ainda e se tornar mais agressivo, também mais melancólico só saindo de casa para shows e apresentações em rádio e tv.

E se recusava a dar entrevistas adotando a lei do silêncio.

Em uma sexta de folga Lucas depressivo estava em casa pensando na vida e ligou para Mayara que não atendeu. Ela sabia que era o marido e não quis atender. O rapaz com lágrimas nos olhos olhava álbum de fotos do casal quando tocaram a campainha.

Atendeu correndo na esperança de ser Mayara, mas era Jonas. Perguntou o que o irmão queria e esse perguntou se Lucas não sairia de casa na folga.

Lucas respondeu que não e perguntou se o irmão tinha notícias de Mariano com Jonas respondendo que não. Jonas insistia chamando Lucas para sair e ele respondia que não queria.

Jonas contou que teria baile do Dendê e Lucas perguntou como se a quadra da escola de samba estava em obras. Jonas respondeu que seria na praça da favela e arrecadariam mantimentos para os desabrigados da enchente que ocorrera na cidade uma semana antes.

Lucas já podia subir o morro tranquilamente porque Escurinho, o sucessor de Pachola não se metia com ele nem a fundação. Lucas pensou que seria uma boa comparecer lá e cantar. Fazendo essa boa ação pelos desabrigados Deus poderia lhe ver com bons olhos e trazer Mayara de volta.

Pediu que Jonas esperasse, pois, iria se arrumar para irem ao baile.

Arrumou-se pegou um carrão do ano e importado e subindo morro com Jonas. 

Situação diferente da que subira muitas vezes na infância e adolescência.

No alto da favela cumprimentou as pessoas que estavam no baile e até mesmo Escurinho que respondeu que era seu fã.

O baile era realizado na praça e assim as pessoas que estavam ali pra curtir o som se misturavam com traficantes armados com fuzis que dançavam no meio do público apontando as armas pro céu e subiam e desciam a favela de moto.

Vários “proibidões” eram cantados no baile. Proibidão é uma música geralmente em apologia ao tráfico e Lucas não gostava daquela situação falando a Jonas que queria ir embora.

No momento que Jonas concordou o locutor notou a presença de Lucas e pediu que ele cantasse algo.

Lucas subiu sob aplausos das pessoas que se dividiam entre curtir o baile e ir até a boca de fumo comprar maconha e cocaína.

O rapaz cantou “O sonho”, “Momentos”, “No baile” e no fim agradeceu a oportunidade de cantar ali para eles, mas tinha que ir embora para cumprir uma série de compromissos.

Desceu do palco e disse a Jonas “vamos embora logo” quando ouviu barulho de tiros.

Gritou “merda”, puxou Jonas para trás do palco enquanto as pessoas desesperadas corriam. Muitos inocentes foram acertados e tombaram feridos. 

Os traficantes não sabiam de onde vinham os tiros e atiravam a esmo tambem sendo alvejados.

Os soldados de Escurinho iam caindo um a um junto com muitos inocentes e no fim um bando encapuzado cercou Escurinho e mandou que ele se ajoelhasse.

Escurinho ajoelhou-se, pediu piedade e foi alvejado na cabeça morrendo na hora.

Depois o bando começou a atirar pro alto e o líder do grupo tirou o capuz gritando que agora o morro tinha novos donos e quem mandava na favela era ele.

Lucas e Jonas saíram de trás do palco e Lucas espantado olhou o líder dos exterminadores e exclamou.

Mariano !!






Nenhum comentário:

Postar um comentário