sexta-feira, 16 de maio de 2014

CINCO ANOS COM ELA




Assim como fiz com minha mãe na data do aniversário de sua morte ano passado eu fiz na data de aniversário da Bia uma coluna. Para ela dei o nome “Quatro anos com ela”.

Fiz uma coluna em forma de carta onde eu pedia que alguém entregasse a ela caso por algum motivo eu não pudesse. Que entregassem em sua festa de quinze anos ou no casamento e ela lesse o que escrevi na ocasião de seu quarto aniversário.

Escrever uma carta para pedir que alguém entregue a um filho no futuro reflete bem o estado de espírito de uma pessoa. O meu estado de espírito no ano de 2013 até perto de seu fim pelo menos.

Eu não estava bem.

Poucas coisas que davam alegria naquele período, me faziam manter em pé, firme e com certeza a principal delas era essa menininha.

Nunca me canso de dizer que a Bia salvou a minha vida. Não só a minha como de suas mães Michele e Renata. Surgiu no meio de pessoas devastadas pela vida, por perdas trazendo amor, paz, felicidade.

Bia transformou Michele e Renata. Fez das duas pessoas sérias, responsáveis e caseiras lhes amadurecendo. Foi me mudando aos poucos. Eu sempre fui o filho, o sobrinho, neto. A pessoa a ser protegida, que não precisava de grandes responsabilidades.

Com a Bia isso foi mudando aos poucos. Primeiro ganhei responsabilidade financeira. O dinheiro que entrava não era só mais meu, tinha que pensar nos cuidados de um bebê que precisava de mim.

Aos poucos essa menininha foi me envolvendo. Pequenininha, precisava pôr meias nas mãos pra aquecer do frio. Zangada, pelo menos comigo sorria pouco. Mas linda, que menina adorável.

Com ela aprendi a dar mamadeira, botar pra arrotar, fazer aquelas brincadeiras que parecem ser bobas, mas são feitas há gerações com os bebês. Com ela aprendi que proteger, cuidar, acalentar é tão bom quanto ser protegido.

Assim o amor foi nascendo. Não entrei nesse papo que diz que nos apaixonamos de imediato por um filho. Com Bia foi aos poucos. Senti pela primeira vez algo especial por ela quando viajei e fiquei com saudades. Tive certeza que a amava quando soube que ela estava bem depois de passar uma madrugada preocupado devido uma queda sua.

Não amo apenas a Bia, sou dependente dela. Dependente de seu afeto, carinho e amizade. Um dia ela terá noção de quanto é importante na minha vida, talvez nem eu tenha.

Seu sorriso ao dizer que me ama. O jeito que se aconchega em meu peito para dormir ou assistir um vídeo na internet. A alegria que tem ao me ver e o abraço afetuoso que me dá. Tudo isso faz com  que essa menina de cachinhos e inocência que comovem me conquistar um pouco mais a cada dia.

Bia não é simplesmente minha filha ou minha salvadora. Ela tão pequenina ainda é uma das melhores amigas que já tive. Não me dá conselhos, não faz samba comigo, não sai pra farrear, nada disso. Ela não precisa, basta sua presença.

Menina doce que faz um garoto virar adulto e um adulto virar garoto. Junto a ela me sinto criança novamente, me sinto com uma vida toda pela frente, com energia, me sinto feliz.

Menina doce que tirou seu pai de um princípio de depressão com sua companhia, amor. Parceira de internet capaz de assistir um desenho de humor negro, clipe de Michael Jackson ou ouvir música do ursinho Pimpão com a mesma concentração. Que é  uma comilona e sempre entra aqui pedindo “minhojo” e fruta. De tiradas fantásticas que nos desconcerta.

Um anjo que foi mandado a Terra pra cuidar de mim e desempenha sua função brilhantemente.

Minha amiga Ana Beatriz. Do alto de sua maturidade de cinco anos de idade vamos conversar.

Conversar nada, te chamei pra encher de cócegas. Na verdade não sei nem mais o que te dizer meu amorzinho. Acho que ao longo desses cinco anos todas as palavras que eu poderia te descrever já foram ditas. Todas as homenagens eu vou fazendo. A língua portuguesa ainda não criou palavras para demonstrar com exatidão o que sinto por você.

Acho sinceramente que foi sua avó, minha mãe, que te mandou pra mim. Invejo quem pôde ver o encontro de vocês em outro plano e ouvido a conversa que tiveram. Suspeito que ela tenha lhe  chamado e falado “Tenho  uma missão para você. Continuar um trabalho meu”.

E você vem desempenhando. Lamento às vezes não ter podido ver vocês duas juntas aqui. Mas em outros momentos desconfio que realmente seria impossível esse encontro acontecer porque vocês duas são uma pessoa só. 

Nós três somos uma pessoa só. Feitos de corpo, alma e amor.

E uma mistura dessas nada nem ninguém nunca separa.

Porque Deus abençoa e tenho certeza que ele nos abençoará sempre.

Feliz aniversário minha Bia e obrigado por tudo.


Princesa. A dona da minha poesia. 

     
LINK RELACIONADO:

QUATRO ANOS COM ELA



3 comentários:

  1. Que coisa linda, meu caro amigo. Essa emoção contagiante. Felicidades pra Bia e um grande beijo pra vc.

    ResponderExcluir
  2. lindo, irmão!!!
    que Deus te dê muitos anos pela frente para poder vê-la crescer linda e com saúde!
    que ela te traga sempre muitas alegrias!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado meus amigos pelo carinho comigo e a Bia

    ResponderExcluir