quarta-feira, 15 de maio de 2013

QUATRO ANOS COM ELA



CARTA ABERTA A MINHA FILHA


 Oi baixinha, tudo bem? Tenho certeza que essa carta te encontrará em um ótimo momento. Não vou te entregar logo após escrever por dois motivos: Primeiro porque é madrugada e acredito que você esteja dormindo, segundo porque você ainda fará quatro anos amanhã e ainda não sabe ler.

Sim. Escrevo na véspera de seu aniversário de quatro anos e essa carta vai demorar um pouco ainda para chegar nas suas mãos. Tem um tempo que pretendia escrevê-la e achei a data do seu aniversário a melhor para isso. Ainda não sei quando irei lhe entregar, nem sei se serei eu a entregar. Bem “bobuxa”, é, é assim que te chamava com três anos, você nem deve se lembrar mais, enfim, bem Bia nós não sabemos o dia de amanhã né?

Quero que isso chegue nas suas mãos no seu aniversário de quinze anos ou no dia do seu casamento. Não sei ainda. Como não sabemos o dia de amanhã e se estarei aqui para lhe entregar pessoalmente deixarei cópias com pessoas de confiança e em um pen drive. Com certeza quando você receber já existirá uma tecnologia mais avançada para entregar algo assim, mas acredite, quando eu tinha sua idade as cartas eram feitas em papel.

Eu quero que você receba em um momento importante da sua vida, com a importância que você tem pra mim. Você pode não saber baixinha, mas salvou a minha vida e não só uma vez, mas muitas vezes. Sabe Bia, eu até tinha vontade de ser pai, mas não era das coisas mais importantes da minha vida.

Uma namorada engravidou e perdeu o bebê com quatro meses. Fiquei chateado claro, é normal ficar né? Mas não foi nada que mudasse o rumo da minha vida já que eu nunca soube o que era ser pai. Até o dia que escrevo essa carta seu avô, meu pai, nunca foi um cara muito presente e acredito que até você receber continue não sendo.

Tive a ideia de registrar você quando já estava perto de nascer, sim você já sabe que não é minha filha biológica, mas uma coisa você deve lembrar desde pequenina. Quando você tinha três anos às vezes tínhamos conversas de adultos e eu prometi nunca mentir pra você e sempre cumprir as coisas que prometia. Bem, até a feitura dessa carta consegui cumprir, espero que tenha continuado.

Continuando. Tive a ideia e falei com a sua xará Bia, que começava a namorar na época e ela foi de uma generosidade que você não tem noção. Toda mulher, você sabe disso, sonha em ser a mãe do primeiro filho do cara que ama, mas ela foi generosa, altruísta e me deu força para que lhe registrasse. Era início de namoro, ela podia ter pulado fora e não pulou.

Bia seria sua madrinha, mas papai vacilou, deu uns moles e nossos caminhos seguiram separados. Mas saiba que ela te ama muito, foi uma das primeiras que pegou você no colo, as primeiras fotos de sua vida foram feitas por ela, chateada com seu pai veio no seu aniversário de três anos passar algumas horas no Rio só pra te ver e se não fosse a Bia eu não seria seu pai então devemos muito a essa pessoa que se não convive fisicamente com você tenho certeza que está em pensamento e nunca irá lhe faltar caso precise.

Falei com sua mamãe e com a Renata, elas concordaram e assim virei seu pai. Dessa forma viramos essa família diferente com um papai e duas mamães. Diferente para muitos, mas a “mais normal” que já convivi. Você sabe né Bia, elas brigam pra caramba, mas sabe também que o amor delas é muito forte, verdadeiro e poucas vezes seu pai viu na vida um amor tão puro e sincero quanto o delas e o delas por você.

Como disse acima você salvou minha vida, mas salvou a delas também. Bia você não tem noção da sua importância na vida delas. Sua mãe e a Renata sempre foram pessoas do bem, amigas, coração enorme, mas tiveram muitas perdas, tristezas na vida e por isso não seguiam um bom caminho. Você as trouxe de volta a esse caminho, o amor que elas têm por você salvou a vida delas, aproximou as duas de Deus, ensinou o que é o amor. Você tem que ter muito orgulho delas porque são vencedoras.

E a sua presença me salvou também. Um cara com mais de 30 anos, mas que agia como um eterno adolescente, tava nem aí pra futuro, se preocupava com nada e te registrou apenas pra lhe dar um nome. Ah Bia, mas você sabe que ninguém consegue ficar impassível ao seu lado. Você é danada e aos poucos foi me conquistando, aos poucos foi me envolvendo e hoje sou completamente apaixonado por você.

Eu tinha e tenho um grande amor, a sua vovó, minha mãe e você sabe bem disso. Coitada, já está cansada de ouvir falar nela. Sua vovó Regina não era só a minha mãe. Ela era minha companheira, minha melhor amiga, meu colo, meu ponto de referência e ela partiu me deixando sozinho. Seu pai sempre teve amigos, namoradas, teve o samba onde bem ou mal conseguiu alguma realização, mas ficou sozinho.

É..Sozinho, porque a noite chegava, a madrugada se fazia presente e enquanto todos estavam com suas famílias eu estava sozinho, sem ninguém pra dar um colo, para ouvir as agruras, para limpar o choro. Por mais amigos e amores que temos não é nosso sangue, não é nossa família. Amigos e namoros vêm e vão, família fica, pai e mãe ficam e eu fiquei sozinho.         

Pedi muito, muitos dias que sua avó me buscasse. Nunca ninguém soube disso, mas nos primeiros momentos eu acordava e pensava desolado “mais um dia”, sentia alguma dor e tinha esperança de ser algo mais grave. Difícil admitir, mas teu pai é de uma família que tem genética pra depressão (por não ser de meu sangue dessa você escapou). A bisa Lieida, a vó Regina e um irmão dela tiveram e acho que já passei por isso sem ninguém perceber.

Sempre fui muito bom de disfarçar as coisas.

Só que hoje não é dia de falar de coisas tristes até porque escolhi a data pra você receber num dia feliz. Você surgiu na minha vida, esse amor surgiu, um amor que eu não entendia quando pais e mães falavam que era incondicional, que era um amor maior do que por eles mesmos e eu achava balela. É baixinha, fui pego no contrapé.

Porque com todo respeito a sua avó o amor que eu sinto por você é o maior que já senti na minha vida e tenho certeza que ela me compreende ao falar nisso. Eu amo tanto você que não cabe no meu peito. É um amor que me faz sorrir só de pensar em você, que me faz ter lágrimas nos olhos quando lembro momentos nossos, quando penso em você passando por alguma dificuldade, tristeza ou quando escrevo uma carta boba como essa.  

Todos os dias você salva a minha vida. Sempre que me vem um pensamento sombrio na cabeça ou vontade de desistir de tudo, sumir e nunca mais ser encontrado eu penso em você, no seu sorriso, nos seus olhinhos brilhando e sabe Bia, me vem uma força descomunal, maior que da Mônica que você gosta tanto e eu penso “para de palhaçada Aloisio, você é um cara de sorte”. Quando você me vê, sorri e grita “papai”, quando você corre pra me abraçar e diz que sonhou com o morto vivo eu ganho o meu dia, minha noite, minha vida, meu mundo.

Você não é só a minha filha, você é um presente que Deus mandou pra mim. Se eu algum dia tive dúvidas que Ele existisse ou mesmo que gostasse de mim eu tenho que pedir perdão de joelhos. Não sei se foi coisa da sua avó, mas bendito o dia que eu pensei em lhe registrar, foi a decisão mais acertada da minha vida, decisão que agradeço todos os dias por ter tomado. 

Você é minha filha, minha melhor amiga, o amor da minha vida, a minha companheirinha que tenho certeza que se transformou em uma companheirona. A menininha de cabelos encaracolados, sorriso fácil, imenso carisma que sei que virou uma mulher maravilhosa, essa que recebe essa carta agora.

Não sei se sou eu quem está lhe entregando Bia, queria muito que fosse, mas se a vida não quis assim paciência. Como sua avó dizia pra mim e eu achava um exagero você é a maior vitória da minha vida, meu projeto mais bem sucedido e nada que ocorra daqui pra frente irá superar isso então mesmo que eu não esteja aqui pra te entregar essa carta não tenho do que me queixar. Sim, claro que dará um pequeno inconformismo de não ter ver comemorando um momento especial ou vestida de noiva, mas nem vou pensar nisso agora, o tempo dirá.

Escrevi esse monte de baboseiras acima quando na verdade só queria escrever uma coisa. Obrigado. Obrigado por ter surgido na minha vida, obrigado por ser essa mocinha tão linda, tão maravilhosa, obrigado por me permitir ser seu pai e obrigado por me amar.
Eu sempre falei que amor não se agradece, mas se agradece sim, ainda mais vindo de quem amamos tanto.

Quer saber de uma coisa? Eu que vou te entregar essa carta, tem essa de delegar a terceiros não. Você ainda vai me aturar por muitos e muitos anos e vou te fazer um monte de cosquinhas ao entregar não importa quantos anos você tenha. Por quê? Porque sou seu pai.

Seu pai...

..que orgulho meu Deus!!


Bem..Baixinha, como você me conhece bem sabe que seu pai adora um videozinho (desde os tempos que víamos Michael Jackson todos os dias no computador) e adora “pagar um mico” então eu fiz um vídeo pra você.

Um vídeo de uma música que fiz pra você no seu aniversário de dois anos. A música é uma resposta a canção que fiz pra sua avó em sua missa de sétimo dia. Você sabe que seu pai nunca foi bom cantor, mas taí o “micaço”.

Te amo minha eterna Biazinha. 


 O ESPELHO E A JANELA

A vida em poeta me transformou
Me fez descobrir que eu me enganei
Me enganei quando numa imensa dor
Eu perguntei
Como viver sem o teu amor

Teu amor não vou perder
Nele confio pra vencer
Com o choro e sorriso da vida
Chegadas, despedidas
Um novo homem me tornei
Melhor ou pior eu não sei
Sei que do seu legado
Não me esquecerei

No espelho continuo vendo você
Mas tem alguém que você também pode ver
Alguém que surgiu depois que você partiu
Um grande amor floriu
Sei que você viu
E sei que a ela ama também
Em algum lugar zela o teu bem

Te vejo nos olhos dela
O espelho foi pra janela refletir
A vida a se criar
Te vejo nos olhos dela
O espelho foi pra janela refletir
A vida continuar 

video

Feliz aniversário


TEXTOS RELACIONADOS
OITO ANOS SEM ELA





Nenhum comentário:

Postar um comentário