terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2013




O que é um ano? Já sei, são 365 dias ou 366 entre 1 de janeiro e 31 de dezembro. Mas o que ele representa? Além do fato de ficarmos mais velhos uma transformação em nossas vidas, no ambiente em que vivemos. No mundo como um todo.

Ninguém sai de um ano da mesma forma que entrou. Nem a humanidade permanece a mesma. Situações ocorrem, vidas se transformam. Coisas boas, ruins. 

Já parou pra pensar em um 31 de dezembro quantos de nós estarão vivos no 31 de dezembro seguinte? Quais famosos morrerão? Quem de nosso círculo irá morrer? Quantas vezes vamos chorar? Ficar tristes?

Mas também quantas vezes ficaremos felizes? Quantas pessoas conheceremos? Quem fará a diferença em nossas vidas?

Acho que quase nunca paramos pra pensar nisso. Acredito que se pensássemos daria medo e viver não é pra amadores. Encarar o futuro é encarar um desconhecido e o futuro chega meia-noite dessa quarta-feira.

O ano de 2014.

Mas por enquanto me despeço ainda de 2013 e faço reflexões sobre meu ano.

Foi um ano intenso, sem dúvidas. Mas ao contrário de anos anteriores a maior intensidade, o foco principal dele não esteve no samba. Pra dizer a verdade acho que de 2000 pra cá foi o ano que o samba teve menos importância na minha vida. Curioso isso porque até que meu ano no samba não foi tão ruim.

Começou com o samba do Boi na avenida. Era um bom samba, mas a escola passa por dificuldades e acabou rebaixada mais uma vez e mais uma vez se perdendo em obrigatoriedades. Prosseguiu com um grande desafio. Voltar a fazer samba na Portela. Como sambista uma grande e inesquecível experiência, como compositor uma grande decepção assim como em 2003.

A direção da Portela é composta por gente séria,trabalhadora e que tenho certeza que botarão a escola no rumo. Mas no concurso de samba deixou a desejar. Talvez pela inexperiência e se acertem com o tempo.

Um fato curioso. No carnaval de 2003, ano que compus pra Portela, tive um resultado muito ruim assim como agora e foi minha primeira disputa do ano. Acabou sendo a única derrota de 2003 que emendei uma série de vitórias. Entre elas pela primeira vez ganhei no mesmo ano no Boi e no Dendê.

Esse ano ocorreu a mesma coisa. Portela foi minha primeira disputa, grande fracasso e não perdi mais no ano. Ganhei quatro concursos entre eles Boi e Dendê.

Garantimos mais um samba na Unidos de Aquarius de Cabo Frio. Eu e Cadinho nos envolvemos em um projeto muito bacana chamado “Escola de bamba” que consistia em ensinar uma turma de crianças de um colégio a fazer samba-enredo e eles concorrerem na escola de samba mirim “Corações Unidos do CIEP”.

Fizemos o samba com eles que concorreram com crianças mais velhas, mais experientes e juntos vencemos. A alegria deles foi contagiante, a emoção deles me emocionou. Terça de carnaval desfilarão com o samba que compuseram na Marquês de Sapucaí e estarei junto.

Boi e Dendê fizeram suas finais em dias seguidos e vencemos as duas. Decisão polêmica no Boi onde uma super parceria no papel sofreu mais que deveria pra vencer por erros próprios e vitória avassaladora no Dendê onde fizemos um samba perfeito e que entrará pra história da agremiação.

Boi e Dendê desfilarão no mesmo grupo em 2014. Coração dividido? Nunca. Multiplicado. As duas agremiações fazem parte da minha vida, história e coração. Ganhar nas duas dois dias seguidos foi um grande momento de 2013.

Pois é. Muita coisa ocorreu no samba e eu dizendo que foi o ano menos importante meu nele. Acredite, foi sim e abaixo mostro porque.  

O ano já começou com ansiedade. Michele, mãe da Bia, se descobriu com possibilidade de gravidez. Dessa vez foi planejada desde o começo, conversada, mas quando surge a possibilidade sempre vem junto a ansiedade.

A gravidez se confirmou logo no começo do ano e ao contrário da gravidez de Bia a de Gabriel foi atribulada com Michele parando várias vezes em hospital. Com oito meses de gravidez, começo de agosto foi dada a impressão que não chegaria aos nove e não chegou. Na madrugada de sete para oito de agosto ela parou no hospital com contrações.

Aí aumentou minha ansiedade. Eu faço aniversário em nove de agosto, minha avó também e em 2013 ela fazia 80 anos. Seria o terceiro membro da família a nascer no mesmo dia? A ansiedade tomou conta de mim por dois dias até que na noite de 9 de agosto de 2013 veio a notícia. Gabriel nasceu.     

Uma grande emoção tomou conta de mim e no dia seguinte fui visitá-lo. Gabrielzinho, menino cabeludo, pequenininho, com aparência frágil, mas muito forte, guerreiro. Sua força de luta, vontade de viver e nossa fé foram postas a prova pouco mais de quarenta dias depois quando ele baixou hospital doente.

Foram mais de duas semanas de medo, angústias, chegando perto do desespero. Nossas vidas pararam. Vários prognósticos sombrios apareceram. Leucemia, meningite e todo furado, machucado, sofrendo Gabriel lutava pela vida amparado pela fé de muitos amigos antigos e novos que se juntaram numa corrente por sua saúde. 

Nenhuma das doenças foi diagnosticada e 16 dias depois Gabriel voltou pra casa vitorioso. Hoje está com quase cinco meses. Gordo, ficou careca e o cabelo voltou a crescer, risonho e pacato. Um garoto muito especial que mostrou que a força de vontade pode vir dos corpos mais frágeis e hoje ele cresce feliz e saudável ao lado do outro amor da minha vida, a minha querida Bia cada vez mais linda, amável e esperta.

Tenho dois filhos maravilhosos e agradeço a Deus por isso.    

Tudo isso vocês puderam acompanhar no “Ouro de Tolo”, blog do meu grande amigo Pedro Migão e aqui no “Trocando em miúdos”, blog que lancei em 2011 para postar os livros que escrevo e nesse ano decidi tornar regular.   

Foram quase trezentas postagens em meu blog, mais de 60 mil acessos no ano, bom número para um blog pequeno e o fortalecimento de um laço de amizade com leitores, que viraram amigos, de todas as partes do mundo. 

Colunas como "cinco carnavais", "O clube dos 23, "Sobe o som". Postagens com grande repercussão como a trilogia "Amor em todas as suas formas". Contos, textos, tudo isso fez parte do blog esse ano. 

Reforço a um elo já criado no OT onde escrevo contos de ficção e sobre o cotidiano com total liberdade do Migão e onde me sinto em casa.

Também escrevi alguns meses no blog “Brasil decide” onde minha postagem “A revolta do vinagre” alcançou a marca de postagem mais visitada do ano. 

Escrevi livros, peças que publiquei no site Recanto das letras e uma delas foi responsável por fechar com chave de ouro meu 2013.

Um estudante de teatro paulistano chamado Humberto Carmo gostou do texto e pediu autorização para sua turma encenar “Eu matei Nelson Rodrigues”. Quando dei por mim já estava descendo em São Paulo para assistir a peça. 

Já tive inúmeras vezes a felicidade de ver sambas meus na avenida, mas ver a peça foi sublime, especial. A realização de um sonho que carrego comigo desde os nove anos de idade. A peça foi muito bem apresentada por atores talentosos e guerreiros que trataram com muito carinho a mim e ao texto.

E assim vai se encerrando 2013. Com derrotas e vitórias como todos os anos, mas o saldo positivo. O ano que poderia ser trágico, que trouxe algumas surpresas mostrou que a vida muda de minuto a minuto.

E se a vida muda a cada minuto por quê não um ano?   

Feliz ano novo.

A cada minuto.

Com essa coluna os trabalhos do “Trocando em miúdos se encerram em 2013. Agradecendo a cada um de vocês que visitou o blog, interagiu, riu, se emocionou e compartilhou sua amizade comigo. Mais de 63 mil acessos, 259 textos e a certeza que esse nosso bate papo foi uma das melhores coisas que me aconteceu esse ano.

O “Trocando em miúdos” entra em recesso voltando em fevereiro com colunas e textos inéditos. Janeiro está reservado para uma retrospectiva com todos os textos publicados aqui no ano de 2014.


Feliz 2014 e até fevereiro!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário