quarta-feira, 5 de junho de 2013

VILA ISABEL EM CINCO CARNAVAIS


Prosseguindo com a série “cinco carnavais” chegamos a uma tradicional, querida, respeitada e que sim, demorou pra ser impor como campeã. Mas quando foi campeã também..
É a Vila de Martinho..A Vila de Noel (mesmo que esse tenha morrido antes do começo da escola). A Unidos de Vila Isabel de cores azul e branca que teve sua fundação em 4 de abril de 1946 por Antonio Fernandes da Silveira (conhecido por seu China).
Seu China, oriundo do morro do Salgueiro, se mudou para o morro dos Macacos em Vila Isabel e encontrou no bairro um bloco formado por Ailton Pinguim chamado “Acadêmicos da Vila” com cores vermelho e branco.
Vendo o bloco desfilar seu China teve a ideia de montar a escola de samba. Conversou após o carnaval com integrantes do bloco que aceitaram de pronto e também concordaram em mudar as cores para azul e branco em homenagem a antiga escola de seu China. A Azul e Branco do Salgueiro.
Também houve apoio dos integrantes do bloco de Dona Maria Tataia. 
Começou a desfilar em 1947 com apenas cem componentes. Em 1948 Paulo Brazão representando a escola se tornou o 1° cidadão samba. Em 1961 o lendário compositor David Corrêa assumiu a ala de compositores da Vila e instituiu a carteira de compositor com retrato. Em 1966 foi o responsável por trazer Martinho para a Vila quando esse já estava com um pé dentro do Império Serrano.
Vila Isabel dona de um dos mais fantásticos acervos de samba do carnaval brasileiro. Campeã em 1988, 2006 e 2013.
Vila Isabel de seu China, Tuninho Carpinteiro, Paulo Brazão e Osmar Mariano. De David Corrêa, Aluisio Machado, Rodolpho e Luiz Carlos da Vila. De Evandro Bocão, Rute, Mestre Mug, Leonel, Tunico da Vila e André Diniz. De Russa, Moisés, Martinália, Gera e Tinga.  De Max Lopes, Oswaldo Jardim e Rosa Magalhães.
Vila de Martinho da Vila. Vila de Kizomba.
Vila Isabel de “Quatro séculos de moldes e costumes” 1968, “Yayá do cais dourado” 1969, “Onde o Brasil aprendeu a liberdade” 1972, “Pra tudo se acabar na quarta-feira” 1984, “Gbala, viagem ao templo da criação” 1993, “Muito prazer! Isabel de Bragança, ou Drummond Rosa da Silva, mas pode me chamar de Vila” 1994, “Soy loco por ti América: A Vila canta a latinidade” 2006, “Noel: A presença do poeta na Vila” 2010, “Você sembo lá..Que eu sambo cá! O canto livre de Angola” 2012.
Vila Isabel de tantos sambas consagrados que alguns desses citados acima não estão entre os cinco com tristeza minha. Mas como desde a primeira crônica digo são os cinco que me moldaram como sambista e compositor.
Então, vamos a eles.    

SONHO DE UM SONHO 1980



Samba de Martinho da Vila, Rodolpho e Graúna.
Contei na coluna sobre a Mocidade que a escola perdeu o carnaval de 1992 porque colocou cerca de dez vezes a palavra sonho e suas derivações. O que dizer então de um samba que começa com “Sonhei / Que estava sonhando um sonho sonhado/ O sonho de um sonho magnetizado.”?
Jurado de hoje em dia provavelmente tiraria pontos e por isso ele é jurado e não artista porque só artista é capaz de criar algo diferente. Algo fora do senso comum. Uma boa parte das pessoas poderia dizer que “se fosse de um compositor comum achariam ridículo”. Mas que pessoa comum pensaria nisso? Provavelmente acharia redundante, mas da redundância também pode vir a genialidade como no caso desse samba.
Definitivamente não é um enredo fácil. Olhando a letra sem ver sinopse se imagina que é alguém falando de sonhos que tem, coisas que gostaria de realizar ou ver. Mas a letra é profunda, rebuscada e passa a impressão, como muitas músicas dos anos 70 e 80, que quer passar mais do que está escrito.
O verso “a prisão sem tortura” é ousado. Tudo bem que era 1980 e o regime já não era mais tão feroz e vivíamos a abertura. Mas não custa lembrar que em 1981 teve um atentado no Riocentro no dia do trabalhador feito por militares mostrando que nem tudo ainda eram flores. Esse verso foi o mais forte em samba-enredo do período militar se referindo ao regime e mostrando uma realidade que poucos conheciam. A que havia tortura nas prisões do Brasil.
Genialidade de Martinho e seus parceiros que conseguiram fazer um samba de tema difícil usando palavras rebuscadas como “grimpas” que provavelmente nunca usei na vida com uma grande naturalidade. Conseguindo passar a mensagem que queriam e eternizando o samba de original e criativa redundância.
Não foi o primeiro grande samba da Via Isabel, mas foi o primeiro “O samba” da Vila.

RAÍZES 1987


Samba de Martinho da Vila, Ovídio Bessa e Azo.
Um fato curioso é que quando disse no twitter que estava escrevendo o “Vila Isabel em cinco carnavais” alguns citaram seus cinco e não citaram esse.
Acho curioso sim porque foi um grande desfile de um samba fantástico. Revolucionário.
E por quê digo isso? Olhem a letra no site “Galeria do samba”. Olharam? Não repararam em nada diferente?
Sim...A letra simplesmente não tem rimas!! Para alguns isso pode parecer bobagem, mas é muito difícil para um letrista fazer uma letra sem rimas. Naturalmente o verso seguinte pede a rima e a parceria conseguiu construir uma letra inteira dessa forma. Além disso, para quem coloca melodia é um martírio. A melodia pede uma letra “que feche”. Dão essa denominação ao fechamento da rima.
O enredo é sobre uma lenda (compositores amam temas afros e lendas) da criação do Sol, Lua e estações do ano. Tipo de temas que infelizmente não vemos mais no grupo especial. Todo ser humano tem inveja de alguma coisa e confesso que morro de inveja desse samba.
Meu sonho como compositor é fazer um samba sem rimas e já tentei algumas vezes não dando certo porque os parceiros de melodia não conseguiram encaixar as mesmas, mas vou continuar tentando e uma hora consigo.  O samba da Vila é tão bonito que ninguém percebe não ter rimas. Uma história é cantada com princípio, meio e fim. Uma história musicada, uma história sem rimas.
A Vila fez um grande desfile, a altura do samba e chegou na apuração como a maior favorita. Era tão “pule de dez” a conquista de seu primeiro campeonato que a torcida da Mangueira levou uma faixa de apoio a Vila.
Mas de uma forma surpreendente quem levou foi a própria Mangueira ganhando do também fabuloso “Tupinicópolis” da Mocidade e a Vila ficou apenas em quinto.
Mas com ou sem rimas as raízes do primeiro campeonato da Vila estavam fincadas e os frutos não demorariam a chegar.

KIZOMBA, FESTA DA RAÇA 1988


Samba de Rodolpho, Jonas e Luiz Carlos da Vila.
Vila já tinha um sonho sonhado e fincado raízes para o campeonato. Podia ter sido em 1987, devia ter sido em 1987, mas não foi.
Mas não estava distante o dia da conquista. Tinha que ser em um momento mágico, inesquecível, uma festa da raça. Não apenas a sede, mas a vitória era sua sede. Tinha que ser em um evento “que congraça gente de todas as raças”.
O ano de 1988 representava o centenário da abolição da escravatura no Brasil. Com isso a maioria das escolas de samba decidiu homenagear a data trazendo o negro em seus enredos. Em 1988 ainda existia o Apartheid, um regime de segregação racial adotado na África do Sul entre 1948 e 1994 em que os direitos da grande maioria da população, a negra, era cerceado pela minoria branca. Sistema que provocou situações como a prisão de Nelson Mandela, um dos líderes da causa negra e que em 1988 estava na cadeia.
O que se viu na Sapucaí em 1988 foi um festival de homenagem aos negros com desfiles e sambas inesquecíveis. Carnavais eternizados como o da Mangueira que pra mim e já disse isso aqui, desfilou com um dos melhores sambas da história.
Só que a Vila não desfilou com um samba-enredo, desfilou com um canto de guerra. Uma música que por sua beleza podia sim ser cantada com alegria, podia ser sambada. Mas que também permitia cantar com raiva, com coragem, luta, “sangue nos olhos”. Que podia ser sambada, mas também marchada com mão batendo no peito e dizendo “Anastácia não se deixou escravizar”.
Kizomba é épica. É um dos maiores momentos da história do nosso carnaval, de nossa cultura. Uma hora e meia de catarse com uma escola que não estava tão bonita visualmente, mas estava linda de emoção, incorporada, negra. Dava pra ver todos os Orixás lá, dava pra ver Zumbi e Anastácia desfilando com seus quilombolas. Marcados, machucados pelo açoite do homem branco. Mas libertos.
Não tinha como dar outra coisa. Não tinha como ser diferente. A Vila Isabel chegava a seu primeiro e histórico campeonato. Um desfile tão único que não teve desfile das campeãs naquele ano devido a chuva. Quem viu Kizomba só viu uma vez. Quem sentiu Kizomba sente para sempre.
Acho que se passarmos pela Sapucaí de madrugada, deserta nos períodos sem carnaval e nos concentrarmos é capaz de vermos a Vila desfilando e ouvir num uníssono “Valeu Zumbi, o grito forte dos Palmares”.
O grito forte dos Palmares, da África do Sul que se libertou da segregação, o grito forte de Vila Isabel.
Valeu Vila.

DIREITO É DIREITO 1989


Samba de Jorge King, Serginho Tonelada, Fernando Partideiro, Zé Antônio e J.C.Couto
Em todas as crônicas coloquei algum samba ou desfile que não estão no pensamento da maioria. Acredito que nessa seja esse samba que vão perguntar “Com tantos grandes sambas, por quê esse?”.
Porque é lindo, simples.
Como já disse inúmeras vezes 1989 é o ano que não acabou. Grandes sambas, grandes desfiles que seriam campeões em qualquer ano, menos em 1989 e esse da Vila é um bom exemplo.
Como podem ver, assim como a Mocidade, botei a Vila em três anos seguidos pra mostrar a grande fase que ela passou. A escola continuou em 1989 na luta social, mas em vez de negros decidiu falar sobre a declaração universal dos direitos humanos. 
A declaração foi promulgada em 10 de dezembro de 1948 num mundo que ainda cicatrizava do horror da segunda guerra mundial. Essa declaração veio com itens primordial para a condução da vida humana como direito a vida, a liberdade, a não ser submetido a tortura e sermos iguais perante a lei.
A Vila então comemorou na avenida os quarenta anos dessa lei com mais um grande desfile e pra variar um ótimo samba. O samba principalmente é que mexe comigo e me faz colocar aqui.
O samba começa bonito. Dando recado, contando que a liberdade ainda não raiara, depois os fortes versos “viver com dignidade / Não representa valor” e continua chegando ao auge em seu refrão do meio.
“Clareou / Despertou o amor / Que é fonte da vida / Vamos dar as mãos e lutar / Sempre de cabeça erguida”. Isso é bonito demais não só na letra contundente, mas melodicamente lembrando a melodia de guerra de Kizomba. A batida da bateria também na gravação do disco lembrando o rufar de uma marcha de guerra também entrou na minha mente pra sempre. O início melódico da segunda do samba também é linda e foi muito copiada ao longo dos anos.
Fez um belo desfile, de bicampeonato. O problema é que Imperatriz, Beija-Flor e União da Ilha fizeram os desfiles de suas vidas ocupando as três primeiras posições então a Vila ficou bem em quarto voltando ao desfile das campeãs.
A liberdade ainda não raiou infelizmente. Mas não podemos nunca perder o direito de pedir por ela como fez a Vila.
Afinal. Direito é direito.

A VILA CANTA O BRASIL CELEIRO DO MUNDO – ÁGUA NO FEIJÃO QUE CHEGOU MAIS UM...2013


Samba de Martinho da Vila, Arlindo Cruz, André Diniz, Leonel e Tunico da Vila.
A Vila já fizera um bom desfile e um grande samba em 2012. Poderia ter sido campeã, mas foi a Tijuca e não podemos dizer que foi injustiça. Poderia ter ganho todos os prêmios de samba, mas no caminho tinha o “Barcelona  dos sambas”. Apelido que dei ao fantástico samba da Portela do ano.    
Hoje, passado tudo, posso dizer que a Vila 2013 é o “Bayern de Munique” do samba. Assim como a escola de samba o Bayern ficou no quase em 2012 em tudo. Assim como a escola de samba o clube alemão ganhou tudo em 2013, inclusive do Barcelona.
O enredo não chamou muito atenção e logo associaram ao agronegócio. A Vila realmente começou a chamar atenção nos preparativos da disputa de samba graças a uma parceria montada.
André Diniz, maior vencedor de sambas da agremiação, se juntou a Arlindo Cruz, um dos mais importantes artistas do nosso tempo e ao histórico Martinho da Vila em uma mesma parceria. Fechando o grupo o campeoníssimo Leonel e o talentoso Tunico da Vila formando um “dream team” ou como o meu amigo Pedro Migão apelidou “galácticos”.
Grandes poderes trazem grandes responsabilidades já dizia tio Ben em “O homem aranha” e a deles foi grande. Todo mundo esperava o samba que essa parceria iria produzir e qualquer coisa menor que um samba fantástico seria muito criticado.
E eles conseguiram fazer o samba fantástico. Alguns criticaram e torceram o nariz, mas a grande maioria aprovou e aplaudiu o samba da super parceria que contou com poesia e linda melodia com suaves mudanças melódicas o dia de um trabalhador do campo.
Com um samba muito superior ao enredo vimos em detalhes como é o dia desse trabalhador desde que acorda até a noite. Somos de tal forma conquistados pelo samba que até dá pra sentir o cheiro do café.
Esse samba e o da Portela, assim como em 2012, dividiram a liderança de grandes sambas do ano, mas só até as escolhas. O samba da parceria da Vila era muito favorito e conquistou facilmente o concurso. O da Portela, também favorito, venceu, mas foi modificado pela direção da escola perdendo força.
O da Portela também foi prejudicado pelo desfile, que assim como em 2012, foi muito abaixo da qualidade da obra. Com a Vila foi diferente.
A Vila Isabel foi a última escola a entrar na avenida com um título encaminhado para a Beija-Flor. Mas a Vila fez o que muitos chamam de “Kizomba caipira”. Um desfile lindo, arrebatador, emocionante que conquistou a todos que ainda no meio da apresentação já vaticinaram a conquista da escola.   
O samba rendeu demais, mostrou-se ainda mais lindo e a cada minuto que passava na avenida garantia mais um pedaço de lugar na história do carnaval. Ao fim do desfile o samba estava consagrado sendo uma das músicas mais tocadas no fim do carnaval por ruas, bailes e blocos.
O título veio, mas não foi tão fácil quanto esperavam. A escola teve que suar e vencer o carnaval em um quesito esquecido pelo carnaval moderno. Samba-Enredo.
O samba venceu, a Vila venceu e o povo de Noel cheio de orgulho fez “festa no arraiá” para comemorar seu terceiro campeonato.
E a Vila colheu felicidade ao amanhecer.

Bem aí estão cinco carnavais da grande Vila Isabel que mudou bastante sua equipe para o carnaval de 2014, mas se mantém forte e vai firme para a disputa do bi. Não acredita? Vai nessa, eles adoram ser subestimados e surpreender.

Semana que vem tem tradição e modernidade misturadas em uma fórmula de sucesso. Tem Unidos da Tijuca.
  
FONTE
GALERIA DO SAMBA

www.galeriadosamba.com.br 


ESCOLAS EM CINCO CARNAVAIS:


PORTELA

http://www.aloisiovillar.blogspot.com.br/2013/04/portela-em-cinco-carnavais.html

MANGUEIRA

MOCIDADE


BEIJA-FLOR


IMPERATRIZ


4 comentários:

  1. Antes de escrever a série sobre a Unidos da Tijuca ouça os sambas da escola de 1980 a 1984, bem ocmo o de 1976. Tenho os áudios se quiser

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tranquilo, mas é como eu digo nos textos, são os cinco que tenho afeto, não os cinco melhores

      Excluir
  2. Show de bola a descrição sobre o momento KIZOMBA.
    Como disse no Twitter senti falta das maravilhas de 1993 e 1994, mas nenhum dos citados está gratuitamente ou por enxerimento. Viva o povo de Noel, quantos sambas bons de verdade além das voltas por cima que escola deu.
    Lembrar daquele desfile horrendo de 1998 e naquele instante ser quase impossível imaginar o que faria em 2009 quando merecia ao menos o vice.
    O melhor de tudo é voltar a ser campeã tendo como carnavalesca a "fria" Rosa Magalhães que na segunda metade dos anos 2000 parecia ultrapassada e deveria se aposentar. A mestra conquistar o título numa agremiação quente em que o SAMBA prevaleceu assim como tinha ocorrido em 1982 no Império.
    Obrigado VILA ISABEL por momentos tão magníficos. Obrigado Aloisio por fazermos viajar a tais momentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, 1993 e 1994 mereciam mesmo, mas como eu disse no texto foi complicado escolher só cinco, a Vila Isabel tem um acervo fantástico. Abração

      Excluir