segunda-feira, 10 de junho de 2013

O AMOR EM TODAS AS SUAS FORMAS


Como eu fiz para minha mãe e para minha filha esse texto de hoje é para uma pessoa específica. Escreverei diretamente para ela, mas podem olhar até porque se não pudessem eu não escreveria aqui e talvez o que eu escreva sirva para outras pessoas em suas situações de vida.
Inicialmente serve para uma coisa. Nós temos um defeito que é nunca mostrar em palavras o afeto que temos por alguém. Muitas vezes até mostramos e quando somos indagados sobre isso respondemos “mas já mostro”. Só que não é bem assim. Palavras também são importantes. Quantas vezes uma pessoa querida, rola mais com mãe e pai, não morrem e falamos “poxa, podia ter dito mais vezes que lhe amava” mesmo tendo consciência que a pessoa que partiu sabe disso?
Não falamos para um amigo que o amamos porque pode parecer viadagem, não falamos para uma amiga porque pode parecer que quer comer. Bobagem, amor é muito maior que uma cantada, uma foda, que tudo isso..
Sim, talvez saiam alguns palavrões nesse texto, coisa que meu leitor há dois anos em três blogs não está acostumado. Mas estou escrevendo sem corretor ortográfico ou moral. Com a emoção a flor da pele depois de ver bastante os vídeos da crônica pra tentar alcançar o nível de merecimento da pessoa alvo do texto. Provavelmente não vou atingir. Mas vou tentar com todos erros ortográficos, lingüísticos ou de conduta que o amor permite.
Sim. Já devem ter notado que vou falar de amor, do amor imenso que sinto por uma pessoa. Talvez só ame a minha filha mais que ela. Amor que se transformou com o tempo até porque como diz em uma música que ela fez ser nossa “amor não se implora, nem se joga fora”.
Por coincidência ela tem o mesmo nome da minha filha. Se é que existem coincidências.
Bem..Uma respiração mais profunda e vamos lá, vamos a ela.

BIA 

Bem pessoa. Já tinha te falado que o texto de segunda seria pra você. Na hora você deu um sorriso sem graça e pediu pra avisar por e-mail quando tivesse publicado. No fundo deve ter pensado “já me citou tantas vezes no blog dele, que saco”.
Pois é, citei, mas talvez não da forma que eu queria e nem sei se conseguirei agora. Poderia mandar essas palavras por e-mail pra você, sem publicar aqui também. Mas eu não tenho porque esconder essa história. Desde o começo você sabe que sou assim, maluco e gosta de te fazer passar vergonha com meus vexames.
Por alguns meses, infelizmente, eu te expus achando que eu era foda. Chegou a hora de eu me expor e mostrar quem é foda na verdade.
Meu amor
Eu nunca encontrarei palavras, meu amor
Para dizer como me sinto, meu amor
Meras palavras não poderiam explicar

Precioso amor
Você prendeu minha vida em suas mãos
Criando tudo o que sou
Me ensinou a viver outra vez

Só você
Se preocupou quando eu precisei de um amigo
Acreditou em mim, e com firmeza
Esta música é para você
Cheia de gratidão e amor

Deus te abençoe
Você me faz sentir renovado
Por Deus ter me abençoado com você
Você me faz sentir renovado
Eu canto essa música porque
Você me faz sentir renovado

Meu amor
Quando eu estive inseguro
Você me levantou e me fez ter certeza
Você devolveu meu orgulho

Amiga preciosa
Com você eu sempre terei uma amiga
Você é alguém que eu posso depender
Para andar em um caminho que nunca termina

Sem você
Minha vida não tem sentido ou rima
Como notas para uma música fora do ritmo
Como eu posso retribuir
Por Você acreditar em mim


Bem..Você conhece bem essa letra né? É a tradução de “you make me feel brand new” a música que escolhemos como nossa. Tinha que ser essa música, essa letra porque ela conta exatamente o que você foi na minha vida. Eu vinha de um relacionamento conturbado, com fim muito ruim, estava mal por isso e uma noite depois de visitar pela enésima vez o orkut de minha ex e ver a felicidade dela com o novo namorado eu te vi numa comunidade de orkut, te adicionei no MSN e você rapidamente aceitou.
Não era pra dar em nada. Era apenas mais uma das menininhas que tinha achado gostosinha lá e queria flertar um pouco. Papo começou engraçadinho com você dando seu nome e o apelido que todos lhe conheciam e eu falando que me chamava Aloisio, me chamavam de Aloisio e se alguém na rua falasse Aloisio eu sabia que era comigo.
Papo foi legal, você deu uma sumida, achei que não tivesse gostado tanto e depois de um tempo voltou dizendo que tinha ido beber água. Dei um sorriso, coisa rara naqueles tempos, e o papo continuou.
E deu nesse texto de agora.
Realmente você foi um erro de cálculo meu. Não foi mais uma gostosinha da comu, um flerte pra passar tempo. Foi quem prendeu minha vida em suas mãos, me ensinou a viver outra vez, me fez sentir renovado. Quando estive inseguro você me levantou e fez ter certeza, você devolveu meu orgulho.
God bless you..
Aquele período de flerte e começo de envolvimento posso te dizer que foi um dos melhores da minha vida. Você sabe disso, já conversamos sobre. A minha primeira ida a São Paulo, a sua primeira aqui quando te levei pra conhecer alguns lugares que se tornaram inesquecíveis e paguei meu primeiro grande mico pra você cantando em videokê na Feira de São Cristóvão e você não sabia onde enfiar a cara.
I sing this song cause you..Make me feel brand new..
Passei uma semana ensaiando essa música. Colocava no youtube e em um inglês péssimo de nível baixo de CCAA tentava cantar em cima. Na noite que cantei pra você fui mal demais, mas ainda bem que ninguém notou já que sua cara vermelha chamou mais atenção.
Foi legal. Foi bacana. Aos poucos o flerte deu lugar a namoro sério e eu consegui não só esquecer minha ex como me entender com ela. Ela se tornou minha amiga e você minha melhor amiga. A pessoa a quem eu corria para contar uma vitória e comemorar junto, uma tristeza sabendo que teria amparo ou coisas do dia a dia.
Falar com você de tarde e de noite tornou-se essencial. Coisa primordial como dormir, comer, respirar. Incrível como sempre tínhamos assunto e a rotina nunca chegava. A gente conversava, ria, zoava um ao outro. Eu dizia que adorava quando você vinha porque o Flamengo sempre vencia.
Mas não era só por causa disso..
..Eu gostava porque você era uma ilha na minha vida. Você era uma ilha repleta de amor, carinho, atração, sentimento e cumplicidade cercada muitas vezes por um mar revolto de problemas que sempre tentou me engolir. Mas eu era inatingível, nem tsunami conseguia me pegar porque a ilha era intransponível.
Quando eu estava com você..Quando eu tinha você ao meu lado parecia que eu mudava de dimensão, de planeta, não sei explicar. Tudo ficava pra trás, longe. Uma redoma se fechava e nós ficávamos dentro dela. Fosse num shopping com cinema e pipoca, no alto do Arpoador ou no baixo do mar de Ipanema, na escada da Lapa, em um bar da feira, na pracinha da Freguesia em banquinhos vendo estrelas acompanhados de um refrigerante de dois litros ou mesmo na minha cama, aliás, nossa cama porque ajudou a comprar. Na nossa cama sem fazermos nada. Só deitados olhando pro teto, fazendo cafuné e conversando sobre todos os assuntos com o dia amanhecendo e nos abençoando.
“Larga tudo e vem correndo
Vem matar minha vontade
Já faz tempo que eu tô sofrendo

Mereço um pouco de felicidade”
Música..Notas musicais..Acho que a gente era assim. Uma música vibrante, feliz que me fazia largar tudo e ir correndo ao aeroporto te buscar a cada duas semanas. O motorista da van querendo puxar assunto perguntando aonde ia e eu respondendo orgulhoso “buscar minha namorada”. Invariavelmente eu chegava depois de você. Entrava correndo no aeroporto procurando e abria um sorriso quando te via sentada em uma cadeira lendo um livro ou escutando música. Pensava que a felicidade chegara para passar o fim de semana comigo e ia te encontrar. Dávamos um beijo, um abraço apertado e saíamos. Eu carregando sua mochila e você me contando da viagem e do seu trabalho. Saíamos pelas ruas do Centro começando mais um fim de semana inesquecível.
É..Foi bom demais. As saídas em grupo aqui ou aí. As saídas sozinhos, as “lesmas” que você idiotamente me ensinou a dar que não passam de uma lambida no rosto. Os sprites, as pizzas, as viagens, as fotos, as pessoas que conheci através de você como seu pai, mãe, irmão, avô inesquecível, a família toda. A vida que você me apresentou.
Um ano e meio de muita felicidade que um dos lados estragou.
Eu.
Vaidade. Querer ser alguém que nunca fui e nunca tive oportunidade de ser. Um personagem de mim mesmo. Nunca fui tão babaca, nunca fui tão escroto, nunca fui tão cruel e burro. Virei aquele menino que está com um fone no ouvido e alguém pergunta “você troca sua bicicleta por um penico usado?” E o idiota responde “Siiiim !!!”.
E eu respondi sim. Abusei, sem perceber fui uma pessoa que odiaria. Algumas pessoas na época pegaram antipatia por mim, tendo até hoje e com toda razão. Como eu disse numa coluna recente “pequenos poderes para pequenas pessoas”. Eu era uma pequena pessoa, tive um pequeno poder e perdi tudo.
Tive, com todo mérito, minha redoma quebrada, minha ilha invadida pelo mar que pouco a pouco vai tomando o pedaço de terra que me pertencia.
Talvez você tenha razão quando diz que gostava mais de mim que eu de você. Talvez eu caia no clichê do “só dá valor quando se perde”. Talvez eu seja uma pessoa do talvez, nunca seja uma certeza.
Talvez eu seja o escorpião que pediu ajuda pro jacaré pra atravessar um rio, lhe picou e os dois morreram afogados.    
Talvez eu tenha perdido a maior chance da minha vida.
Isso não é talvez, é certeza. Tive quando você não foi embora e no dia seguinte mesmo com toda mágoa do mundo foi a primeira a me abraçar quando perdi a final da União da Ilha. Certeza quando a cada um desses 990 dias que to sem você penso em como éramos e principalmente como eu era melhor perto de você. Nesses 990 dias que você passou por cima da sua dor e me deu bom dia conversando comigo como se eu tivesse culpa de nada.

Nunca me abandonou, nunca usou o seu direito de me espinafrar, me arrasar e me tirar da sua vida. Tem o salvo conduto pra isso, tem a carta de liberação na manga e nunca usou. No máximo deu intervalos pequenos pra se livrar do meu sufoco.
Porque eu sufoquei muito. Eu fui o time pequeno que segurava um empate e tomou gol aos 40 do segundo tempo. Eu fui a formiga que teve sua casa destruída. Saí do meu estado de conforto e bati cabeça, fiz de tudo, tentei reconquistar o que tinha perdido e algumas vezes só piorei. 
Você até tentou, sou testemunha. Nessas horas vi o quanto você gostava de mim. Mesmo com tudo que fiz você tentou. A cada tentativa sua eu me magoava por dar errado. Era tão egocêntrico que minha mágoa não permitia ver a mulher maravilhosa que era por ainda tentar e o quanto devia te machucar não conseguir. Você pra tentar devia querer muito, tanto quanto eu e devia doer. Mas eu só pensava na minha dor.   
Como só pensei nela na última tentativa. Quando resolvi me limpar de vez, me despir na sua frente e não percebi seus olhos a cada palavra que eu dizia.
Ali acho que te perdi de vez. Mas ali acho que virei homem.
É. Além de tudo te devo essa. Você me fez virar homem na plenitude da palavra. Um cara mais preocupado com seu futuro que começou a fazer planos, me interessar pelo que realmente deve interessar e a respeitar quem eu gosto e gosta de mim. Me tornei uma pessoa mais séria, introspectiva, calada, talvez mais triste, mas mais centrada. Até um bom pai me tornei por sua causa porque foi a única que me apoiou na idéia de registrar sua xará.
E lembrar que você foi uma das primeiras a pegá-la no colo em seu primeiro dia de vida e nesse sábado pegou novamente, quatro anos depois.
É..Quatro anos..Faz mais de quatro anos daquele papo no MSN, ficamos mais de um ano sem nos ver e te revi nesse fim de semana. Dormi mal na noite anterior, acordei seis da manhã pra te buscar, entrei tenso no aeroporto..
..E aproveitei que cheguei antes de você pra ir ao banheiro e respirar fundo pra me acalmar antes de te ver. Assim como fiz quando você foi embora sábado e ontem. Tive que ir aos banheiros e ficar um pouco sozinho, respirar, refletir antes de encarar a rua.
Foi diferente dessa vez. Nos divertimos como a muito não fazíamos juntos. Rimos, bebemos, comemos, fomos ao cinema e batemos papo na cama. Não éramos mais um casal, não fazíamos mais planos de casamento. Mas eram duas pessoas que se amavam, respeitavam e amadureceram.
Você teve o amadurecimento natural de uma pessoa que era uma menina e virou uma grande mulher. Eu o amadurecimento brusco de quem foi moleque tempo demais.
Como tentei te dizer gaguejando na hora de ir embora eu amo você Bia. Demais. Não sei hoje de qual forma. Pela primeira vez nesse tempo todo nos vimos e não ficamos, não nos beijamos. Mas pela primeira vez desde que terminamos não fiquei bolando planos de te reconquistar ou encontrar uma maneira de te beijar.
Você voltou a ser minha ilha, minha fortaleza, a pessoa que me levava a outra dimensão e me tirara de uma vida problemática simplesmente porque estava perto de mim. Percebi que mais que ser minha namorada, amante, é minha companheira. A sua simples presença me dá ânimo, força, me faz bem. É uma das pessoas que me acalma, que tira minhas angústias, que me faz sorrir sem estar com os olhos tristes.
É impossível não amar você Bia.
Seja num beijo no Arpoador, uma música em videokê, uma escola de samba, show de banda internacional ou dividindo um café e um chocolate no bar do aeroporto quando eu to com você eu transpiro amor porque é isso que você puxa de mim. O amor que é maior que de homem para mulher, maior que amor romântico, carnal, sexual, etc e tal.
É amor pela pessoa. Amor de uma vida. Amor da minha vida.
É..Você é o amor da minha vida.
E só posso agradecer por isso.
Da flor dada em um restaurante na sua primeira vinda até o buquê  que te dei sábado uma história foi criada. Uma linda história com tormentas, atos de banditismo do mocinho, mas uma linda história que talvez (olha o talvez de novo) tenha chegado ao fim. 
Acho que nunca mais vamos nos ver. Nunca tive essa sensação nas outras vezes, nem no término, mas tive nessa. Porque foi uma passagem tranquila, feliz e de paz.
A paz que antecede a despedida.
Se nossa história fosse um filme eu diria que depois que eu acabasse esse texto apareceria o “The end”. Quem curte final feliz ficaria frustrado com o fim, mas quem curte uma boa história acharia coerente. É..É coerente sim. Filmes acabam e outros começam. Talvez seja a hora de eu começar um novo filme e te permita começar outro.
Mas tenha certeza Bia. Você sempre será meu filme preferido.
A minha poesia trágica, mas poetas felizes não têm credibilidade.
Obrigado Purple Witch pelo papo no MSN.
Pelo companheirismo.

Pelas risadas mais alegres.

Pelos choros mais doídos com gosto de amadurecimento. 

Pelos beijos mais doces.

Pelo amor mais sentido.  

Pela emoção que estou sentindo agora terminando esse texto.

Pela minha vida.

Foi só você voltar ao Rio e o Flamengo ganhou de novo.

Te amo..
THE END 


Dia I



2 comentários:

  1. Sensacional! Uma das coisas mais lindas que já li! Chega dar um apertozinho no coração, sim, sou fã de finais felizes..rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Thais :) Também sou fã, mas nem sempre é possível. Quem sabe no próximo filme?

      Excluir