terça-feira, 3 de maio de 2016

O MAIOR CAMPEÃO DA HISTÓRIA

Qual o maior time da história do futebol?

Essa é uma grande polêmica hein? Capaz de criar um debate por horas. Temos grandes seleções campeãs do mundo como o Brasil de 1958 e 1970, talvez as maiores seleções campeãs. Curioso que essa relação aumenta quando pensamos nas seleções que perderam. Brasil 1950 e 1982, as decantadas Hungria de 1954 e Holanda 1974. É..Difícil essa..

E se formos para os times? Nossa!! Quantos grandes times tivemos!! Aqui no Brasil o Santos de Pelé é considerado o maior. Mas não podemos não citar grandes esquadrões como o Botafogo de Garrincha, o Cruzeiro de Tostão, o Inter de Falcão, a academia palmeirense de Ademir da Guia, o São Paulo de Telê, o Vasco de 1997 a 2000 e aquele que é o mais especial em meu coração. O Flamengo de Zico.

Mas tivemos o grande Ajax de Cruyff, o Milan de Van Basten, o Real Madri de Di Stefano, o Bayern de Beckembauer e esse Barcelona de Messi que desde 2009 vem fazendo história.

Mas eu sou abusado e digo na "lata" qual é para mim o maior time da história.

O Leicester de Claudio Ranieri.

Vão me chamar de maluco. Esse time não tem a técnica dos times citados acima nem terá a quantidade de títulos. Como um time modesto de um clube modesto pode ser considerado o maior de todos?

Porque não existe nada de modesto naquele que se torna gigante.

É difícil pensar num similar do Leicester no Brasil. Pensei em Goiás, Santa Cruz, até Chapecoense, mas não dá. Não dá porque aqui temos torneios estaduais, regionais, durante muito tempo tivemos campeonatos brasileiros de mata-mata então todos esses são grandes em seus estados, são ganhadores de títulos, ou já beliscaram posições boas no brasileiro. Eu acho que um feito parecido só se a Portuguesa aqui da Ilha chegasse na primeira divisão do brasileiro e vencesse mesmo a Lusinha tendo menos tradição que o Leicester. Mas eu to comparando a epopeia.

Sim, tivemos muitos pequenos que já ganharam títulos. Em São Paulo Bragantino foi campeão em mata-mata com o Novorizontino, Ituano foi recentemente e o Audax está na final esse ano. O Coritiba já ganhou título brasileiro em cima do Bangu, o Santo André e o Paulista já venceram Copa do Brasil. Até o Botafogo de vez em quando ganha títulos.

Mas todos esses ganharam títulos em mata-mata. O Leicester ganhou nos pontos corridos. Não foi uma zebra na final, foi uma zebra em 38 rodadas. Jogou até agora 36 finais muitas vezes com adversários muito mais ricos, poderosos no principal campeonato do mundo. A proporção na casa de apostas em caso de título do clube era de 5000 por 1.

E eles venceram...

Como Dons Quixotes enfrentaram os moinhos de vento, como Davi enfrentaram os Golias. O pequeno se agigantou e disse "não tenho medo de você". O grupo de renegados, de jogadores inexpressivos se juntou e formou um time. Um time de futebol, um time de cinema. Daqueles que toda hora vemos histórias em filmes de ficção e rimos falando "Isso nunca aconteceria na vida real".

Mas aconteceu. O conto de fadas virou realidade. De vez em quando o mundo dos sonhos, aquele que todos nós queríamos viver, nos visita e mostra que ele existe. É o que está acontecendo.

O bravo, o valente Leicester 2015/2016 queria fazer 40 pontos para não cair. Fez mais, fez muito mais. Fez muito mais pontos, fez muito mais tudo, fez história. Um sonhou pelo outro, um correu pelo outro e quando menos percebemos o pequenino Leicester já tinha a maior torcida do mundo. Quem não é Tottenham virou Leicester e nem podemos dizer que somos um bando de modinhas. Não somos, somos humanos, amamos futebol e vimos no Leicester o nosso sonho.

Sim, os nossos sonhos de todos os dias. Aqueles que guardamos no peito durante anos e não compartilhamos com ninguém por achar impossível. Aquele time de Claudio Ranieri, o técnico decadente, mostrou que sim, dá pra fazer, que o impossível só existe até alguém realizar. É a nossa mola propulsora, o nosso estimulante para lutarmos, para acordarmos todos os dias para enfrentar nossos medos, nossos gigantes com a certeza que se não vamos vencer pelo menos vamos lutar por isso. Como por um prato de comida. Como por uma bola.

Eu nunca tinha ouvido falar no Leicester até essa temporada e com esse filme da vida real que proporcionaram e a péssima fase do Flamengo, que se fosse filme pareceria a "Cinderela baiana" de Carla Perez, me peguei curioso por essa história. Quando dei por mim estava vendo todos os seus jogos torcendo, vibrando e me emocionando como estou agora vendo a reprise do jogo contra o Manchester United.

O bravo pequenino inglês fez reviver o moleque que um dia se apaixonou por futebol.

Até pouco tempo nunca tinha ouvido falar no Leicester. A partir de agora nunca mais vou lhe esquecer.



Obrigado maior campeão da história.


Obrigado pequenino gigante.


Nenhum comentário:

Postar um comentário