terça-feira, 8 de julho de 2014

SETE MINUTOS PARA A HISTÓRIA



Sete minutos..

O que são sete minutos? Pra quem está há sete minutos de casa louco para ir ao banheiro é tempo pra cacete. Pra quem vai se despedir de um amor no aeroporto sete minutos voam como o avião que deixa a saudade. 

Sete minutos é o tempo que o cara pontual que diz “em cinco minutos to aí” chega. Sete minutos é o tempo que levo aqui de casa até o mercadinho mais próximo. Em dias de chuva como hoje o suficiente pra me molhar bem.

Uma pessoa que fica com coração parado sete minutos provavelmente morre. Quem tem problema cerebral e fica sete minutos sem oxigenação terá graves danos. Tem gente que faz amor em sete minutos e se satisfaz, pra outras isso dá nem pra preliminar.

Sete minutos pra escola estourar o tempo na avenida tendo alas ainda no setor 01 desesperam. Sete minutos pra meia noite no reveillon já faz as pessoas se abraçarem e alguns champanhes estourarem.

O que são sete minutos?

Sete minutos são o suficiente para mudar o planeta. Mudar o curso de sua história.

E para manchar a história de alguns.

Sete minutos. Do minuto 22 ao minuto 29 de uma partida de futebol realizada no Brasil, em Minas Gerais, no dia 8 de julho de 2014 mudaram para sempre a história do futebol da Alemanha e do Brasil.

Sete minutos que mudaram a história de várias pessoas que estiveram naquele campo e nunca mais irão esquecer.

Onde você estava quando Ayrton Senna morreu? Onde você estava quando caíram as Torres Gêmeas?

Onde você estava e o que pensou entre os minutos 22 e 29 de Brasil x Alemanha semifinal da copa de 2014?

 A partir de hoje viramos os velhinhos do Maracanã de 1950 que até a morte contavam para os mais novos como foi aquela derrota. Os velhinhos do Mineirão antes da copa de 2050 no Brasil contarão em que posição do estádio estavam na hora da avalanche de gols germânicos.       

Ghighia agora virou Tomar Muller, Obdulio Varella se chama Klose e não temos um Barbosa específico. Pobre Barbosa. Entrou para a história como o maior vilão de um país povoado de ladrões e safados desde 1500 e finalmente agora o velho arqueiro poderá descansar em paz. 

Não existe um “Barbosa”. A culpa é de todo mundo, mas sobre o futebol brasileiro em si falarei em outra coluna.

Nesse assunto, por enquanto, só devemos perdão aos homens de 1950. Homens que foram vice campeões do mundo lutando, com talento e entraram pela porta dos fundos da história apenas porque perderam uma final de copa.

Os de hoje também entraram.

Julio Cesar, Maicon, Dante, David Luiz (coitado, não merecia), Marcelo, Luis Gustavo, Fernandinho, Oscar, Bernard, Hulk, Fred, Ramires, William e Paulinho entraram para a história do futebol brasileiro e jamais serão esquecidos.

Estou sendo cruel? Escrevendo de cabeça quente? Amigo, você nem sonhava em ser um espermatozoide em 1950 e sabe de cor e salteado tudo o que ocorreu lá.

O Brasil, um país todo errado, não perdoa erros.

Sete minutos que destruíram por completo as imagens vitoriosas de Carlos Alberto e Parreira e Luis Felipe Scolari. Poderiam ter deitado em berço esplêndido, campeões mundiais, mas decidiram voltar.

Parreira começou a arruinar sua imagem em 2006. Agora vira protagonista do vexame histórico com Felipão.

Felipão, um de nossos técnicos mais vitorioso, copeiro, malandro, o paizão da família Scolari. O da “deixa a vida me levar, vida leva eu” viu os sete minutos como nós e assim como nós não teve reação. Viu abismado.

Justo ele que tinha que ter feito algo. Mexido no time. Já agiu errado na escalação se deixando levar por clubismo botando o menino Bernard por ter jogado no Atlético e assim abrir o meio campo. Assistiu os sete minutos trágicos sem esboçar reação.

O maior dos vitoriosos é autor do maior dos nossos fracassos. Sete minutos do apagar de uma imagem.

Eu estava desanimado com esse jogo, achei que fosse perder, mas nunca de sete. Sete. Mesmo número de minutos que a Alemanha fez quatro gols.

Onde nós incrédulos víamos os gols acontecerem e só pedíamos pelo amor de Deus para que aquilo parasse.   

O que são sete minutos?

Dá pra fazer dois pacotes de miojo e ainda sobra um minuto.

E da pra  uma seleção vencedora e centenária fazer a maior de suas vergonhas.

7x1..Não da pra falar muita coisa.

Vamos precisar de mais de sete minutos para entender.


Descanse em paz Barbosa 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário