segunda-feira, 1 de julho de 2013

SIM. NÓS LIGAMOS PARA A SELEÇÃO BRASILEIRA


Dois anos atrás escrevi para o blog Ouro de Tolo uma coluna após o fiasco da Copa América intitulada “Quem liga para a seleção brasileira?”. Semanas atrás republiquei essa coluna aqui quando começava a Copa das Confederações. Hoje merece uma continuação com a resposta.

Sim. Nós Ligamos para a seleção brasileira.


Nossa relação com a seleção brasileira é de amor. A seleção cinco vezes campeã mundial, a amarelinha como diz Zagallo sempre foi o maior orgulho desse país. Aquele momento em que o Brasil dá certo, não abaixa a cabeça para ninguém. Onde somos fortes.

Os meus maiores choros como torcedor não foram com o Flamengo e sim com a seleção brasileira. De tristeza em 1986, abraçado com minha mãe, não acreditando que o sonho acabara. De alegria em 1994 quase tendo um enfarte na hora dos pênaltis e chorando copiosamente quando o Baggio chutou pra fora e começou a tocar a música do Senna.

É tetra!! É tetra!! Nunca mais esquecerei dos gritos do Galvão. Eu chorando em desespero e minha mãe chorando e me abraçando nervosa pedindo que eu me acalmasse.

Aqueles momentos estarão nas últimas lembranças de minha vida, antes de fechar os olhos pela última vez junto com o primeiro samba-enredo ganho, o primeiro beijo apaixonado, a primeira vez que fiz amor com a mulher da minha vida ou o nascimento da Bia.

E não sou apenas eu que passo por isso. Como eu disse acima o povo brasileiro, tão sofrido, mal tratado e humilhado pelas copas do mundo do dia a dia sempre se sentiu vingado pelos 11 que entravam em campo nos representando “todos juntos vamos, pra frente Brasil, salve a seleção”. O Brasil de Ademir, Zizinho, Pelé, Garrincha, Didi, Nilton Santos, Gerson, Rivelino, Jairzinho, Zico, Falcão, Sócrates, Romário, Bebeto, Rivaldo, Ronaldo e quem sabe o Brasil de Neymar.

E por isso estávamos com raiva. Por isso nos afastamos, por isso em um dia bisonho, onde não respeitaram essa camisa perguntei “Quem liga para a seleção brasileira?”.

Dirigentes, treinadores e jogadores afastaram a seleção de seu povo. Renegaram esse amor jogando de forma displicente, afastando o time de sua gente transformando o Emirates Stadium em sua casa.

Seleções que pareciam cumprir obrigação. Que perdiam copas do mundo e sorrindo trocavam camisas com adversário. Jogadores sem alma, sem raça, fracos que chutavam pênaltis pra fora e nem se envergonhavam disso. Corrupção na CBF. Dirigentes que roubaram dinheiro, roubaram medalhas, roubaram a dignidade e a emoção que sempre rondaram a seleção brasileira.

Tiraram a seleção daqui fazendo dela um corpo estranho. A seleção virou aquele pai ausente que quando chega em casa o filho não reconhecia. A gloriosa seleção brasileira passou a ser chamada de “A seleção da CBF”. Ricardo Teixeira e José Maria Marin viraram nossos representantes, os símbolos maiores do que a seleção representava. 

Um Brasil estranho surgiu. Enquanto nossa seleção decaía o país melhorava, a economia reagia, pessoas conseguiam empregos e melhorar padrão de vida, suas casas e conseguiam viajar. Precisava ser assim? Não dá pra ser feliz em tudo?

A raiva com o modo que tratavam a seleção começou a virar desprezo que é o pior dos sentimentos. Como relatei na outra coluna quando o Brasil foi eliminado da Copa América eu nem vi o jogo e o pior de tudo que uma copa no Brasil se aproximava. Justo em uma copa no Brasil, com a chance de reverter a tragédia de 1950 passaríamos por tudo isso?

Não. Não passaríamos porque mesmo com os desmandos, a roubalheira, a falta de amor muitas vezes e o péssimo futebol jogado essa camisa amarela pesa demais. Quando quem é escolhido para representar essas cores, essa tradição reconhece seu tamanho e sua importância as coisas mudam.

Quando o povo percebe que mesmo não sendo brilhantes as pessoas que estão ali nos representando têm tanto amor quanto quem torce ele pega a seleção no colo.

Isso aconteceu nessa copa das Confederações. Nós ganhamos várias dessa competição antes, não foi apenas o ato de vencer, foi o ato de amar.

Enxergar na comissão técnica e nos jogadores o amor que temos. Ver que tinha ali garotos que precisavam de apoio, que dividiam cada bola não apenas por eles, mas por Preguinho e Domingos da Guia lá nos aos 30 até o mais humilde torcedor de hoje. Que a seleção que eles representavam sempre foi o maior elo de um país tão diferente, de tantas culturas, jeito de falar, de agir.

A seleção canarinho fez pessoas que lutavam e eram torturadas por nossa liberdade nos anos 70 torcer e vibrar com os gols de Pelé e fez pessoas que agora foram às ruas lutar por 20 centavos e por um Brasil melhor perceber que pode sim lutar por um Brasil melhor em campo e fora dele ao mesmo tempo. 

Hoje o Brasil dorme feliz. Feliz por ter acordado em seu dia a dia e por ver a sua seleção, seu maior orgulho, renascer.

Bem vinda de volta maior seleção de futebol do planeta!!!


Estávamos morrendo de saudades.



TEXTO RELACIONADO:

QUEM LIGA PARA A SELEÇÃO BRASILEIRA?




4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Vc foi perfeito em seu texto. Tb sempre irei me lembrar q minhas maiores alegrias de futebol foram com a Seleção e minhas maiores tristezas tb. Sou Vasco e vi o timaço q ganhou Brasileiros, Libertadores, Cariocas e Rio-SP's, mas nada pode se comparar à 93 (minha primeira vez no Maracanã pra ver a Seleção: Brasil 2x0 Uruguai), 94 (Grazie Baggio), 97 (como esquecer os 3x1 na Bolívia e as palavras de Zagallo?), 98 (tudo bem q tivemos um Zidane no caminho, mas o q foi Cláudio Taffarel naquela Copa?), 99 (e a esperança de ver um novo melhor de todos os tempos: Ronaldinho Gaúcho), 2002 (a ressurreição de um ídolo: Ronaldo), 2004 (o surgimento épico de Adriano diante de uma soberba Argentina), 2005 (aquele time tinha q ter ido pra Copa de 06), 2007 (e começa a nova Era Dunga em cima de mais uma goleada na Argentina), 2009 (o último lampejo de Kaká), 2010 (sim, pq não? 45 minutos ruins não apagam um trabalho bom q vinha sendo feito) e agora essa vitória. Dez anos depois, eu, de novo, num momento mágico no Maracanã. Um 3x0 pra calar a boca de muita gente. Pra lavar a alma de quem ainda gosta de ser brasileiro e dizer: 'Tic-Taka? Aqui é Tico-tico no fubá, parceiro! Quer jogar, quer jogar? O Brasil vai te ensinar'.
    Seleção sempre foi nosso motivo de orgulho, de arrumar um motivo pra vestir a camisa do Careca, do Romário, do Bebeto, do Ronaldo, do Rivaldo, do Ronaldinho Gaúcho, do Kaká, e agora, Fred, Neymar, Paulinho, Hernanes e ir jogar bola na rua sonhando em vestir uma com o seu nome.
    Minha emoção com a Seleção é parte da minha história e de mais uns milhõezinhos espalhados por esse Gigante chamado Brasil. Q o povo continue protestando, se una à Seleção e seremos todos um só. 2014 pode ser bem mais fácil. No mínimo, mais divertido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você foi perfeito. Listou inúmeros exemplos de emoção com a seleção brasileira e o dia de ontem se junta à eles. Sem ufanismo e pachequismo, apenas reconhecendo a importância da seleção brasileira pra esse país

      Excluir