terça-feira, 28 de junho de 2016

PORQUE EU SEI QUE É AMOR


Ontem estava fazendo uma de minhas caminhadas quando começou  a tocar essa bonita música dos Titãs e voltei a refletir sobre o assunto tão costumeiro aqui no blog.

O que buscamos na vida? Poder? Riqueza? Sucesso? Sim, acho que todos buscamos isso, mas mesmo não admitindo o que nos move, o que mais buscamos e sentimos satisfação em sentir é amor.

Não simplesmente o amor de casal, mas amor pela vida que é o mais importante. Amor a profissão, a hobby, a família, amigos, amor pela rotina ou até mesmo sair dela. Tudo com amor tem mais prazer.

Mas o que é amor afinal? Como identificar?

Acho que junto a pergunta sobre a existência de Deus deve ser a mais feita na história da humanidade e menos respondida. Difícil definir amor e o que nos faz sentir. Amor é um sentimento que muitas vezes pode ser confundido também com paixão, carência ou entusiasmo.

Já falei muito aqui sobre aquele amor que faz doer a alma, queimar por dentro, parecer rasgar o peito e que faz sangrar, mas talvez boa parte desses sentimentos não pertençam ao amor e sim a paixão. Paixão é intensa, é como um meteoro, mas tem duração pré estabelecida. Assim como ela chega rasgando tudo também vai embora. Não quer dizer que não fique nada da paixão, mas ela pode se transformar. Até mesmo em amor.

Vejo amor como uma coisa mais serena, mais calma. Não tem a intensidade da paixão, mas pode durar para sempre, o que é uma enorme vantagem. Paixão não faz doer, nos tira a racionalidade. É um tsunami tão grande de sentimentos que quando passa nos perguntamos como pudemos ficar daquela forma, agir de tal modo.

O que faz doer é amor, o amor não correspondido ou aquele que acaba apenas de um lado. Todo começo de amor é bonito, todo fim é doloroso por mais que o amor possa ter acabado porque fica a sensação do fracasso e da falta que a outra pessoa faz. No começo nos sentimos vazios, pela metade. Mas sentir dor de amor pode não ser agradável, mas é importante. Acho que o amadurecimento só vem nas derrotas, fracassos e fracassar no amor, sentir dor por perder ou nunca ter tido o amor da pessoa amada faz parte desse crescimento.

Pode parecer estranho, mas a mágoa, a tristeza são sentimentos tão importantes ao longo da vida quanto saudade, alegria ou esperança. O conjunto de tudo isso faz uma vida.

Como saber que o amor chegou? Gostar de estar com a pessoa? Se sentir ansiosa para estar em contato com ela e ficar feliz quando isso ocorre? Imaginar como pôde viver sem aquela pessoa tanto tempo? Não sei, definitivamente não sei. Evidente que passar essa fase na vida é uma delícia, mas entusiasmo não é amor, amor fica. Muitas vezes fiquei em dúvida por estar apaixonado ou amando alguém quando tive todas essas sensações e só o tempo me trouxe as respostas.

Sempre amei passar essas sensações como muito já sofri por amor. Mas o mais importante pra mim foi como passei por tudo isso e como absorvi em minha vida. Sou escritor e catalizei tudo de bom e ruim que o amor me deu para meu ofício. Dessa forma transformei tudo em imortal em mim. Todas as minhas histórias de amor tem um pouco de mim.

Porque como diz outra música eu "sou feito de amor da cabeça aos pés" e gosto disso apesar de saber que tem gente que se assusta e me acha impulsivo. Sou impulsivo, me joguei muitas vezes de cabeça, em parte dessas me espatifei e farei sempre que achar que vale a pena. Quando achar que não também.  

Porque talvez eu não queira saber o que é o amor, apenas sentir.


É..Amor não se pergunta. Amor se sente.


Acho que sei que é amor.


"Não crie juízo, crie histórias de amor"


2 comentários: