terça-feira, 10 de abril de 2018

NO REINO ENCANTADO: CAPÍTULO X - A VOLTA (1º PARTE)


A menina dormia quando sentiu alguém lamber seu rosto. Acordou e viu que era um cachorrinho poodle. Sentou, deu um sorriso e brincando com ele, passando a mão em sua cabeça disse “oi cachorrinho”.

Depois percebeu que não estava em casa, mas deitada na terra. Olhou para cima e viu o barranco. Sim, ela tinha caído do barranco e era de noite já. Bia ainda tentava se situar quando notou luzes de lanterna e alguém gritando “Olhe!! Ela está ali!!”.

Dois homens se aproximaram, eram policiais. Um deles perguntou se ela estava bem e a menina respondeu que sim, só estava suja de terra. O policial completou “Você deu um susto em toda comunidade menina. Está desaparecida desde a corrida de bicicletas”. Ali Bia percebeu tudo que ocorria e pensou “Eu voltei”.

Os  policiais ajudaram a menina a se levantar e ela achou que conhecia um deles, o mais baixinho. Perguntou se o conhecia de algum lugar e o homem respondeu que não. Até que ela pensou mais e se lembrou gritando “O homenzinho de terno verde!! Você é o homenzinho de terno verde!!”.

O policial baixinho respondeu que era homem de terno verde nenhum enquanto o outro policial pediu que Bia lhe acompanhasse, pois a família estava preocupada. A menina concordou e nisso o cachorro começou a fazer festa e pular em sua perna. Ela sorriu e disse para os policiais “ele vai comigo”.

Entrou no carro e quando o mesmo dava a partida o policial baixinho perguntou “O que é o que é qual o céu que não tem estrelas?”.

Bia rindo e mostrando as janelinhas entre os dentes respondeu “o céu da boca”.

Assim o carro partiu.

Anderson estava na sala sozinho, olhando pela janela e pedindo a Deus por sua filhinha quando viu os policiais se aproximando com Bia. O homem deu um grito chamando Rebeca, abriu a porta e saiu correndo para abraçar a filha. Anderson rodopiou a menina pelo ar, lhe encheu de beijos e perguntou onde ela estava. Bia respondeu “em um reino encantado”, Anderson nada entendeu e ela completou mostrando o cachorro e dizendo “O nome dele é pimpão, posso ficar com ele?”.

Enquanto o cachorro pimpão e a gata fofuxa se estranhavam Bia contava toda sua saga para a família. Como parou no deserto, comeu nuvem de algodão doce, andou em trem voador, conversou com para quedas e cavalo azul, dançou com as estrelas e ajudou a salvar o reino de mago ruim e bruxa da floresta. Anderson ria e comentava que a menina devia ser escritora, pois tinha uma imaginação muito fértil e Rebeca completou “Vamos deitar menininha, você teve um dia muito cheio, precisa descansar e amanhã vamos nos mudar”.

Bia lamentou e perguntou ao pai se ele não tinha arrumado o dinheiro, o homem respondeu que não e ela beijou pai e mãe desejando boa noite.

Deitou triste e perguntou a Gabriel qual posição ele tinha ficado na corrida. O menino respondeu que tinha abandonado para lhe socorrer e ela agradeceu. Rapidamente o menino dormiu e ela ficou pensando se tinha vivido aquilo tudo no reino mesmo ou tinha sido sua imaginação e também que mago bom não tinha cumprido sua palavra e ela não ficara rica. Lembrou do saco de moedas de ouro que tinha deixado no reino e lamentou mais ainda.  

Acordaram cedo e arrumavam as coisas para a mudança. Iriam para a casa dos pais de Rebeca no interior. Gabriel se lamentava que nunca mais veria os amigos da escola enquanto Bia olhava o quintal pela janela na esperança que alguma coisa ainda acontecesse.

Até que começou a trovejar.

Segue...



CAPÍTULO ANTERIOR:

A UNIÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário