quarta-feira, 10 de junho de 2015

CINEBLOG: CIDADE DE DEUS





Cineblog fala hoje de um dos maiores filmes da história do cinema nacional.
Cineblog orgulhosamente apresenta:

CIDADE DE DEUS



Cidade de Deus é um filme de drama brasileiro de 2002 dirigido por Fernando Meirelles e codirigido por Kátia Lund. Foi adaptado por Bráulio Mantovani a partir do livro de mesmo nome escrito por Paulo Lins. O filme retrata o crescimento do crime organizado na Cidade de Deus entre o final da década de 1960 e o início da década de 1980.

O filme é estrelado por Alexandre Rodrigues, Leandro Firmino da Hora, Jonathan Haagensen, Matheus Nachtergaele, Douglas Silva, Alice Braga e Seu Jorge. A grande maioria dos atores era, na verdade, moradores de favelas como Vidigal e Cidade de Deus.

Recebeu quatro indicações ao Oscar, nas categorias de Melhor Diretor (Fernando Meirelles), Melhor Roteiro Adaptado (Bráulio Mantovani), Melhor Edição (Daniel Rezende) e Melhor Fotografia (Cesár Charlone). Foi exibido fora de competição no Festival de Cannes.

Enredo 



O filme começa mostrando galinhas sendo preparadas para o almoço. Uma delas escapa e é perseguida por bandidos armados. A galinha para entre os bandidos e um jovem chamado Buscapé, que acredita que a gangue quer matá-lo. O filme volta 10 anos no tempo, onde Buscapé conta como ele foi parar naquela situação.

Três ladrões (Cabeleira, Alicate e Marreco), conhecidos como o Trio Ternura, aterrorizam os negócios locais com vários assaltos. Marreco é o irmão de Buscapé. Como Robin Hood, eles dividem parte do dinheiro roubado com os habitantes da favela chamada de Cidade de Deus e, em troca, são protegidos por eles. Vários meninos idolatram o Trio, um deles, chamado de Dadinho, os convence a roubar um motel. 

A gangue concorda, porém decidem por não matar ninguém e, achando que Dadinho é pequeno demais para participar, deixam ele como vigia. Eles dão a ele um revólver e falam para dar um tiro de aviso se a polícia chegar. Insatisfeito, Dadinho dá um tiro de aviso no meio do roubo e procede para satisfazer seu desejo de sangue assassinando todos os ocupantes no motel. O massacre chama a atenção da polícia, fazendo com que o Trio Ternura deixe a favela. Alicate se junta à igreja, Cabeleira é morto pela polícia ao tentar escapar com sua namorada e Marreco é morto por Dadinho depois de tentar roubar o dinheiro do menino e seu amigo Bené, que estavam se escondendo após os crimes cometidos no motel.

O tempo avança alguns anos. Buscapé se junta a um grupo de jovens que gostam de fumar maconha. Ele desenvolve um interesse em fotografia ao tirar fotos de seus amigos, especialmente de uma garota, Angélica. Ele tenta várias vezes se aproximar dela; porém, todas elas são arruinadas por um grupo de jovens arruaceiros conhecidos como Caixa Baixa. Dadinho muda seu nome para Zé Pequeno e, junto com seu amigo de infância Bené, estabelece um império do tráfico de drogas eliminando toda a sua competição, com a exceção de um traficante chamado Cenoura.

Elenco


   Leandro Firmino da Hora — "Zé Pequeno"
  Matheus Nachtergaele — Sandro "Cenoura"
  Seu Jorge — "Mané Galinha" (Manuel Machado Rocha)
  Thiago Martins — "Lampião"
Phellipe Haagensen — "Bené"
Roberta Rodrigues — Berenice
  Alice Braga — Angélica
   Arlindo Lopes — Cocota
  Babu Santana — "Grande"
  Charles Paraventi — "Tio Sam"
  Graziella Moretto — Marina Cintra
Jonathan Haagensen — "Cabeleira"

Crítica

Cidade de Deus recebeu críticas impressionantes e aclamadoras das várias grandes publicações nos Estados Unidos. No site Rotten Tomatoes o filme tem uma aprovação de 92%. Foi escolhido pela revista Empire, em 2008, como o 177º melhor filme de todos os tempos, e pela Time como um dos 100 melhores filmes da história.
O critico José Geraldo Couto do jornal Folha de S. Paulo relatou que "Cidade de Deus é um filme de vigor espantoso e de extrema competência narrativa. Seus grandes trunfos são o roteiro engenhosamente construído (sim, à maneira americana, sem gorduras nem pontos sem nó) e a consistência da mise-en-scène".
Em 2010 foi escolhido pela Empire como o sétimo melhor filme do cinema mundial e o sexto melhor filme de ação pelo The Guardian

Prêmios

 APCA
  • Grande prêmio da crítica: 2003
 BAFTA
  • Melhor edição: Daniel Rezende - 2003
 British Independent Film Awards
  • Melhor filme estrangeiro: 2003
 Festival de Cartagena
  • Melhor Filme: 2003
  • Melhor Diretor: Fernando Meirelles - 2003
Grande Prêmio Cinema Brasil
  • Melhor filme: 2003
  • Melhor diretor: Fernando Meirelles - 2003
  • Melhor roteiro adaptado: Bráulio Mantovani - 2003
  • Melhor fotografia: César Charlone - 2003
  • Melhor montagem: Daniel Rezende - 2003
  • Melhor som: Guilherme Ayrosa, Paulo Ricardo Nunes, Alessandro Laroca, Alejandro Quevedo, Carlos Honc, Roland N. Thai, Rudy Pi, Adam Sawelson V
Indicações

 Globos de Ouro
  • Melhor filme em língua estrangeira: 2003
Oscar
  • Melhor direção: Fernando Meirelles - 2004
  • Melhor roteiro adaptado: Bráulio Mantovani - 2004
  • Melhor fotografia: César Charlone - 2004
  • Melhor edição: Daniel Rezende - 2004

Semana que vem “Cineblog” fala de um dos marcos do cinema novo. “Deus e o diabo na terra do Sol”.



CINEBLOG ANTERIOR:

DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário