quarta-feira, 29 de abril de 2015

CINEBLOG: APOCALIPSE NOW




Cineblog hoje fala de um grande filme de guerra.

Cineblog orgulhosamente apresenta:

APOCALYPSE NOW



Apocalypse Now é um filme de guerra norte-americano de 1979 dirigido por Francis Ford Coppola e escrito por John Milius

Estrelado por Marlon Brando, Robert Duvall e Martin Sheen, o enredo sobre a guerra do Vietnã segue a história de seu personagem central, o oficial das Operações Especiais do Exército dos Estados Unidos Capitão Benjamin L. Willard, do Comando de Assistência Militar, em uma missão para matar o renegado e presumido insano Coronel Walter E. Kurtz, das Forças Especiais. Kurtz, no passado um soldado brilhante, aparentemente enlouqueceu e comanda seu próprio exercito como um semideus. Analises de críticos vem discutindo se o filme é pró ou anti-guerra com suas imagens de destruição da natureza, além da brutalidade sem propósito e a supremacia norte-americana; os efeitos que a guerra é capaz de causar na mente humana.

O roteiro foi originalmente concebido por Millus no final da década de 1960, através de uma ideia de mudar a história do romance Heart of Darkness de Joseph Conrad, em que Charles Marlow parte em uma busca no Estado Livre do Congo pelo desaparecido Sr. Kurtz, para a época da guerra do Vietnã. A ideia chegou até Coppola no meio da década de 1970, inicialmente ele planejava apenas produzi-lo. 

O cineasta assumiu a direção e decidiu fazer o filme na Manila e Filipinas em busca de baixos custos e equipamentos emprestados pelo governo local, com a distribuidora United Artists e seu estúdio American Zoetrope. Ao decorrer das filmagens e pós-produção o roteiro foi severamente modificado pelo diretor que o considerava problemático, inspirando-se e adicionando elementos de Dispatches de Michael Herr, a versão cinematográfica de 1965 da obra Lord Jim de Conrad, que compartilha o mesmo caráter de Marlow em Heart of Darkness, e Aguirre, der Zorn Gottes (1972) de Werner Herzog.

O filme tem sido notado pelos problemas encontrados para fazê-lo. Estes problemas foram narrados no documentário Hearts of Darkness: A Filmmaker's Apocalypse de Eleanor Coppola, que conta a história de Brando que chega no cenário acima do peso e completamente despreparado; cenários caros sendo destruídos pelo mau tempo; e seu ator principal (Sheen) sofrendo um ataque cardíaco enquanto no local. 

Problemas continuaram após a produção já que o lançamento foi adiado várias vezes enquanto Coppola editava milhares de vezes as sequências das filmagens. Levou cerca de três anos e meio para ser concluído e no final possuía um orçamento muito acima do estimado já que as gravações estavam muito atrasadas.

Sinopse



Em 1969, durante a guerra do Vietnã, o Capitão do Exército dos Estados Unidos e veterano das Operações Especiais Benjamin L. Willard (Martin Sheen) está em um hotel barato em Saigon, aguardando por uma missão, bebendo muito e pensando sozinho sobre sua vida e casamento fracassado. 

Depois de uma noite particularmente ruim em que fica alucinando sobre suas missões anteriores no país, é levado à força para uma reunião informal com os oficiais da Inteligência Militar Tenente-General Corman (G. D. Spradlin), Coronel Lucas (Harrison Ford) e um civil referido apenas como "Jerry". Os três avaliam seu passado como um membro das Operações Especiais e lhe oferecem uma missão para seguir o rio Nùng em selva remota, encontrar o trapaceiro Coronel Walter E. Kurtz das Forças Especiais se infiltrando em sua tropa e matá-lo, "encerrando seu comando". Kurtz aparentemente enlouqueceu e agora comanda sua própria tropa de montanheses dentro do neutro Camboja como um semideus.

A cena e monólogo de Bill Kilgore, "... Adoro o cheiro de napalm de manhã ...", é uma das mais icônicas da história do cinema.

Elenco




  • Martin Sheen como Capitão Benjamin L. Willard.
  • Marlon Brando como Coronel Walter E. Kurtz.
  • Robert Duvall como Tenente-Coronel Bill Kilgore
  • Frederic Forrest como Jay "Chef" Hicks. 
  • Albert Hall como "Chief" Phillips. 
  • Sam Bottoms como Lance B. Johnson. 
  • Laurence Fishburne como Tyrone "Clean" Miller. 
  • G. D. Spradlin como Tenente-General Corman,  .
  • Jerry Ziesmer como um homem misterioso (que é coincidentemente dirigido pelo general Corman como 'Jerry'; na versão disponível em Blu-ray é mencionado como um agente da CIA chamado R.E. Moore) 
  • Harrison Ford como Major Lucas.  ).
  • Scott Glenn como Capitão Richard M. Colby. 
  • Bill Graham como o agente e locutor responsável pela mostra das Coelhinhas.
  • Cynthia Wood (Coelhinha do Ano)
  • Linda (Beatty) Carpenter (Coelhinha de agosto de 1976) como a Coelhinha "Miss Agosto"
  • Colleen Camp como Coelhinha "Miss Maio"
 Música

A trilha sonora do filme foi composta pelo diretor e seu pai, Carmine Coppola, e editada por Walter Murch. Apenas três canções reais aparecem no disco: "The End", do The Doors, "Susie Q", pelo Flash Cadillac, e Cavalgada das Valquírias, de Richard Wagner. O álbum possuí 17 faixas e foi lançado junto ao filme em 1979.

Outras versões

Finais alternativos e variados

A versão original da película de 70 milímetros termina com o barco de Willard ao lado de uma estátua de pedra, em seguida a tela escurece sem os créditos atribuídos, salvo a nota "Copyright 1979 Omni Zoetrope" logo após o filme termina. Isso reflete a falta de seu título na abertura e supostamente decorre a intenção original de Coppola de "percorrer" o filme, como seria em um jogo: os créditos teriam aparecido em programas impressos fornecidos antes da exibição começar. Tem havido, até à data, muitas variações na sequência dos créditos finais, começando com a versão geral de lançamento da película de 35 milímetros, onde o diretor mostra os créditos sobrepostos a imagens da base de Kurtz explodindo.


Coppola explicou que havia gravado a metragem hoje icônica durante a demolição dos conjuntos (a destruição dos setes e o pedido de remoção exigido pelo governo filipino). Filmou a demolição com múltiplas câmeras equipadas com os estoques diferentes de filme e lentes para capturar as explosões em diferentes velocidades. Queria fazer algo com as imagens dramáticas e decidiu adicioná-las aos créditos.

  Bilheteria

Apocalypse Now teve um bom desempenho nas bilheterias quando foi lançado em agosto de 1979.  O filme foi aberto inicialmente em um teatro em Nova Iorque, Toronto, e Hollywood, arrecadando 322 489 dólares americanos nos primeiros cinco dias. Foi rodado exclusivamente nestes três locais durante quatro semanas antes da abertura em um adicional de 12 salas de cinemas em 3 de outubro de 1979 e, em seguida, várias centenas de semanas seguintes.  

O filme arrecadou mais de 78 milhões dólares americanos no mercado interno, com um total mundial de 83 471 511 dólares fazendo dele a quarta maior bilheteria dos cinemas internacionais naquele ano, embora existem fontes que citam uma bilheteria de cerca de 150 milhões de dólares.  Foi relançado em 28 de agosto de 1987, em seis cidades para capitalizar o sucesso de Platoon de Stone, Full Metal Jacket de Kubrick, e outros filmes sobre a guerra do Vietnã. Novas cópias de 70 milímetros foram rodadas em Los Angeles, São Francisco, San Jose, Seattle, St. Louis, e Cincinnati — cidades onde o filme foi bem sucedido financeiramente, em 1979. Foi lhe dado o mesmo tipo de lançamento, como a contratação exclusiva em 1979 sem logotipo ou créditos e as audiências receberam um programa impresso.


 Principais prêmios e nomeações



Oscar 1980 (EUA)
  • Ganhou nas categorias de Melhor fotografia (Vittorio Storaro) e Melhor som (Walter Murch, Mark Berger, Richard Beggs e Nathan Boxer).
  • Nomeado nas categorias de Melhor direção de arte, Melhor filme - drama, Melhor actor coadjuvante/secundário (Robert Duvall), Melhor realizador/diretor (Francis Ford Coppola) e Melhor edição (Lisa Fruchtman, Gerald B. Greenberg, Richard Marks e Walter Murch)
Festival de Cannes 1979 (França)
  • Recebeu a Palma de Ouro e o Prêmio FIPRESCI.
Globo de Ouro 1980 (EUA)
  • Ganhou nas categorias de Melhor realizador/diretor (Francis Ford Coppola), Melhor actor coadjuvante/secundário (Robert Duvall), Melhor argumento original (Carmine Coppola e Francis Ford Coppola)
Academia Japonesa de Cinema 1981 (Japão)
  • Indicado na categoria de "Melhor filme estrangeiro".
BAFTA 1980 (Reino Unido)
  • Venceu nas categorias de "Melhor direção" e "Melhor ator coadjuvante/secundário" (Robert Duvall).
  • Indicado nas categorias de "Melhor ator" (Martin Sheen), "Melhor fotografia", "Melhor edição", "Melhor filme", "Melhor desenho de produção" e "Melhor trilha sonora".
  • Indicado ao "Prêmio Anthony Asquith" para "Música de filme".
Grande Prêmio BR do Cinema Brasileiro 2002 (Brasil)
  • Indicado na categoria de "Melhor filme estrangeiro".
Prêmio César 1980 (França)
  • Indicado na categoria de "Melhor filme estrangeiro".
Prêmio David di Donatello 1980 (Itália)
  • Venceu na categoria de "Melhor diretor - filme estrangeiro".
   

Semana que vem "Cineblog" fala de "Assim caminha a humanidade".


CINEBLOG ANTERIOR:

O PODEROSO CHEFÃO - PARTE II

Um comentário:

  1. Apocalypse Now é um filme surpreendente, primeiro pela fundação que tem, eu realmente gosto das tiras de filme sobre assuntos militares, eu acho que eles são excelentes. Este filme pode ter sido uma história de muitos daqueles que vemos hoje. Uma das coisas que eu considero mais importante é o sucesso que tivemos depois de trabalhar com Coppola, por exemplo Robert Duvall, que teve vários papéis principais como um de seus últimos papéis no atores filme O juiz.

    ResponderExcluir