quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

AS MAIS BELAS CARTAS DE AMOR QUE EU NÃO ESCREVI




“Estava com saudades de você”.

Estava na mesa de jantar pensativo, restaurante bacana e não ouvi na primeira vez, só na segunda quando respondi com um “hã’. Ela repetiu "Estava com saudade de você" e sorri bebendo um pouco de vinho dizendo que também estava. Fui sincero na resposta, realmente senti, mas talvez não fosse a forma de resposta que ela esperava.

Ela disse novamente que sentiu saudades e respondi “eu também amor”. Ela falou “Senti muitas saudades” eu que já entendera que ela sentiu de novo falei “também” até que ela disse “Senti até dor no peito de tanta saudade”.
Não aguentei e mandei “Ta com dor no peito amor? Chama a Samu pode ser coração”. E assim a agradável noite se tornou silêncio.

Por quê fiz isso? Talvez brincar esteja na minha essência. Desde pequeno sendo uma forma de defesa e contra ataque de quem sempre teve que aprender que fazia isso ou seria massacrado. Tem gente que é forte, outras rápidas, outras habilidosas e para um grupo que não recebe nenhuma dessas qualidades resta a ironia e o sarcasmo.

Por quê brincamos, zoamos, rimos em vez de falar o que sentimos? Quando algo incomoda em vez de dizer o que é ruim usa o deboche como argumento? Em vez de romantismo brincar? Por quê muitas vezes o mais simples não é o mais fácil.

É a chamada exposição.

Todo mundo adora aqueles filmes românticos em que o cara corre atrás da mulher amada no aeroporto e quando ela está embarcando grita “Não vá!!”. Ela e todos que estão no saguão olham e ele diz “eu te amo!!”.

Sim, é lindo, mas quem tem coragem de fazer isso? Quem consegue realmente dizer a uma pessoa que está sempre com você, te dando força, sendo companheira “você me faz bem”? Muitas vezes falta coragem, outras percepção. Achamos que a pessoa já sabe, não é necessário expor.

Esse grupo que faço parte mesmo prefere dizer “chama a SAMU” porque mostrar sentimento é sinal de fraqueza. Desde pequenos esse grupo foi condicionado a isso. 

É mais fácil implicar que dizer “te adoro”. Cumprimentar dizendo “oi tonta” que falar pra alguém que nunca viu na vida e só tem contato pela tela de um computador o quanto ela te faz falta. Dizer a um amigo “te amo irmão, obrigado por tudo”. Mais fácil dizer “E aí bichona? Qual a boa de hoje?”.

A exposição de uma cena de amor num aeroporto, de uma declaração na frente de estranhos, de dedicar uma canção a quem se ama, um eu te amo a um amigo ou uma simples carta de amor desnudam. Desnudam não apenas aos olhos de quem nos observa, mas aos nossos. Nem sempre queremos ver como realmente somos.

Às vezes temos tanto para falar e tão pouco como dizer...

As mais belas cartas de amor que eu não escrevi se perderam entre meus pensamentos, voz e mãos, mas estão vivas em algum lugar dentro de mim.

Esperando serem enviadas..   

*Bem vindos a temporada 2014 do "Trocando em Miúdos" 

"Estava com saudade de vocês.." 

 

3 comentários:

  1. "Para quem ama, não será a ausência a mais certa, a mais eficaz, a mais intensa, a mais indestrutível, a mais fiel das presenças?"
    Marcel Proust

    Quem semeia amor, sempre deixa saudade, sabia?...

    Adoooorei! Vc é demais!

    Bjusssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei dessa frase do "semeia amor". Que bom que gostou :)

      bjsss

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir