quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

O ESTÁDIO VAZIO E O VAZIO QUE FICA



Resolvi reativar meu blog e escrever nele alguns pensamentos que talvez não caibam no Ouro de Tolo e no Brasil Decide. Mas continuo sendo colunista dos dois blogs.

Com muito orgulho pela confiança dos donos dos blogs continuo todos os sábados e domingos no Ouro de Tolo (www.pedromigao.com.br)  e em um dia do fim de semana escrevendo sobre política no Brasil Decide (http://brasildecide.wordpress.com).

Vamos a primeira coluna nesse blog. Falar da tragédia e conseqüências de Oruro. Mas por uma outra ótica, sem procurar culpados.

Foi muito estranho ver o jogo do Corinthians sem torcida ontem.

Estamos acostumados em ver a “Fiel torcida” junto, incentivando, interagindo. Não sendo o décimo segundo, mas o primeiro jogador do clube.

Uns quatro ainda conseguiram ver, mas foi estranho demais. A impressão que de ver um time alvinegro em campo com estádio vazio é que víamos um jogo do Botafogo. Só lembrávamos que não era porque era partida de Libertadores e o clube não joga o torneio desde o tempo que Garrincha bebia guaraná.

Tudo por causa de um sinalizador.

A gente até semana passada não tinha noção do estrago que um sinalizador pode causar. Um estrago que matou, ceifou a vida de um menino de quatorze anos e feriu milhões. Feriu a torcida que não pôde acompanhar o jogo, feriu a todos nós. Pais, mães que levamos ou temos vontade de levar nossos filhos ao estádio. Feriu nossos corações.

Quem é o culpado? Não sei, a princípio todos, mas um joga a culpa para o outro. Só sei que a família do menino não tem mais a sua companhia, seus sonhos, seu futuro. Ninguém sabe nada sobre ele, só que foi um garoto que saiu de casa para ver uma simples partida de futebol e voltou em um caixão.  

E o estádio ficou vazio ontem e vendo a partida nossos corações também por lembrar do motivo.

Será que é muito pedir paz no futebol? Não é paz no mundo porque a gente sabe que esse não tem jeito, mas paz em um simples divertimento, um jogo de futebol. Sim, a coisa mais importante entre as coisas menos importantes, mas que não deve ser visto como a vida, a honra, a pátria, uma guerra. É só futebol cacete!!

Sim, eu choro, sofro, rio, gargalho, sacaneio e sou sacaneado por causa de futebol, mas passa, é apenas um lado lúdico. Algo para tirar nosso stress do dia a dia, para nos relaxar e torcer pelo clube que gostamos. Quando isso for motivo de desgastes e stress como é a vida é melhor parar. 

Alguns de meus melhores amigos da vida torciam e torcem por outros clubes e espero que um dia a gente não veja o adversário como inimigo, apenas como um amigo com mau gosto.

E que sinalizadores, pedras, bombas, revólveres não acabem mais com o futuro de ninguém.

Não quero mais o vazio de uma vida perdida, só o sorriso cheio de um gol marcado.

A cada tragédia fica a tristeza do ocorrido e a esperança que essa tenha sido um marco para mudanças. Por quê não agora?

Quem ama o esporte merece.





Nenhum comentário:

Postar um comentário