segunda-feira, 28 de maio de 2012

Capítulo XXI - Amor da minha vida


Lucas foi preso em uma noite fria de inverno no Rio de Janeiro. Estava assustado, completamente fora de si vendo aquela multidão de fotógrafos pipocarem seus flashes e tirar o pouco de dignidade que ainda tinha.


Conseguiu ter segundos de realidade e pensou em Jonatan e Bia. Pensou na imagem que passava para seus filhos que acompanharam pouco do seu auge e já eram crescidos o suficiente para ver suas confusões e sentiu vergonha.


Lucas não gostava daquela vida, não gostava de ter se transformado em um mendigo, assaltante e viciado, mas era fraco ou tornou-se um fraco com o tempo.


Lucas sempre foi um cara forte, a fortaleza da família e fez o caminho inverso do que seguimos normalmente. Nós na adversidade encontramos forças não sabemos de onde. Lucas encontrou fraqueza que ele não sabia que tinha.


Pensou em Mayara antes de entrar no camburão em direção do presídio. Uma lágrima caiu de sua face vendo que agindo daquela forma cada vez mais se afastava do amor de sua vida.


Mas era mais forte que ele.


A nova vida de Lucas no presídio foi bem diferente da anterior que contava com a proteção de Mariano. Lucas sofreu muito mais nessa vez. Foi mal recebido no presídio e sofreu todos os tipos de atrocidade, surras constantes e não teve jeito. Lucas teve que virar bandido de vez para sobreviver. Encontrar dentro de si um ódio que desconhecia e colocar pra fora.


Uma noite cansado de tanto apanhar, de tantas humilhações Lucas fez acordo com um guarda e conseguiu uma faca.


O “líder” da cela chegou de noite em Lucas e pediu o maço de cigarros que ele guardava no bolso. Lucas respondeu que não daria e homem perguntou se ele queria apanhar.


Lucas nada respondeu e o homem deu um soco em Lucas que caiu no chão. Quando o homem se agachou em cima de Lucas para continuar batendo o rapaz lhe deu uma facada.


O homem levantou cambaleando e Lucas deu mais uma facada, mais uma e mais uma, deu várias facadas no homem que caiu morto no chão.


Os presos olharam assustados para Lucas e um não entendendo o que ocorrera disse “Qual foi artista?” Lucas respondeu “Artista o caralho, o artista morreu, agora eu sou bandido igual a vocês e sou o novo dono dessa porra!!”.


Perguntou se alguém tentaria discordar e todos os presos se calaram. Lucas assim virou o novo chefe.
Na manhã seguinte os guardas recolheram o corpo do homem e perguntaram aos presos quem fizera aquilo. Mostrando que existia um novo líder os homens se calaram mostrando subserviência à Lucas.


E Lucas mostrou que levava a sério sua nova faceta. Rapidamente tornou-se um dos líderes da facção que mandava em seu pavilhão fazendo um controle a ferro e fogo. Um estuprador foi recebido na cela ao lado e Lucas comandou a “comitiva de boas vindas.”.


Chegou com uma panela perguntando se o homem queria comida e antes que ele respondesse algo jogou água fervendo no rosto do estuprador que urrava desesperado. Depois escolheu um negro do tipo forte e mandou que mostrasse ao estuprador como era bom ser atacado.


O homem urrava sendo estuprado pelo negão enquanto Lucas sem pena nenhuma voltava para sua cela.
E conseguia seu crack da mesma forma dentro do presísio subornando os agentes penitenciários. Lucas era outro, se transformara em um bandido pior que Mariano e em nada mais lembrava aquele rapaz doce e de sorriso cativante que se tornara o maior artista do Brasil.


Alguns meses se passaram e foi avisado que tinha visita para ele. Lucas estranhou já que não recebera nenhuma visita desde que voltou a prisão e imaginara que fosse Jéssica. Foi até uma sala reservada e teve uma surpresa.


Era Jonas.


Lucas irritado com aquela visita sentou-se em uma cadeira de frente a Jonas e perguntou o que o irmão queria. Jonas respondeu que Mayara acabara de dar a luz ao filho deles, queria dividir sua felicidade com o irmão e acabar com qualquer mágoa que existisse entre eles.


Lucas ouviu a tudo atentamente e perguntou se era isso. Jonas queria estampar sua felicidade por ter engravidado sua mulher e queria perdão. Jonas respondeu que a mulher não era mais dele, era sua e não foi estampar felicidade, apenas tentar uma reconciliação.


Lucas sério e sereno perguntou se era isso então, Jonas queria fazer as pazes e Jonas respondeu que sim.
Lucas acenou com a cabeça positivamente e ficou em silêncio alguns segundos. Jonas sem entender perguntou ao irmão qual era sua escolha.


Lucas disse que responderia qual era sua escolha e como um bicho voou no pescoço do irmão jogando-lhe no chão e dizendo “a minha escolha é te matar seu filho da puta!!”. Lucas apertava suas mãos no pescoço de Jonas sufocando o irmão que desesperado pedia socorro.


Os guardas entraram e conseguiram separar os dois. Jonas tossindo muito gritou que o irmão ficara doido e seu lugar era ali pra sempre. Lucas gritava de volta que iria matar Jonas e Jonas já recuperado riu e disse que enquanto o irmão voltaria para a cela imunda ele iria pra casa e comeria Mayara naquela noite dedicando a transa a Lucas.


Lucas furioso tentava se livrar dos guardas para pegar Jonas enquanto o mesmo rindo saiu da sala junto a outros guardas. Lucas voltou para a cela espumando com os outros presos perguntando qual era o problema.


Lucas respondeu que tinha que fugir da cadeia para matar o irmão.


Lucas estava com o capeta no corpo e em algumas semanas planejou uma rebelião no presídio. Com seus comparsas invadiu outro pavilhão e provocou uma chacina matando muitos presos.


No meio da confusão instalada no presídio conseguiu fugir com alguns comparsas. Seu alvo era Jonas e iria direto para casa de Mayara matar o irmão.


Sem saber que naquele momento Jonas estava em uma delegacia detido por espancar Mayara.


Bem, tudo bem explicado até esse momento, está faltando um personagem nessa história. Eu.


Vocês devem se perguntar o que eu tenho a ver com isso tudo, eu vou responder.


Estudei comunicação com especialização em publicidade me formando pela UNISUAM de Bonsucesso, mas nunca exerci a profissão. Sempre preferi samba e até me arrisquei como compositor de samba-enredo, mas apesar de dar certa grana se você vencer concursos isso não estabiliza a vida de ninguém.


Nunca fui tão fã de funk assim, mas gostava das músicas de Lucas e Léo e conheci Lucas quando ele concorreu junto com o pai na União da Ilha, inclusive perdi para eles na final. Não ficamos amigos, mas sempre que nos víamos ele me cumprimentava e era muito cortês comigo. Inclusive me deu ingresso para o show no Maracanã.


Desde que minha mãe morreu o dinheiro não ficou mais tão farto aqui em casa, mas dava pra me virar. Só que eu decidi registrar como minha filha a filha de uma ex namorada, por coincidência chamada Bia assim como a filha de Lucas. A minha se chama Ana Beatriz e assim tive que trabalhar.


Consegui com um amigo emprego numa rádio e aí minha história começa a se envolver com a de Lucas naquele momento.


Eu brincava com minha filha Bia em um balanço na praça da Freguesia, bairro aqui da Ilha do Governador quando meu celular tocou.


Atendi e era da rádio. Pediram para eu ir urgentemente até a casa de Mayara porque Lucas estava lá com alguns criminosos mantendo a ex mulher e sua família como reféns. Era a história do ano e eu era a pessoa da rádio mais próxima ao local.


Ainda argumentei que não era repórter, só trabalhava na rádio ajudando a fazer uns textos, mas responderam que meu emprego dependia daquilo.


Sem opção e precisando daquele dinheiro me encaminhei para a casa de Mayara.


Algumas horas antes desse telefonema Lucas e três comparsas dirigiam de forma alucinada por um carro roubado pelo Rio de Janeiro. Lucas no banco de trás ordenava que acelerassem porque queria o quanto antes matar Jonas.


Entraram na rua de Mayara e de dentro do carro observavam a casa pensando em uma melhor forma de invadir. Viram um menino com buquê de flores na mão e ali a oportunidade.


Chegaram no menino e discretamente colocaram uma arma nas suas costas. Lucas falou em seu ouvido que se fizesse o que mandavam nada de mal ocorreria com ele.


Dessa forma o menino tocou a campainha de Mayara e disse que era uma entrega de flores para Mayara Violi.


Do lado de dentro a mãe de Mayara estranhou e perguntou a filha se sabia se Jonas fora solto e de repente mandou as flores para pedir desculpas. Mayara respondeu que não teria desculpas e pediu para a empregada atender a porta.


A empregada abriu a porta e Lucas e seu bando empurraram o menino apontando armas para a empregada e lhe fazendo refém.


A empregada entrou em casa com olhar assutado. Mayara percebeu e perguntou qual era o problema, esse foi o instante que Lucas apareceu cumprimentando a ex mulher.


Mayara assustado exclamou “Lucas!!” e o rapaz perguntou onde estava “o filho da puta do seu marido”. Mayara nervosa pediu que Lucas se acalmasse e ele apontou a arma para a moça dizendo que não se acalmaria nem queria fazer mal a elas, queria Jonas.


Mayara disse que o marido não estava em casa e Lucas gritou pedindo que ela não o protegesse e Mayara jurou que não estava protegendo e contou toda a situação.


Lucas sentou xingando o irmão de todos os nomes possíveis quando Jonatan desceu e assustado com aquelas armas todos disse “papai”.


Tempo que Lucas não via o filho e emocionado foi ao seu encontro dando um beijo em sua cabeça e falando “oi meu filho”. Mayara pediu que Jonatan subisse que aquela era uma conversa de adultos.


Jonatan perguntou por que o pai estava armado e Mayara reforçou o pedido que ele subisse. Lucas abraçou o filho e pediu que ele ouvisse sua mãe que depois ele iria a seu quarto. Dessa forma Jonatan subiu.
Mayara perguntou ao ex marido que loucura era aquela de invadirem sua casa armados e Lucas respondeu que Jonas foi à cadeia lhe provocar e o mataria. Mayara pediu que ele se entregasse, não precisava mais matar o irmão por estarem separados e ele não era bandido.


Lucas respondeu que era bandido sim e não tinha mais volta.


Ao terminar de falar ouviu uma sirene de polícia. Um dos bandidos foi até o segundo andar e pela janela percebeu que era ali.


Desceu e contou a Lucas no momento que em um megafone um dos policiais contou que sabia que Lucas estava ali e era para ele se entregar.


Lucas pediu desculpas a Mayara e contou que a partir daquele momento ela e a família seriam reféns.


As horas se passaram e eu já estava na frente da casa cobrindo o sequestro. Eu e a imprensa do país inteiro. A polícia da cidade toda estava no lugar e atiradores de elite se posicionavam na casa em frente.


A tensão tomava conta do lado de dentro da casa de Mayara e os bandidos discutiam.


Lucas perguntou se seus parceiros iriam “amarelar” e um deles falou que se entregaria porque não queria morrer. Os outros dois concordaram e falaram que fariam o mesmo.


Lucas perguntou se essa era a palavra final deles e os homens responderam que sim. Mayara pediu que ele fizesse o mesmo e Lucas gritou por Jonatan.


O menino desceu e Lucas mandou que os bandidos levassem a família e a empregada junto.
Começaram a sair e Mayara sairia junto quando Lucas disse “não, você fica”.


Dessa forma os bandidos se entregaram e a mãe de Mayara, Jonatan e a empregada foram liberados ficando apenas Lucas e Mayara na casa.


O telefone da casa tocou e Lucas atendeu. Era a polícia querendo negociar. Lucas respondeu que queria cem mil reais e um carro para poder fugir. Levaria Mayara consigo e quando visse que estava seguro libertaria a mulher.


Anoiteceu e a tensão era grande na rua. A imprensa debatia sobre o caso e como ele acabaria. Todas as emissoras passavam o caso pela tv e eu com muita fome tentava algo pra comer. A minha sorte foi passar um vendedor de pipocas pela rua.


Enquanto isso do lado de dentro da casa Lucas acompanhava a tudo pela tv. Via na televisão mostrarem sua trajetória, momentos de sucesso, decadência e sua vida com Mayara.


Mayara interrompeu o longo silêncio na casa e aconselhou Lucas a desligar a televisão que aquilo devia lhe fazer mal. Lucas respondeu que não tinha problemas e já se acostumara a ver seu fracasso na mídia.


Quando acabou de falar a polícia cortou a luz da casa.


Lucas lamentou que não deu tempo de ver sua fase de cantor gospel na matéria e Mayara gritou que não era momento de piadas.


Lucas pediu desculpas para a ex e ela falou que ele parasse de apontar a arma à sua cabeça que não fugiria e ficaria com ele até o fim.


Lucas abaixou a arma e riu. Mayara perguntou o motivo da risada e Lucas respondeu que foi ela falar que ficaria até o fim com ele. Que ela não foi capaz disso e abandonou o barco na primeira onda forte.


Mayara retrucou que Lucas estava sendo injustado e lembrou ao rapaz que ele a traiu duas vezes sendo inclusive pai fora do casamento. Ela reforçou que foram duas traições pelo que ela sabia, mas devia ter sido bem mais.


Lucas disse que foi apenas sexo e seu amor de verdade era Mayara sempre foi e a ela dedicou sua vida e por causa dela decaiu.


Mayara revidou que Lucas não podia culpar ninguém pelo que ocorreu com ele. Ele foi o responsável por tudo e justo ele que sempre foi um rapaz inteligente conseguiu ser burro como ninguém poderia imaginar. 


Nasceu em berço pobre, muitas vezes sem ter o que comer, conseguiu o mair dificil que foi ficar rico, ter fama e ser querido pelo país e conseguiu jogar tudo fora.


Lucas respondeu que com ela ao lado tudo teria sido bem mais fácil e Mayara revidou que Lucas não quis que ela ficasse ao seu lado quando colocou outras mulheres no meio deles.


Enquanto a polícia do lado de fora tensa tentava resolver o sequestro uma DR acontecia dentro da casa.


Os dois ficaram um tempo em silêncio sentados no sofá daquela sala escura e Lucas perguntou a Mayara por quê com tantos homens no mundo justo o irmão dele. Mayara pensou um pouco e respondeu que nessas coisas não se manda. Ela vivia um momento de carência e foi justo naquele momento que Jonas surgiu.


Lucas com olhar triste disse que poderia ter sido com qualquer um menos com Jonas e Mayara sem olhar nos olhos de Lucas respondeu que talvez tivesse escolhido Jonas por ser o mais próximo de Lucas que poderia chegar.


Lucas contou que não era Jonas e não espancava mulheres. Mayara concordou e disse que não poderia nunca se queixar do comportamento do ex. Sempre foi um homem carinhoso e lhe tratou bem.


Lucas comentou que era uma pena não ter dado certo entre eles e Mayara concordou.


Ficaram mais um tempo em silêncio até que Mayara contou que precisava ir ao banheiro e perguntou se precisaria levar Lucas junto. Lucas respondeu que ela poderia ir que ele ficaria na sala.


Mayara levantou e quando saía da sala perguntou a Lucas se ele não tinha medo de morrer.


Lucas pensou por um tempo e respondeu..


..eu não tenho medo da morte, eu tenho medo do amor.


Mayara ouviu quieta a resposta e foi para o banheiro. Depois de alguns minutos Lucas percebeu um violão encostado em uma prateleira e o pegou.


Destreinado por fazer tempo que não mexia em um violão Lucas deu uma arranhada nas cordas, mas como era talentoso e talento não se perde logo pegou novamente o jeito e começou a tocar.


Começou os acordes de “No baile” sem perceber que Mayara lhe ouvia da porta.


Começou a cantar a música com a moça emocionada ouvindo. Quando chegou à parte “Será que pode me dar uma chance” Mayara se antecipou e cantou. Dessa forma Lucas percebeu a presença da ex e juntos cantaram o refrão.


No fim Mayara tirou o violão das mãos de Lucas, sentou em seu colo e lhe beijou.


Já era madrugada e enquanto Lucas e Mayara faziam amor na sala da casa relembrando os velhos tempos de uma forma doce e apaixonada Jéssica, Rubens e Dora chegavam à rua.


O comandante da operação chegou perto de Jéssica, por sorte eu também estava perto e pude ouvir a conversa. O policial pediu que Jéssica falasse ao megafone com Lucas e pedisse que o rapaz se entregasse. Jéssica respondeu que não faria, Lucas estava nas mãos de Jesus e ele que teria que agir sobre o irmão e lhe dar luz para seguir seu destino.




Não aguentei e me meti na conversa falando que Jéssica era a única que poderia encerrar aquela situação. Jéssica respondeu que só Jesus poderia.


O comandante tentou convencer, mas não conseguiu. Jéssica se afastou com Rubens e Dora e fizeram um círculo para rezar. Não entendi nada e nessa hora dei graças a Deus por ser macumbeiro.


O dia amanheceu e Lucas e Mayara estavam abraçados no chão da sala. Mayara contou a Lucas que tinha decidido minutos antes do ex invadir sua casa ir ao presídio e falar que queria voltar com ele e ajudá-lo. Lucas riu e respondeu que sempre foi apressado e resolveu se antecipar as coisas.


Depois deu uma gargalhada e Mayara perguntou o motivo. Lucas respondeu que ela ainda era casada com Jonas, estava de aliança então tecnicamente acabara de botar um “par de chifres” no irmão. Mayara rindo deu soco no braço do ex dizendo que ele não valia nada e por uns instantes os dois se esqueceram da situação que estavam.


O telefone tocou e Lucas levantou para atender.


A polícia argumentou que não conseguira o dinheiro, mas daria o carro para a fuga. Lucas respondeu que teria que ser da forma que ele queria e não aceitaria assim desligando o telefone.


Mayara preocupada comentou com Lucas que a situação estava ficando fora de controle, mas Lucas respondeu que sabia o que estava fazendo. Mayara retrucou que ele não sabia e Lucas ficou em silêncio.


Do lado de fora a polícia planejava uma invasão à casa e eu sentia cheiro de tragédia. Olhei para Jéssica e a mulher estava em transe. Percebi que teria que fazer alguma coisa para evitar minha previsão e me ofereci para ajudar.


Os policiais perguntaram como eu poderia ajudar e menti respondendo que era amigo de Lucas e talvez pudesse falar com ele. Toda ajuda naquele momento era válida e o comandante me passou o megafone.


Respirei fundo e no megafone disse a Lucas quem era, lembrei que era seu amigo da União da Ilha e agora trabalhava na imprensa. Pedi a ele que me deixasse entrar para conversar com ele e assim ele poder mostrar sua versão.


Esperei um tempo por sua resposta e nada. Derrotado devolvi o megafone quando ouvi um grito da janela mandando que eu entrasse.


Mexi na porta principal e percebi que estava aberta. Entrei caminhando pela entrada da casa e abri a porta que dava acesso à sala encontrando Lucas e Mayara sentados no sofá.


Lucas levantou-se e deu aquele sorriso já esquecido para me dar um abraço. Tímido respondi ao abraço e Lucas disse que não sabia que eu era repórter. Respondi que até o dia anterior eu também não sabia e estava lá porque ele era o assunto do Brasil.


Lucas ironizou falando que finalmente voltara a mídia e eu respondi que era o momento dele usar essa mídia a favor declarando tudo que sentia.


Lucas aproveitou meu gravador ligado e contou tudo. Como foi sua vida desde que foi embora da casa de Jéssica até chegar aquele momento, tudo que sofreu na cadeia e o motivo por ter invadido a casa.


Falei para ele que era melhor modificar a última parte e ele dizer que invadiu a casa para acertar as contas com o irmão, não matar, mas Lucas respondeu que era o momento de ser sincero em tudo e não mentiria.


No fim perguntei o que ele queria naquele momento e Lucas respondeu que queria um carro pra fuga e cem mil reais.


Desliguei o gravador e falei para Lucas deixar de ser ingênuo. A polícia não lhe daria dinheiro nem deixaria que ele fugisse em paz. Estavam planejando invadir a casa para libertar Mayara e lhe matar.


Mayara apertou o braço de Lucas e soltou um “ai meu Deus”. Argumentei com Lucas que pelo jeito ele estava bem com Mayara então era um bom motivo dele querer viver, além dos dois filhos que lhe esperavam do lado de fora.


Lucas me ouvia em silêncio e o aconselhei a se entregar, cumprir todas as suas dívidas com a justiça e ser feliz.


Lucas perguntou a Mayara o que ela achava e a moça respondeu que era a melhor opção. Do lado de fora ela diria que não houve sequestro, ela ficou porque quis e arrumaria um bom advogado para ele.


Lucas perguntou a Mayara se ela o esperaria sari da cadeia e ela respondeu que lhe esperaria o tempo que fosse.


Pedi licença ao casal e disse que sairia para passar a matéria à minha rádio e que era melhor eles conversarem para chegar a uma conclusão.


Lucas agradeceu e eu saí.


Do lado de fora a imprensa me cercou e eu disse que Mayara estava bem e achava que Lucas se entregaria. Contei o mesmo para a polícia e pedi que esperassem mais para uma possível invasão.


Do lado de dentro Lucas e Mayara conversavam. Mayara pediu que Lucas se entregasse para aquela história não acabar em tragédia e eles pudessem ter um final feliz. Lucas andava nervoso de um lado para outro e se aproximou de Mayara.


Lucas deu um beijo na testa de Mayara, respirou fundo e disse que estava na hora daquele sequestro idiota acabar.


Mayara feliz deu um beijo em Lucas e falou para eles saírem.


Lucas gritou pela janela que iria se entregar e queria garantias que nada ocorreria. O comandante respondeu que ele ficasse tranquilo que nada de mal ocorreria.


A polícia se mobilizou na frente da casa e a imprensa toda se empurrava procurando o melhor ângulo para a saída. Por eu ter conseguido ajudar na negociação tive o privilégio de ficar do lado de dentro do cordão de isolamento ao lado do comandante.


Lucas e Mayara de mãos dadas saíram pela porta da sala e andaram até a porta principal.


Chegaram à frente da porta e Lucas respirou fundo, Mayara perguntou se o amado estava pronto e Lucas respondeu que sim.


Mayara fez um último carinho no rosto de Lucas falado que tudo daria certo e abriu a porta.


Sáiram da casa e os flashes dos fotógrafos pipocavam alucinadamente como nem no tempo do auge de Lucas pipocaram. Lucas e Mayara estavam de mãos dadas assustados com tudo aquilo e o comandante pedindo pra imprensa parar.


Da janela da casa em frente o atirador de elite com o fuzil apontado para Lucas e com a visão atrapalhada pelos flashes atirou.


Acertando Mayara em cheio.


Lucas desesperado gritou por Mayara que caía no chão e um segundo tiro foi dado acertando a cabeça de Lucas.


Lucas caiu no chão no meio dos gritos desesperados do comandante ao megafone mandando parar de atirar.


Lucas agonizava no chão com os olhos vidrados, a boca tremendo e um fiapo de sangue saindo dela. Mayara chorando se arrastou até Lucas e disse “eu te amo” lhe dando um beijo na boca enquanto Lucas deixava cair uma lágrima.


Mayara encostou sua boca na do amado, o último beijo entre Lucas e Mayara.


E assim os dois morreram. Com a cabeça de Mayara encostada na de Lucas.


A imprensa não aguentou mais e invadiu a área isolada. Desesperados pelo melhor ângulo tiravam fotos do casal enquanto eu estarrecido não consegui sair do lugar


Meu nextel tocou e desesperado o locutor da rádio contava que estava comigo ao vivo no ar e pediu que eu falasse algo.


Fiquei alguns segundos em silêncio e falei.


Lucas Violi, o menino pobre do morro do Dendê que ganhou a vida como engraxate desde os dez anos de idade, trabalhou como pedreiro doze horas por dia até realizar o sonho de ser cantor alcançando o posto de maior artista do país acaba de ser assassinado pelo destino.


Falei, desliguei o telefone e olhei pra trás. Vi a imprensa como um enxame de abelhas em cima dos corpos e fui embora na contramão do tráfego atrapalhando o trânsito.


Lucas e Mayara, o maior caso de amor que conheci, morreram juntos sem ter medo de amar.


Alguns anos depois dois rapazes assustados esperavam na coxia do programa de auditório de maior audiência aos domingos da tv brasileira. DJ Mustang se aproximou deles e pediu que se acalmassem e cantassem como se estivessem em um baile funk.


O mais tímido apenas sorriu e o líder da dupla respondeu “deixa com a gente”.


Do palco o apresentador anunciou “Com vocês pela primeira vez na televisão o maior sucesso das rádios do Rio de Janeiro Jonatan e Léozinho!!”.


Sim, eram os filhos de Lucas e Léo.


Os dois cantaram a música deles que alcançara o primeiro lugar nas rádios cariocas sendo ovacionados pelo público.


Deram entrevista para o apresentador lembrando-se dos pais e que foi lá que se apresentaram pela primeira vez. O apresentador falou da importância de Lucas e Léo para a música brasileira e que a dupla era imortal no coração do país.


Jonatan contou que queria aproveitar a presença deles lá para fazer uma homenagem ao pai. O apresentador então anunciou a presença de Charlote Spencer.


A moça entrou sob aplausos da platéia e a banda começou os acordes de “No baile”.


Uma mistura de aplausos, canto e choro tomou conta do programa com Charlote e a dupla de funkeiros cantando o maior sucesso de Lucas Violi.


E enquanto eles cantavam no telão apareceu a imagem de Lucas cantando com Mayara o tema deles em uma das apresentações do cantor no programa.


A imagem de Lucas e Mayara cantando “amor da minha vida, te quero aqui comigo, me deixa te amar” acabou tomando conta da tela das televisões e com certeza em algum lugar desse universo em um palco de sonhos eles estavam cantando a música e encontrando a paz que sempre procuraram.


Para sempre seriam o amor da vida um do outro.


Para sempre cantando os seus lá lalá iás


Se existe céu o deles seria como onde se conheceram, como...


...no baile


FIM




Esse livro é dedicado a Wilson Simonal de Castro e ao “povo preto e favelado” desse país.


Esse livro é dedicado a todos aqueles que têm sonhos



Nenhum comentário:

Postar um comentário